António Ferro e a prática turística nacional (3) – As Comemorações Centenárias, 1940

1940 foi o ano escolhido pelo Estado Novo para celebrar duas efemérides extremamente importantes para o regime de Salazar por evocarem ocasiões determinantes para a ”Nação” que o novo paradigma político queria ver consagrada. Referimo-nos a 1140, fundação da nacionalidade, e a 1640, restauração da independência. António Ferro participou na organização destas comemorações, acerca das quais emitiu ainda diversos pareceres.

Figura 1 -

Figura 1 – Postal ilustrado, reprodução da capa de Comemorações Centenárias. Programa Oficial 1940 (ilustração: Fred Kradolfer. Lisboa: SPN: 1940), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Em 27 de março de 1938 uma nota oficiosa da Presidência do Conselho anunciava a intenção de o regime realizar, dois anos depois, as Comemorações do Duplo Centenário da “Nação” que deveriam ser extensivas a toda a população. Fora das grandes cidades, os festejos eram organizados por subcomissões criadas para o efeito, tendo a maioria desses eventos surgido sob a forma de feiras, romarias e exposições. A Exposição do Mundo Português, realizada na zona da Junqueira, em Lisboa, entre junho e dezembro de 1940, terá eventualmente sido o mais emblemático momento dos festejos centenários.

No espólio da Fundação António Quadros encontra-se um relatório que estabelece os objetivos e as atividades que seriam desenvolvidas no âmbito das comemorações de 1940. São de relevar o cuidado com o eco que as mesmas teriam no estrangeiro, e principalmente a expetativa de que viriam “turistas de tôdas as classes, durante o largo período de duração das festas” (Relatório, s/d).

Apesar de a nota oficiosa de Salazar insistir que o propósito das celebrações não pretendia capitalizar esse momento em função da indústria turística, o certo é que tal não sucedeu na prática, tendo muitas das áreas correlacionadas com o setor vindo a beneficiar com todos os projetos traçados para os festejos. Assim, logo as primeiras palavras do relatório atrás mencionado servem para destacar a atividade turística e para discutir sugestões para um feliz decurso do Duplo Centenário, nas quais são incluídas linhas de ação para a preparação da “nossa casa” tendo em vista o magno evento de 1940. O Conselho Nacional de Turismo, por exemplo, deveria impor mecanismos de regulamentação junto dos hotéis para que os serviços fossem melhorados, sugerindo-se a construção de pousadas com características marcadamente nacionais. Outro ponto a ser resolvido prendia-se com os problemas de entrada na capital e com a falta de um aeroporto. Era referida, ainda, a necessidade de se edificar as gares marítimas já planeadas e de melhorar as estações da CP, devendo o Paço de Sintra ser requalificado e o abastecimento de água à Costa do Sol assegurado. Defendia-se a repressão da mendicidade, mais limpeza e mais policiamento em Lisboa, Porto e Coimbra, e a recuperação de fachadas. O Castelo de São Jorge, o Palácio de Queluz, a zona de Belém, o parque Eduardo VII, ou a estrada para Cascais eram nomeados como espaços a necessitar de restauro.

O vasto e abrangente programa das comemorações iniciou-se a 27 de abril de 1940 com um Te Deum celebrado em todas as sés e igrejas de Portugal e do império, e com uma sessão solene presidida pelo Chefe de Estado na Assembleia Nacional, a que se seguiram diversas iniciativas oficiais por todo o país, que incluíram a reunião da Aliança Internacional de Turismo. Faziam igualmente parte da agenda atividades mais populares como a Festa de Santo António, arraiais populares, touradas, ou a abertura do Estádio Nacional.

Graças aos festejos de 1940, o país sofreu melhoramentos até então adiados, realizados em função dos visitantes estrangeiros esperados, como foi o caso da ampliação do Museu Nacional de Arte Antiga, das obras na Assembleia Nacional, ou da construção do Bairro do Restelo e da Avenida do Aeroporto. O encerramento dos festejos ocorreu no dia 2 de dezembro, em cerimónias presididas pelo Chefe de Estado, e com a exibição da ópera 1640.

Da Comissão Nacional dos Centenários faziam parte 26 personalidades, tendo o pelouro do Turismo, da Propaganda e da Receção cabido a António Ferro, igualmente nomeado secretário-geral. A divulgação dos eventos foi intensa e em janeiro de 1939 a Revista dos Centenários começou a “realizar a propaganda externa e interna das festas, chamando para elas, e para a alta significação dos acontecimentos históricos que se comemoram, a atenção de portugueses e estranjeiros” (Revista dos Centenários, 31 de janeiro de 1939: 2).

Faltam quatro mêses… é um texto de António Ferro que faz uma das últimas e mais interessantes reflexões sobre os preparativos para as comemorações. Apesar de lamentar a prevista diminuição de visitantes estrangeiros devido aos conflitos bélicos, Ferro referia as vantagens económicas resultantes da movimentação turística esperada “que nos olham como se fossemos a terra prometida” (Ferro, s/d, Faltam quatro meses…: 4) e elogiava todos os trabalhos em curso.

A repercussão dos festejos de 1940 foi grande e o setor turístico foi, sem dúvida, um dos que mais beneficiou com o investimento do regime de Salazar nas comemorações centenárias.

 

Obras citadas

Ferro, A. (Ano I, nº1 (1939). Revista dos Centenários.

Ferro, A. (s.d.). Faltam quatro mêses…. pp. Caixote 016, Crónicas, Artigos AF.

Nota oficiosa da Presidência do Conselho. (27 de março de 1938).

(s.d.). Relatório. Fundação António Quadros.

 

Cândida Cadavez

Mestre em Estudos Anglísticos - Especialidade de Cultura Inglesa com a dissertação Um Quarto com Vista sobre o Mundo: Globalização, Turismo e Cultura; e Doutora em Estudos de Literatura e de Cultura – Especialidade de Ciências da Cultura com a tese "A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940". As suas principais áreas de investigação incluem história do turismo, representações turísticas e das nações em regimes totalitários, e cultura popular. É docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril desde 2001 e Investigadora Integrada no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da FCH-UCP.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.