Cruzeiros (6), mercado e sazonalidade

Nos tempos correntes, o cruzeiro, mercê da sua ascensão burguesa, a caminho da massificação, já é só, e pobremente, o passeio que corta a espuma das ondas, transformado na cidade flutuante de recreio que preenche o tempo dos que dele podem dispor como senhores que dele são.

Figura 1 - Atividade lúdica na baía do Funchal.  Mergulho junto aos navios ancorados para apanhar moedas que os turistas lançavam ao mar, c. 1920-30. Coleção particular CMD.

Figura 1 – Atividade lúdica na baía do Funchal. Mergulho junto aos navios ancorados para apanhar moedas que os turistas lançavam ao mar, c. 1920-30. Coleção particular CMD.

Característica da atividade a que está sujeito, é o imperativo sazonal que ao armador faculta o direito de escolher o lugar ou a região e o condiciona nas condições que a atmosfera impõe, tal como acontece com os desportos de inverno onde há neve, ou os vela onde há vento e o relaxo das férias de verão onde há praia de areia, mais ou menos fina, ou primaveril floresta.

Não surpreende, portanto, que ao longo do ano, armadores, operadores, agentes e vendedores de sonhos, se vejam confrontados com tempos mortos e excessos de procura, consoante o sol e as chuvas, os ventos e o nevoeiro, o clássico verão e o inverno representando as épocas de saldos.

Não parece que existam estudos com base sustentável para aferir de ganhos e perdas neste negócio, admitindo-se porém que, tratando-se ou não de um ciclo, ele é suficientemente proveitoso enquanto o mercado reagir favoravelmente à oferta que se tem vindo a acentuar nos países onde o progresso e a abundância são sinónimo de riqueza e bem-estar. É assim que podemos entender o mercado como o grande senhor, o grande proprietário, o grande decisor. E é também por isso que que, com poucas exceções, os terminais de cruzeiros são alternada ou episodicamente buliçosos espaços onde se atropelam os que chegam e os que partem e os que, por ali transitam, espécie de formigueiros humanos onde deambulam gentes que gozam ou trabalham, ou espaços neutros e vazios de que estão ausentes a verdura de jardins e a paleta cromática das flores que ali não encontram vocação para sobreviver, espécie de seres adormecidos.

Terminais são terminais. Ou funcionam quando chega o vistoso paquete, a que em tempos ainda recentes se dava o nome de transatlânticos, que ali fica pasmado durante algumas horas do dia, ou quando o dito parte com centenas ou milhares de silhuetas humanas acenando os braços com lenços, num adeus que se esquece.

Apesar de muitos inquéritos de rua não ocultarem a imagem daqueles que, quando interrogados, afirmam simpaticamente que mais tarde voltarão, não por uma ou algumas horas, mas para desfrutarem tranquilas, quando não agitadas, férias no país cujo urbano encanto acabam de saborear, o certo é que dois mais dois são quatro e não há estatísticas que resistam e atestem a realidade de sonhadas promessas de regresso.

Nos meios de transporte convencionais coexistem três tipos de tráfego: o passageiro que, por ser gente, é mais importante e tem tratamento adequado; a carga de produtos não perecíveis que não tem voz para reclamar e, finalmente, o correio geralmente conhecido por ‘correio postal’ e os objetos ou produtos de elevado valor económico e os perecíveis (ou seja, os que têm datas ou prazo de validade, tais como medicamentos, jornais, revistas, lotaria, etc.) Todos são fonte de receita que se distribui por espaço e/ou peso, ou seja volume e/ou tara.

Ora, nos atuais navios de cruzeiro, o conceito é restrito porque nem o tráfego é misto nem as condições de acolhimento e convivência são compatíveis ou oferecem qualquer semelhança com os navios de carga. Daí que as receitas são obtidas, ou melhor, têm de porvir da exploração da capacidade pagante das gentes que neles transitoriamente se instalam.

Sem jogar na insistência, o cruzeiro é considerado, nos tempos que correm, como a sucessão efémera de dias efémeros que se preenchem em estados de contemplação, de relaxamento, de curiosas buscas do passado distante ou do presente atrevido – vide as silhuetas que, dia e noite, se erguem na curta distância que separa as quilhas dos ancoradouros, cidade velhas ou ansiosamente futuristas; ou ainda o ciclo da excitação, do prazer, da agitação, do tempo de proveito ou desperdício que cada um gera ao sabor da sua fantasia.

Dir-se-ia que, para além dos ignorados cientistas caldeus e assírios, senhores do cálculo e de matemática, poucos são aqueles que, no século em curso, se servem menos do cérebro que substituem pela calculadora ultra e sofisticadamente eletrónica, para elaborar, refletir, pensar, meditar, conjeturar, ponderar, projetar e expandir as suas reflexões num futuro cada vez menos previsível mas também cada vez mais inevitavelmente diferente.

Bolas de cristal ou olhos de cigana feirante pouco nos dizem do amanhã, consolando-nos, quando muito, o coração com o arco-íris de uma desejada esperança. Daí que eu sinta alguma dose de esquizofrenia quando me debruço nos tais formigueiros onde as gentes só não se atropelam porque ainda conseguem andar encostadas umas às outras. [continua no próximo post]

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.