Cruzeiros (9), gato escondido

Outro aspeto que os devotados sociólogos que mergulham as suas lucubrações no fenómeno do lazer, tem a ver com a mórbida curiosidade que se desenvolve naquela camada de gente que gravita à volta do mundo cor-de-rosa e vive a frequente excitação do que, perspicazmente se designa por – perdoe-se-me o atrevimento literário e diletante – ‘voyeurismo’, ou seja a intensidade de presenciar e viver cenas do imprevisto íntimo de terceiros, tão caras aos atrevidos ‘paparazzi’ que delas se aproveitam para a sua profissional sobrevivência.

O fenómeno é tanto mais atraente quanto a disseminação de milhares de revistas que, em milhões de exemplares, mostram ao mundo a beleza fátua, a mediocridade dissimulada e a falta de pudor, decoro e mesmo vergonha que se escondem por detrás de transparentes cortinas supostamente de impecável comportamento social.

Proliferam e disseminam-se os casos que a mediatização gráfica, fonográfica e imagética se encarregam de publicitar (com as evidentes vantagens económicas que os escândalos necessariamente produzem).

E é assim que, formal ou emocionalmente, se confunde a realidade com o sonho, situação que ativa e proveitosamente, armadores e agentes sabem aproveitar com eficaz interesse para os seus investimentos em contado e em trabalho, deixando que outros, consumidores de sonhos, se deixem embalar pelo canto da serpente que se estende nas numerosas, radiantes e coloridas páginas dos catálogos que foram descobrir nas montras das agências ou no visor de promessas da internet.

E porque tudo na vida carece de avaliação, seria interessante e certamente curioso apreciar algum futuro reflexo plasmado sob a forma de estudo, explicando o real benefício ou as talvez improváveis desilusões que batem à porta daqueles que, no sonho, normalmente perspetivam momentos de felicidade…

E ficam no ar muitas perguntas, e todas têm resposta: onde dorme o cruzeirista? No navio. Onde toma o pequeno-almoço? No navio. Onde almoça? Se não for passear, no navio. Se for de excursão pela cidade e ou arredores, num lugar onde possa engolir um rápido ‘snack’ porque o tempo é escasso. Onde janta? No navio. Onde pára? No museu, no monumento, no castelo, na igreja, no largo, na praça, na avenida, na loja de recordações e produtos artesanais.

Navio de cruzeiro RMS Strathnaver acostado em Lisboa, c. 1930.

Valham-nos ao menos as receitas de portagem, acostagem e o concurso de pilotos de barra, sem os quais as enormes embarcações se veriam condicionadas na sua chegada ao estuário que as acolhe.

Chegados a este ponto que parece ser o culminar de um conjunto de ideias, algumas certamente sólidas e outras discutíveis, aceites ou rejeitadas, aqui se deixa o desafio, a provocação ou a sugestão de que sobre este tema se debrucem aqueles que, por interesse, curiosidade ou diletantismo queiram explorar os contornos do ‘gap’ que separa o sonho da realidade. 

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.