Aviso à navegação

Segundo o Relatório recentemente divulgado pelas Nações Unidas sobre o processo de degradação das condições atmosféricas que, resultando das atividades do Homem, concentradas no ritmo alucinante da exploração dos recursos do planeta, desembocam no registo, aleatório e crescentemente incontrolável do que os anglo-saxónicos chamam act of god (catástrofes naturais), o nível das águas terá crescido cerca de 15 centímetros nos oceanos ao longo do século passado.

Os especialistas advertem para a impossibilidade de controlar tais acontecimentos ou porque o sobreaquecimento do planeta está a manter um registo permanente ou porque o homem se revela cada vez mais insaciável e simultaneamente incapaz de utilizar o travão da racionalidade e do bom senso para avaliar, tentar compreender e refletir.

Há um par de anos, de visita ao Chile, fui convidado a efetuar um pequeno cruzeiro na Lagoa de San Raphael situada a cerca de 1000 quilómetros ao sul de Santiago e assistir ao espetáculo simultaneamente belo e trágico da queda dos glaciares que constantemente acontecem naquele cenário. Uma forma de exploração turística em que se recebe um convite para assistir à destruição da natureza.

Figura 1 – Vista parcial da Lagoa de São Rafael (Chile)

Confesso que, sendo um amante da natureza e por ter o privilégio de, ao romper da manhã, abrindo a janela do meu quarto, me deparar com melros a correr na relva e passarinhos a chilrear nos ramos das poucas árvores que me encobrem o horizonte, me sinto inadvertidamente cada vez mais envolvido e impotente nesse temporário circuito de correrias que preenchem as horas de dias frenéticos que nos retiram o encanto da contemplação e do relaxamento mental. Recordo, com saudade, os tempos em que nas nossas escolas se estudava latim clássico e de, ao ler Virgílio, me deleitava com as primeiras estrofes das éclogas: “Tityre, tu patulae recubans sub tegmine fagi silvestrem tenui Musam meditaris avena” – frase que não traduzo para lhe não retirar o quase supremo prazer da sua genuína musicalidade.

Ou seja, depois da descrição do espetáculo atrás e pobremente descrito, mergulhei, por contraponto, no romântico mar de sonho, pensando quanto a natureza e a vida têm de antagónico e quanto antagonismo separa o romântico do pragmático, o generoso do egoísta, o belo do medíocre. Alguns acharão estranha a exposição destes sentimentos, nela não encontrando novidade ou qualquer tipo de interesse.

Ora, parecendo que pouco do que aqui se plasmou tem a ver com o turismo, a verdade é que o avassalador fenómeno que tem a sua génese na busca, na descoberta, na cultura, na curiosidade, na ânsia do saber, no enriquecimento da experiência, no valor do património, sofreu profunda e irreversível alteração ao longo de um século. Acompanhando, rebelde ou submisso, a evolução da sociedade que a revolução industrial se empenhara em criar, testemunha interventiva e não apenas espetador das profundas alterações que a tecnologia, a imaginação, a criatividade e a ânsia de satisfação de necessidades ou caprichos do homem, o turismo foi capciosa e subtilmente capturado pelo desejo de poder, assente no progresso material que nasceu e se afirmou após a hecatombe de duas guerras europeias que, destruindo dezenas de milhões de vidas deram lugar à sociedade à sociedade materialista e consumista que tem vindo a marginalizar o caráter, a personalidade, a ética, a moral e talvez a estabilidade emocional que se entendiam como empecilho para fruir as vibrações de um modelo de vida assente na facilidade, na abundância, no conceito de felicidade aliado aos bens materiais e progressivamente afastado da natureza.

Há já algumas décadas que o mundo vem fechando os olhos, por excesso de passividade aos frequentes avisos que surgem nos meios de instituições internacionais relacionadas com a proteção do ambiente sobre a imperiosa necessidade de combater os usos que perturbam a sustentabilidade dos bens da natureza porque esta, ao sentir-se agredida, tem apenas duas alternativas: ou se regenera ou se vinga. E parece que esta última é a que mais se aproxima da época que estamos a viver. Faz agora vinte anos, que participei num congresso de turismo ecológico realizado em Manaus (Brasil) e portanto, em local adequado, para o debate de problemas associados à preservação e proteção do ambiente. Recordo-me de que um dos mais interventivos oradores da etnia yanomami afirmava com um certo ar de tristeza e também de pouca esperança que “estamos a viver no mundo que pedimos emprestado aos nossos filhos”. Vindo da boca e da alma de um aculturado índio da amazónia, a curta frase tem especial significado e deve levar-nos a pensar que não é provavelmente este o mundo que gostaríamos de deixar aos nossos e aos filhos dos outros.

 

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.