Aldeias Históricas de Portugal

O novo filme promocional das Aldeias Históricas de Portugal venceu o prémio Melhor Filme de Turismo

 

 

Esta distinção – felicitando os premiados – estimula um breve exercício de memória…

No início da década de 90, numa deslocação a Almeida, Alexandre Relvas – então Secretário de Estado do Turismo – idealizou um programa de aproveitamento de aldeias do interior.

Este propósito baseou-se num princípio pouco admitido à época: Portugal poderia tirar partido, em simultâneo, de dois eixos de desenvolvimento turístico.

O primeiro, já consolidado e de dimensão “industrial”, estava associado ao “sol & mar” e ao “turismo urbano/short-breaks”. O segundo assentava em alojamento ligeiro (localizado no espaço rural) e em modalidades de viagem “fly & drive”.

Mas o objectivo estratégico do projecto que foi concebido para as aldeias não se limitava a criar bases para diversificar a oferta turística, respondendo a tendências nascentes na procura a partir dos principais países emissores.

Tratava-se, também, de posicionar o turismo como factor de potenciação de economias locais, contribuindo para fixar e atrair população para regiões mais afastadas do litoral e, por essa via, melhorar as condições de vida e aumentar a capacidade de atrair novos mercados turísticos.

Como a CCDR do Centro estava a estudar a hipótese de lançar um programa de reabilitação de algumas aldeias e, para tal, tinha efectuado estudos e feito levantamentos preliminares, houve uma conjugação frutuosa de vontades e iniciaram-se conversações com a área governamental que tutelava o Desenvolvimento Regional e, também, a gestão dos fundos europeus (Isabel Mota).

 

Foi, assim, seleccionado um primeiro grupo de 10 aldeias da Região Centro para dar corpo a um projecto-piloto, que veio a chamar-se Programa de Recuperação das Aldeias Históricas de Portugal , cujo primeiro suporte informativo e logotipo foram criados por Henrique Cayatte – por ocasião do lançamento público do programa, ocorrido em Idanha-a-Velha.

 

Alguns dos pressupostos eram inovadores:

1. Não se queria transformar as aldeias em parques temáticos ou, como se dizia, em Disneylândias.

2. Estabeleceu-se uma interacção constante com as autoridades locais e a população.

3. Não se procurava apenas reabilitar a paisagem urbana e beneficiar as infra-estruturas das aldeias, mas, sobretudo, preservar o património natural e cultural, promover o turismo e criar condições para o aparecimento de actividade económica.

Para este efeito, e na perspectiva do turismo, foi aprovada pela Direcção-Geral do Turismo uma nova tipologia de equipamento (casa de campo) que permitia a transformação do edificado existente em alojamento turístico.

De igual modo, foi lançado pelo Fundo do Turismo um programa específico de apoio financeiro aos empreendimentos e actividades turísticos locais de natureza privada, nomeadamente às casas de campo.

Entretanto, a ENATUR beneficiou de um apoio financeiro comunitário para construir uma pousada em Linhares e foi estimulado o aparecimento de associações de dinamização local.

Por fim, as associações empresariais e a rede de promoção turística no exterior (CTP’s/ICEP) foram chamados a propor a optimização do programa, numa perspectiva de “rota”, e a divulgar a marca junto de potenciais investidores e turistas.

Na verdade, afastando qualquer saudosismo e não ignorando as pistas lançadas em anteriores estudos, aqueles foram tempos de arrojo conceptual, de inovação, da criação e implementação de projectos-piloto, entre outros: as Aldeias Históricas, a freguesia do Castelo em Lisboa, Mértola, o centro histórico de Sintra, os itinerários arqueológicos do Alentejo e Algarve, os Jardins Históricos, o Jardim da Cerca no Palácio Nacional de Mafra, a Marina de Cascais, os incentivos à sinalização turística e às rotas de vinho, um modelo de financiamento da promoção/animação da Costa do Estoril, Sintra e Mafra, etc. Etc.

Estes projectos agregavam acções de natureza multisectorial, designadamente com incidência no desenvolvimento regional, no ambiente, na cultura e no turismo, procurando-se privilegiar um princípio: o que for bom para o residente será bom para o turista.

Para além da sua valia intrínseca, estas iniciativas abriram caminho ao reforço de uma nova mentalidade que se resumiu nas seguintes premissas:

1. O turismo é mais do que camas, mesas e “assentos”;

2. Na política de apoios financeiros ao turismo, é tão importante incentivar as unidades e as actividades como a implantação de estratégias de base territorial coerentes e competitivas;

3. Os fundos do turismo destinam-se a apoiar, prioritariamente, o sector produtivo e, também, a oferta envolvente – razão primordial da diferenciação de destinos.

A viabilidade desta linha de pensamento muito ficou a dever à profunda e constante articulação dos poderes públicos com os mais diversos intervenientes chamados a partilhar esta estratégia, quer fossem actores públicos ou privados, de âmbito nacional, regional ou local.

Muito mais haveria a dizer sobre a evolução das Aldeias Históricas.

Mas estas palavras – poucas e soltas – pretendem, tão só, recordar como tudo começou…

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search