Cruzeiros (2), a descoberta da aventura

Figura 1 - Anúncio da Empresa Nacional de Navegação ao serviço regular entre a metrópole e as colónias africanas. Publicada na Revista de Turismo. Ano I, Nº 13, (5 Janeiro 1917), p. 3. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 1 – Anúncio da Empresa Nacional de Navegação ao serviço regular entre a metrópole e as colónias africanas. Publicada na Revista de Turismo. Ano I, Nº 13, (5 Janeiro 1917), p. 3. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Em 1913, mais propriamente no dia 16 de Dezembro e, portanto, em fim de outono, a barra do Tejo apresentava deslumbrante aspeto aos olhos de alfacinhas que, durante o dia se acotovelavam para, à distância, ver e observar a movimentação dos 16 paquetes de companhias inglesas, francesas, alemãs e holandesas que, transportando milhares de passageiros, ali se haviam recolhido por escasso tempo.

Os numerosos passageiros e tripulantes que fugazmente puderam pisar terra, transportados por barcos a remos, catraios, botes e pequenas fragatas, pouco ou quase nada puderam apreciar na cidade, sendo exceção a silhueta do castelo e a plêiade de gente do povo que, atraída pela proximidade dos navios, se embasbacava e, em minúscula parte, pedia uma moeda de cobre ou tentava vender pequenos artefactos da arte popular.

Entretanto, reabastecidos os paquetes e pagos os emolumentos devidos de portagem e piloto de barra, bem como as indispensáveis inspeções sanitárias, continuavam viagem para seus destinos os felizardos passageiros que, da cidade, levavam apenas vaga ideia.

Conflitos políticos e militares no seio do continente europeu na primeira metade do séc. XX foram determinantes para as profundas alterações que a sociedade registou com o nascente conceito de lazer, virando uma página nos manuais de transporte marítimo e o mundo assistia, boquiaberto a intensas e, até agora, inesperadas mutações sociais e económicas que a geopolítica e o ritmo de evolução técnica introduziam na voracidade do poder e na insaciabilidade das gerações que as novas estruturas políticas iam criando.

Simultaneamente e quase com surpresa acentuavam-se as assimetrias de um mundo que interiorizava o fosso que separa os muito pouco afortunados da enorme massa de sobreviventes que haviam resistido à apropriação dos seus recursos e à exploração da sua força de trabalho, sempre utilizados em benefício dos mais poderosos.

A marinha de comércio debruçou os seus interesses para os graneleiros, petroleiros, porta-contentores e outros navios de grande dimensão e tonelagem. A marinha de lazer, por seu lado, acentuava os seus interesses na construção e exploração de unidades semiurbanas, destinadas a aliviar a pressão das tendências consumistas do prazer e da liberalização dos costumes a que se dava o epíteto e progressismo.

Outro sector da marinha de lazer virou-se para a descontração, o desporto amador, a competição e a aventura, enquanto a marinha chã e pobre sobrevivia da atividade piscatória litorânea ou fluvial, e ao mesmo tempo, se iam desenvolvendo sistemas de captura piscícola longínqua e de tratamento industrial, onde navios fábrica aproveitavam vastos recursos dos oceanos para se tornarem, também eles, pequenos centros ou plataformas de produção.

Difícil é imaginar o ritmo de tantas mudanças que o mundo testemunhou em tão pouco tempo!

Certo, porém, é que o novo ciclo de exploração dos mares em muito se assemelha à utilização do espaço que, envolvente, se enche de outras naves onde a turbulência substitui as ondas e a estrutura alada de novas asas mecanizadas suprime as quilhas, as fateixas e os estabilizadores dos recém-chegados navios de cruzeiro.

Esquecidos os traumas do Titanic e do recente Concordia, bem como os numerosos e pacíficos navios de passageiros selvaticamente afundados pelos monstros marinhos de guerra, a atividade do mercado de cruzeiros vem registando forte expansão, integrada num processo que, nos tempos que correm, adota o nome de ‘globalização’, expressão semântica de um fenómeno avassalador a que muitos já chamam de permissividade. [continua no próximo post]

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.