Turismo de compras no século XIX?

Foi há pouco tempo oferecido à biblioteca um pequeno guia (15 cm), editado e impresso no ano de 1898 em Lisboa, em português e francês. Trata-se do “Guia itinerário do visitante de Lisboa”, um brinde que os armazéns Grandella ofereciam aos seus clientes aquando das comemorações do quarto centenário (1498-1898) da descoberta da India – (Figura 1).

Figura 1 – Capa e contracapa do Guia itinerário do visitante de Lisboa / org. Armazéns Grandela. Lisboa: a Liberal, 1898

Figura 1 – Capa e contracapa do Guia itinerário do visitante de Lisboa / org. Armazéns Grandela. Lisboa: a Liberal, 1898

Os armazéns Grandella, ao Chiado, destruídos pelo grande incêndio de 25 de Agosto de 1988 deixaram marca indelével na vivência alfacinha. Propriedade de um homem empreendedor, muito à frente do seu tempo, o republicano Francisco Grandella (1853-1934) desenvolveu um grande império comercial tendo como base os preços fixos para todas as bolsas e uma enorme variedade de oferta nas suas quarenta secções.

Na primeira página, dirigindo-se ao cliente, o editor começa por exaltar o sentimento pátrio:

“O grande feito portuguez do seculo XV que se vae celebrar em Lisboa, recorda uma nobre página da história pátria; a romaria que a nação fará ao monumento das nossas glórias nacionais, é necessário que seja imponente, para manifestar bem forte, que o povo portuguez descende de uma raça de heroes e sabe honrar os seus antepassados”.

Francisco Grandella procurou, desde o início, alargar o seu negócio a todo o país. Dedicou-se à produção fabril na área de lanifícios para produção de malhas e vestuário diverso de qualidade e a preços competitivos. Incrementava as suas vendas com a publicação de catálogos e organizou um serviço de vendas por correspondência com secção de expedição franqueada, via correios e caminho-de-ferro (Figura 2). A forte aposta na publicidade nos jornais ajudou a fazer destes armazéns uma referência incontornável na moda de Lisboa.

Ainda na primeira página deste nosso guia, a preocupação de agradar ao cliente:

Os grandes armazéns Grandella & Cª, querendo proporcionar aos seus clientes da província todos os meios para que a vinda a Lisboa lhes seja muito fácil, tem a honra de participar a V. Exª que se encarregam de lhe procurar alojamento em lisboa, caso queira fazer parte dos numerosos romeiros que virão prestar homenagem ao Grande Portuguez D. Vasco da Gama.

Desejando proporcionar ao visitante/cliente uma boa estada em Lisboa, este guia descreve cinco itinerários para quem pretenda conhecer a cidade com a menor perda de tempo e descreve sucintamente os locais e monumentos a visitar durante o percurso. Salientamos que qualquer dos itinerários tinha sempre início num dos andares dos Armazéns -“dividimos Lisboa e seus arredores em 5 zonas, que, cada uma poderá ser visitada em um dia, dois dias ou uma semana. Um dia, sendo de relance, dois dias com atenção e uma semana minuciosamente” (1898, p. 6).

A primeira zona tinha como ponto de partida e de reunião as secções de lãs e retroseiro dos Armazéns Grandella e terminava no Aquário Vasco da Gama (Algés) onde se realizariam parte das Comemorações do IV Centenário da Descoberta da Índia.

Figura 2 – Uma das várias páginas do guia destinadas à publicidade. Realce para a zona do pé de página.

Figura 2 – Uma das várias páginas do guia destinadas à publicidade. Realce para a zona do pé de página

A segunda zona começava na secção de sedas, no primeiro andar dos armazéns e terminava no zimbório da basílica da Estrela. A terceira zona iniciava-se com a visita à secção de decorador, no segundo andar dos armazéns e terminava na Graça passando pela Sé e pelo Castelo de S. Jorge. A quarta zona tinha como ponto de reunião o terceiro andar dos armazéns, mais precisamente a secção de móveis de ferro. Seguiriam para o Rossio, Praça da Figueira, Estação do Rossio, Restauradores, Hospital de José, Matadouro Municipal, Hospital de Rilhafoles e Penitenciária Central de Lisboa. A publicidade, a arte de vender, o marketing nunca são esquecidos (1898, p. 84):

“O visitante, de passagem neste andar [o 3º andar], deve deixar a sua morada na secção da província para que lhe sejam enviados grátis e franco de porte todos os catálogos e publicações da nossa casa. Descendo, para tomar o itinerário que vamos descrever, o nosso amavel hospede poderá aproveitar a occasião das festas de centenário da India, pômos á venda em todas as secções do nosso estabelecimento, occasiões excepcionaes que aconselhamos especialmente, aos nossos estimáveis clientes da provincia, que certamente não terão occasião egual para comprar tão barato”.1

A última e quinta zona é dedicada aos arrabaldes de Lisboa, pontos pitorescos, monumentos e panoramas. Inclui o Aqueduto das Águas Livres, Sintra, Mafra, Cascais e a Batalha.

As comemorações têm a virtude de tornar o passado presente ao mesmo tempo que permitem pensar o futuro como uma continuidade mantendo vivas as nossas memórias. Neste caso, associado às comemorações nacionais do IV Centenário da Descoberta da Índia, no longínquo ano de 1898, com a edição deste pequeno guia itinerário que chegou até nós, Francisco Grandella demonstrou a sua mundividência, a sua visão futurista do negócio que associava à cultura e ao lazer, ou seja aquilo a que hoje chamamos turismo de compras2.

Voltaremos a este nosso guia num próximo post.

 

Obras citadas:

Guia itinerário do visitante de Lisboa: brinde que os grandes armazens Grandella & Cª offerecem aos seus clientes em comemoração do IV Centenário da Descoberta da India: 1498-1898. (1898). Lisboa: A Liberal.

 

  1. A letra a bold no original. []
  2. De acordo com o jornal “Vida económica” de 10 de Janeiro de 2013, o turismo de compras está em crescimento, muito por força dos BRIC. Segundo o relatório global da OMT 2012, Paris é o principal destino, onde 95% dos visitantes chineses das lojas Louis Vuitton chegam em excursões organizadas. Londres, Frankfurt, Milão e Madrid são destinos de topo. A taxa de crescimento anual composta é de 5% a 10% entre 2012 e 2016. Compras e turismo de arte são os segmentos preferenciais.

    []

Conceição Machado

Licenciada em História com especialização em Ciências Documentais e em Turismo. Coordenadora da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.