Lisboa de outras eras: a Pastelaria Marques

Figura 1 - Menu da Pastelaria Marques (12x15 cm, 1938). Colecão Biblioteca Celestino Domingues (ESHTE)

Figura 1 – Menu da Pastelaria Marques (12×15 cm, 1938). Coleção Biblioteca Celestino Domingues (ESHTE) 

De entre os variados documentos que a nossa biblioteca possui, apresentamos um menu impresso (Figura 1), da conceituada Pastelaria Marques, datado de 2 de julho de 1938. Trata-se do menu de um lanche de casamento, sem decoração, provavelmente de família abastada, escrito em português.

De acordo com Marina Tavares Dias (1994, p. 108), na Rua Garrett, frente à Livraria Bertrand foi fundada em 1903 a Pastelaria Marques (Figura 2), uma das mais frequentadas do Chiado que se especializou em banquetes para casamentos e batizados. Encerrou em 1978.

“A Pastelaria Marques ocupou algumas portas do célebre imóvel (números 70 e 72) entre 1903 e 1979. A firma inicial, Manuel Marques e Cª, foi adquirida nos anos 40 por Manuel José de Carvalho. O serviço esmerado, assim como a variedade de todas a espécies de confeitaria (especialmente caixas de bombons), rapidamente transformaram a Marques em passagem obrigatória das lisboetas mais elegantes. Entre 1920 e 1950, era preferencialmente escolhida para festas de batizado e de casamento. Para isso, dispunha de um enorme salão”. (1994, p. 122).

Figura 2 - Benoliel, J. (início do século XX). Pastelaria Marques e Bazar Suisso [Fotografia]. Colecção Arquivo Municipal de Lisboa.

Figura 2 – Benoliel, J. (início do século XX). Pastelaria Marques e Bazar Suisso [Fotografia]. Colecção Arquivo Municipal de Lisboa. 

O requinte da cozinha de matriz cultural francesa, elemento diferenciador do gosto das elites, dominou a gastronomia durante muitos anos. À medida que avançamos no séc. XX, os festejos de casamentos, batizados e outras cerimónias passam do seio da casa de família para restaurantes e pastelarias, espaços públicos de sociabilidade de uma classe social mais abastada. Na segunda metade do séc. XIX os menus eram bastante decorados, pintados ou desenhados mas à medida que avançamos século XX adiante, esta prática vai-se desvanecendo e os menus popularizam-se e tornam-se mais simples embora possam incluir publicidade diversa1.

O Chiado, repleto de memórias históricas, políticas e sociais, fez parte da vivência lisboeta do séc. XIX até à primeira metade do séc. XX. Subir o Chiado para tomar café ou chá, ir às compras ao Grandella, frequentar tertúlias ou conspirar, marcaram de forma indelével o quotidiano de uma zona frequentada por uma burguesia endinheirada, por artistas, escritores e políticos.

No dizer de José Augusto França (1993, p. 157) :

“O Chiado é a “rua” mas a rua mundana. Vimos os clubes aristocráticos instalarem-se neste bairro, definido por um círculo em que se inscreviam os palácios do conde de Farrobo e do barão “Manuel dos Contos”, o Grémio Literário, três igrejas frequentadas por elegantes devotas, uma fonte famosa e a ópera de S. Carlos. Uma pesquisa mais minuciosa encontraria aí os hotéis mais cotados e os restaurantes de cozinheiros franceses, pastelarias e cafés italianos, alfaiates alemães (da nacionalidade do príncipe consorte), livrarias francesas, cabeleireiros e floristas franceses e modistas de idêntica origem”.

Figura 3 - Machado, C. (2013).Fachada da antiga Pastelaria Marques. Rua Garrett, nº 70 e 72.

Figura 3 – Fachada da antiga Pastelaria Marques. Rua Garrett, nº 70 e 72 (C. Machado, 2013).  

Hoje, o Chiado é outro. Em frente à Bertrand de sempre ainda podemos observar a fachada da Pastelaria Marques (Figura 3), praticamente inalterada, tal como era no princípio do século XX. No interior, mantem-se a imponente arcaria mas desta feita, a confeitaria foi substituída por um pronto-a-vestir igual a tantos mais.

Obras citadas

Braga, I. M. (2006). Os menus em Portugal. Para uma história das artes de servir à mesa. Lisboa: Chaves Ferreira.

Dias, M. T. (1994). Lisboa desaparecida (2ª ed., Vol. 4). Lisboa: Quimera.

França, J. A. (1993). O Romantismo em Portugal. Lisboa: Livros Horizonte.

  1. Isabel Drummond Braga (2006) na sua obra Os menus em Portugal: para uma história das artes de servir à mesa, apresenta oito menus da Pastelaria Marques (entre 1904 e 1930), em português e francês. []

Conceição Machado

Licenciada em História com especialização em Ciências Documentais e em Turismo. Coordenadora da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.