António Ferro e a prática turística nacional (1)

Continua ainda a ser difícil para alguns reconhecer o papel determinante que António Ferro protagonizou no turismo português. Para tal contribuem, sem dúvida, as inúmeras atividades em que interveio enquanto responsável, ao longo de dezasseis anos, pelos órgãos da propaganda do regime instaurado por Salazar, i.e. Secretariado da Propaganda Nacional (SPN) e Secretariado Nacional de Informação, Cultural Popular e Turismo (SNI).

As primeiras “entrevistas” feitas a Salazar, em 1932, abriram caminho para que o jornalista e escritor António Joaquim Tavares Ferro se tornasse numa das personagens mais marcantes dos primeiros anos do Estado Novo, nomeadamente no que respeita à criação e à divulgação da imagem que o jovem regime político pretendia associar à “Nação”. Neste âmbito, importa destacar que, de modo mais ou menos formal, a atividade turística representou, pelo menos nos anos que marcaram a implementação do Estado Novo, um palco preferencial para encenar os ditames do novo paradigma ideológico.

Figura 1 – Postal ilustrado, reprodução da capa do Regulamento do Concurso “A aldeia mais portuguesa de Portugal” (SPN, 1941), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 1 – Postal ilustrado, reprodução da capa do Regulamento do Concurso “A aldeia mais portuguesa de Portugal” (SPN, 1941), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

O regime insistia em valorizar e expor os elementos que alegadamente melhor demonstravam a verdadeira essência da “Nação”, o que deveria sobretudo suceder através de demonstrações de cultura popular e de evocações de uma imaculada e heroica história pátria. Se considerarmos que estes sempre foram imaginários que atraíram a atenção de turistas e visitantes, torna-se fácil entender que as representações turísticas arquitetadas no início do regime materializassem encenações com a dupla e pertinente função de, por um lado, aliciar e entreter viajantes e forasteiros, e, por outro, divulgar os ícones ideológicos do novo regime, de modo sub-reptício.

No ano de 1939, e tendo em mira o acolhimento dos eventuais visitantes estrangeiros que acorreriam às Comemorações do Duplo Centenário, em 1940, nomeadamente à Exposição do Mundo Português, o SPN acolheu formalmente o turismo na cada vez mais vasta lista das suas competências. Quando em 1944 este órgão viu a sua designação alterada para Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo, foi assumida de vez a pertinência do setor para a dinâmica de propaganda do regime através da inclusão do termo “turismo” no novo nome da entidade.

Porém, não foi precisa a força de um decreto-lei para que o diretor dos secretariados promovesse uma série de atividades que tinham como alvo visitantes e turistas nacionais e estrangeiros. O vasto espólio de António Ferro, disponível na Fundação António Quadros – Cultura e Pensamento (FAQ), dá precisamente conta de inúmeros eventos e iniciativos organizados nesse âmbito. Por alturas da evocação dos cem anos da institucionalização do turismo em Portugal, em 2011, a FAQ promoveu a edição de três séries de postais que ilustram apenas alguns dos diversos momentos-chave protagonizados por Ferro na atividade turística. Muitos dos elementos exibidos por tais documentos recordam momentos que terão marcado de modo indelével o turismo nacional.

A figura 1 alude ao concurso promovido pelo SPN, em 1938, para eleger a Aldeia Mais Portuguesa de Portugal e cujo principal objetivo seria a estilização das manifestações culturais populares. O Boletim Oficial de 7 de fevereiro de 1938 divulgava as regras da competição, convidando as localidades rurais a procurar “no mistério das suas gavetas (…) tudo quanto era raiz, tradição, tudo quanto era passado com restos de vida” (Ferro, 1938).

Figura 2 – Capa da obra Cartilha da hospedagem portuguesa: adágios novos para servirem a toda a hospedaria que não quiser perder a freguesia. Lisboa: SPN, 1941. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 2 – Capa da obra Cartilha da hospedagem portuguesa: adágios novos para servirem a toda a hospedaria que não quiser perder a freguesia. Lisboa: SPN, 1941. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Oficialmente, o evento justificava-se como um necessário combate às influências perturbadoras da unidade nacional, ao mesmo tempo que se anunciava como uma manifestação pública cujo propósito era educar e fazer propaganda da verdadeira “Nação”. Esta foi a ocasião para recuperar e reinventar tradições e memórias coletivas que viriam a ser usadas oficialmente para forçar uma agregação nacional em torno de ícones tidos por inequívocos símbolos da “Nação”. Como refere Vera Marques Alves, tratou-se de “um projecto de criação de cenários para turistas nacionais e estrangeiros” (Alves, 2007, p. 57) que, acrescentamos nós, perduram nas representações turísticas contemporâneas. O júri nomeado para a iniciativa, e do qual faziam parte António Ferro e a esposa, Fernanda de Castro, atribuiu a Monsanto da Beira o primeiro lugar do concurso premiado com o troféu “Galo de Prata”.

Relembramos, ainda, a Cartilha da Hospedagem Portuguesa: Adágios Novos para Servirem toda a Hospedaria que não quizer perder a Freguesia, publicada em 1941 pelo SPN, com texto de Augusto Pinto e gravuras de Emmério Nunes – Figura 2. Pretendia-se, com este pequeno livro, alertar todos aqueles que trabalhavam no setor sobre a forma mais correta de gerir o negócio. Os conselhos providenciados pela cartilha abrangiam desde a área da receção ao mobiliário, passando pela higiene nos diversos espaços do hotel, bem como pelas competências e características do pessoal.

Em próximas publicações continuaremos a recordar a passagem de António Ferro pelo turismo português e os precedentes que abriu no setor.1

Obras citadas

Alves, V. M. (2007). Camponeses Estetas no Estado Novo: Arte Popular e Nação na Política Folclorista do Secretariado da Propaganda Nacional. Lisboa: ISCTE: Departamento de Antropologia.

Ferro, A. (7 de fev. de 1938). (SNI, Ed.) Boletim Oficial, Informação nº 1328.

  1. Publicação baseada na pesquisa feita para a tese de doutoramento em Estudos de Literatura e de Cultura com o título A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940. Disponível na Biblioteca Celestino Domingues e online em : http://repositorio.ul.pt/handle/10451/8401 []

Cândida Cadavez

Mestre em Estudos Anglísticos - Especialidade de Cultura Inglesa com a dissertação Um Quarto com Vista sobre o Mundo: Globalização, Turismo e Cultura; e Doutora em Estudos de Literatura e de Cultura – Especialidade de Ciências da Cultura com a tese "A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940". As suas principais áreas de investigação incluem história do turismo, representações turísticas e das nações em regimes totalitários, e cultura popular. É docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril desde 2001 e Investigadora Integrada no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da FCH-UCP.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.