Estatísticas viram polémica

A Academia Internacional de Turismo, ao elaborar o seu primeiro Dicionário de Turismo na década de 50 do século passado, ensaiou uma definição que, aparentemente, não terá sofrido substantiva alteração até ao presente. Na mente dos académicos da época, pretender-se-ia descodificar e estabelecer com a mais subtil rigidez o conceito prevalecente do lazer e da utilização dos tempos livres, plasmado em repouso ou atividades amadoras sem finalidades, portanto de cunho material.

Figura 1 -Dictionnaire touristique international / Monte-Carlo: Academie Internationale du Tourisme, 1961.

Figura 1 – Dictionnaire touristique international / Monte-Carlo: Academie Internationale du Tourisme, 1961. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Não se tratava de definir as características de um protótipo nem de criar uma panóplia de motivações que, verbalizadas, se transformassem numa massa palavrosa onde fosse difícil distinguir o que se separa o viajante do passageiro, o hóspede do cliente – ou do freguês como antigamente se dizia, do visitante, do passante, do peregrino, do viandante, do curista ou aquista, do aventureiro nómada, do vilegiaturista, do cruzeirista, do excursionista e, para não cansar o leitor…mais não digo.

Certo, porém, é que a ampla nomenclatura que ilustra a profusão literária intimamente relacionada com o turismo e as suas múltiplas e prolíferas atividades, não se manifesta vocacionada para distinguir com objetividade e desejável clareza o que especificamente caracteriza cada um dos distintos vocábulos citados. Não sendo a filologia aspeto relevante dos parcos conhecimentos e experiência do autor, é certamente inadequado atrevimento tocar rabecão quando se é simples sapateiro.

Curiosamente, aquela primeira tentativa de definir o conceito de turista, expressa aliás na última edição do Prontuário Turístico (2013, p. 334) corresponde ao conceito clássico já explorado no século XIX, a que se não atribuía expressivo valor estatístico e escasso valor material. Sendo assim, inicialmente o turista não era o viajante mas aquele que, como o próprio étimo significa, efetuava uma deslocação de ida e volta, por isso se designando por ‘tour’ a deslocação sob a forma de circuito, ainda que o ponto de partida não tivesse obrigatoriamente de ser o ponto de chegada.

Figura 2 - Capa do Prontuário Turístico, Celestino Domingues / Lisboa: INCM, ESHTE, 2013

Figura 2 – Capa do Prontuário Turístico, Celestino Domingues / Lisboa: INCM, ESHTE, 2013. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Com efeito o vocábulo francês ‘tour’, com o duplo significado de torre e circuito, entrou na língua inglesa como um galicismo que deu lugar exclusivo ao conceito de passeio e à formação do vocábulo ‘touring’ que, embora sob a aparência de gerúndio nunca evoluiu para verbo. Exatamente por uma semelhante formalidade semântica que se desenvolveu com o aparecimento de meios autónomos de locomoção como ‘cycling’, ‘motoring’ ‘shipping’ e outros.

Não sendo apenas um viajante, ainda que parcialmente assim fosse também considerado, o turista era no decorrer do seu itinerário ou no destino final, um estranho que buscava, na disponibilidade do seu tempo, cumprir um sonho, materializar um projeto, obter uma dose de satisfação e prazer pessoal, visitar um lugar, uma região, um país, ou até uma pequena aldeia, alicerçado em motivações de índole cultural ou sociológica. E é assim que, em Portugal, à semelhança do que acontecia em outros países europeus, se consolidou a ideia de que o viajante não era um turista e este não era um viajante, distinção notória das fachadas das agências de viagens e turismo. Tal facto resulta curiosamente de se considerar que quem viaja trabalha e que faz turismo se diverte ou se cultiva.

Repare-se que o vocábulo inglês ‘travel’ corresponde ao francês ‘travail’ e que o vocábulo francês ‘voyage’ em lugar do inglês ‘voyage’, aliás pouco utilizado e substituído por ‘journey’ que, por seu lado, tem também a etimologia francófona de ‘jour’.

E passado o pretensiosismo de que peço desculpa aos sábios da linguagem, serve este arrazoado texto para tentar distinguir o que neste século XXI, muita gente entende por turista qualquer um indivíduo de nacionalidade estrangeira que, por objetivas ou subjetivas razões, saiu do seu ‘habitat’ para procurar conforto ou prazer noutras latitudes.

Daí que, polémica ou por escassez de definição, se atribua ao itinerante personagem e indiferenciadamente na maior parte dos casos, a classificação generalizada de turista que vê figurada nos manuais e nos diagramas da estatística a sua presença que, por motivos sócio económicos é também, e muito apreciado, como consumidor/utilizador de serviços que lhe são prestados na múltipla e versátil área das atividades turísticas.

Ou seja, as entidades públicas – e isso acontece também com instituições e empresas privadas – não têm de confrontar-se com a eventual necessidade de estabelecer diferenciação entre o indivíduo que decide, por algum tempo, ser apenas o que os britânicos definem como ‘holiday maker’ e o que as pouco rigorosas estatísticas consideram como ‘turista’.

Quando se afirma ou escreve que uma região ou um país recebe no ano X um número (normalmente aproximado) de turistas, o caldeirão está repleto de indivíduos que de turistas têm muito pouco ou quase nada. E como os números são a matéria-prima com a qual se enganam ou manipulam os incautos, entramos no campo dos persuasores escondidos, ou seja, como diria Vance Packard, na mensagem subliminar que se esconde por detrás de não confessados interesses. 

Dizer por exemplo que a Madeira recebeu três milhões de turistas porque nela estacionaram por algumas horas não sei quantos paquetes de cruzeiro, não é exatamente a mesma coisa que dizer que no aeroporto de Santa Cruz desembarcaram três milhões de turistas que ali vieram passar uns dias ou um fim-de-semana.

O título deste curto texto quer assim justificar que por vezes, o que (a)parece, não é…

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.