Promoção turística de Portugal – notas soltas (Post 7)

A viragem

Só em 1979, o volume de dormidas de estrangeiros em todos os meios de alojamento (23,5 milhões) ultrapassou, finalmente, o patamar atingido em 1973 (19,1 milhões), confirmando a tendência de crescimento do turismo português.

Em 1980, por fim, o número de visitantes estrangeiros situou-se num máximo nunca antes alcançado (7,0 milhões, dos quais 2,7 milhões de turistas).

Subsistia, contudo, um estrangulamento que importava resolver: a forte concentração da operação turística externa em poucos mercados e operadores, já sentida quando se ensaiara a formação da COTES.

Não obstante continuar a ser aplicada a estratégia promocional de captação de mais fluxos externos para consolidar o posicionamento de mercado, em 1978/79, chegara-se ao fim do ciclo promocional de emergência iniciado em 1974.

Perspectivaram-se, assim, novos eixos de actuação promocional com vista a: (i) diversificar as origens de tráfego; (ii) atingir novos segmentos mais qualificados; (iii) dispersar os movimentos por um maior número de destinos regionais para acompanhar o crescimento que se verificava na capacidade de alojamento instalada e prevista[1]; (iv) encontrar segmentos de procura que contribuíssem para atenuar a sazonalidade; (v) diversificar os canais de distribuição.

Nesse ano de 1979, um dos instrumentos seleccionados para se iniciar esta nova estratégia foi o da concepção e lançamento de uma grande feira internacional de turismo em Portugal, a Meditour.

A DGT, em estreita cooperação com os seus parceiros públicos e privados, e a FIL/AIP, definiu um modelo de evento que foi considerado muito promissor pelos principais concorrentes [2].

Qual era a ideia associada à Meditour?

A Meditour seria uma feira que reuniria a oferta turística de dois continentes – a Europa do Sul e do Mediterrâneo e a América Latina. Estes destinos posicionavam-se, em todos os domínios, como áreas de oferta complementar e não concorrente: motivações, épocas altas, distribuição, operação aérea.

O modelo adoptado iria implantar, em anos alternados – ora em Portugal, ora no Brasil – uma feira de turismo que, no caso de Portugal, possibilitaria aos expositores transcontinentais iniciarem em Lisboa o ciclo europeu de participação em feiras.

A Meditour foi inaugurada em Janeiro de 1979 numa vasta área de exposição que encheu todos os espaços da FIL na Junqueira com presenças nacionais e estrangeiras.
A par da feira, foi montado um gabinete de imprensa, [3]organizaram-se actividades complementares, umas de natureza comercial[4], outras de carácter mais lúdico-motivacional [5].

Medalha Meditour TAP MUVITUR Museu Virtual do Turismo

Medalha comemorativa da realização da primeira 1ª Feira de Turismo dos Países do Mediterrâneo e da América Latina (Meditour), em 1979. Fonte: MUVITUR (Museu Virtual do Turismo)

Para além de se lançar um novo evento promocional e comercial, na verdade o que se pretendia era o de trazer a capacidade e dimensão da América Latina para a esfera de influência da Europa do Sul – em especial através de Portugal, pelas suas estreitas ligações com o Brasil – e, assim, criar uma nova frente de pressão comercial junto das grandes redes de operação turística que esmagavam preços, abriam e fechavam destinos, dominavam toda a cadeia de comercialização nos principais mercados do Norte da Europa.

Ou seja, através da Meditour, o que a DGT também queria era retomar o objectivo estratégico que definira para a COTES e que perdera com a sua desactivação.

O projecto era arrojado e de grande alcance, mas não se consolidou.

Desde logo, porque o Brasil não concretizou o evento em 1980, e, sobretudo, porque a Meditour foi extinta após a 2ª edição, em 1981.

Logo em 1980, no entanto, a Espanha também sentiu necessidade de ter uma feira internacional de turismo e criou a FITUR – em concorrência de datas e conceito com a Meditour, tanto mais que Portugal se “atrevera” a penetrar na América Latina, campo guardado do turismo espanhol.

Muito mais tarde, em 1989, a pedido do sector empresarial que reclamava a existência de uma feira internacional de turismo em Portugal, foi recuperado e adaptado o conceito da Meditour para criar a BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa, que ainda hoje perdura segundo um modelo que tem vindo, assiduamente, a ser ajustado.

Ementa Bolsa de Turismo de Lisboa

Ementa utilizada na BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa), em 1991, MUVITUR (Museu Virtual do Turismo)

 

Conclusão

Da experiência vivida em Portugal na década de 70 do século XX, conclui-se que as crises não são fatalidades.

Constatámos, então, que a aliança entre a vontade política, a cooperação público-privada, a motivação e o mérito dos parceiros, poderia criar dinâmicas imparáveis.

Teremos de concordar que, no período iniciado em 1974, o turismo português conseguiu enfrentar – e vencer – uma situação turística crítica.

Hoje reconhecemos que só com o empenho de muitos se chegou aos anos 80 com a crise turística dos anos 70 superada.

Por conseguinte, mais do que as organizações e até mais do que os projectos o que contou, no fim do dia, foram as pessoas.

E para todas essas pessoas quero deixar-lhes, aqui, uma singela palavra de homenagem.

Por último, permitam-me partilhar um apelo.

Saibamos, hoje e todos, criar as condições para vencer os paradoxos e as dificuldades do presente, não deixando por mãos alheias e inteligências outras o aproveitamento de oportunidades e a construção de soluções proficientes.

Só assim, como antes sucedeu, venceremos muitos dos obstáculos imensos do presente, ultrapassaremos as ainda imprevisíveis incertezas do futuro e levaremos o nosso turismo a caminhos de maior fortuna.

 

Nota – Deixo um agradecimento caloroso, entre outros, ao Sérgio Palma Brito e aos saudosos Celestino Domingues e Paulo Pina pela investigação que empreenderam e que me ajudou a  esclarecer algumas dúvidas de percurso.

 

[1]     Novas modalidades de alojamento se perfilavam no horizonte, nomeadamente o Turismo de Habitação criado em 1979 e regulamentado pelo Decreto-Lei nº 251/84, de 25 de Julho, sob a orientação de Maria Laura Larcher de Brito, e restantes tipologias coordenadas pelos Serviços de Projectos da DGT, sob a direcção de Fernando Fonseca

[2] O Director da ITB chegou a confessar-me a sua admiração pelo potencial da ideia, num encontro para o lançamento internacional da Meditour organizado pela DGT no Palácio Nacional de Queluz

[3] Concepção, produção, distribuição de material informativo, newsletter, entrevistas e programas ao vivo, sob a coordenação de Salvador Alves Dias

[4] Hosted buyers trips, press trips, wokshops, pre/post fam tours, seminários técnicos, etc.

[5] Festivais de documentários, de posters e de stands turísticos, mostras gastronómicas, festival da canção dos países ibero-americanos realizado no Casino Estoril, mostra de documentos turísticos históricos, etc.

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search