Promoção turística de Portugal – notas soltas (Post 6)

 

A promoção turística nalguns mercados

 

Entre muitas outras, destaco acções de promoção turística que se lançaram nos EUA – que bem recordo por nelas ter participado directamente.

Os EUA eram considerados um dos mercados prioritários da promoção portuguesa, não só pelo volume de tráfego[1], pelo perfil qualificado do consumo turístico norte-americano e também pelas repercussões mediáticas positivas que daí poderiam advir a nível internacional.

Não posso deixar de assinalar, a notável cooperação prestada pelas autoridades norte-americanas à promoção turística de Portugal nos EUA, naqueles anos. Em primeiro lugar, a Delegação nos EUA [2] lançou uma campanha de sensibilização junto de 16 milhões de professores primários, criando um concurso sobre Portugal. O professor interessado recebia um kit informativo sobre a história, a arte, a geografia, os costumes de Portugal e incentivava os alunos a participarem, criando um desenho, um poema, uma crónica.

Os alunos também eram encorajados a pedirem auxílio aos pais para realizarem os trabalhos. Deste modo, conseguia-se obter um destacado efeito multiplicador de comunicação. Os premiados (alunos, pais e professores) viajavam gratuitamente a Portugal e daí também resultavam reflexos comunicacionais positivos.

Também se lançou uma campanha de sensibilização focada sobre os preços favoráveis de Portugal subordinada ao tema: Portugal-Best Buy in Europe. Para tal, iniciou-se um programa de descontos chamado Portugal on a Silver Platter. As empresas portuguesas aderentes, hotéis, restaurantes, agências, lojas, etc. recebiam um kit informativo e ostentavam um autocolante que era reconhecido pelos turistas [3].

Por outro lado, foram produzidos filmes promocionais para divulgar Portugal e suas regiões [4]. Estes filmes foram dirigidos por Charles Eanes, um realizador norte-americano, havendo uma versão dos filmes em que o então Embaixador dos EUA em Lisboa, Frank Carlucci, surgia nos últimos minutos do filme a convidar os seus concidadãos a visitarem Portugal.

Lançou-se também uma acção pioneira de road-show, de carácter plurianual, o Big-Show, que juntava dezenas de empresas e regiões turísticas que percorriam as principiais cidades norte-americanas de 6 em 6 meses para promoverem os seus produtos, incentivar a programação e a “venda” de Portugal. Esta iniciativa foi, de seguida, adaptada e executada por entidades regionais.

Com o apoio da ASTA (American Society of Travel Agents), realizou-se, em Lisboa, a primeira Feira de Turismo da International Division of Asta [5], evento que contribuiu para dar ainda mais notoriedade à “normalidade” e, assim, convidar os operadores turísticos norte-americanos a (re)programarem Portugal. A par desta feira em Lisboa, e de muitas outras iniciativas, a Delegação nos EUA organizava anualmente a presença do turismo, das empresas e das regiões nos congressos e feiras mundiais da ASTA.

Por outro lado no mercado britânico[6], que era o mais importante para Portugal, salientou-se o lançamento da campanha Sportugal.

Esta acção permitiu atrair a atenção dos operadores e do público para os destinos desportivos portugueses, através de acções muito inovadoras. Foi um programa que trouxe elevada notoriedade a Portugal e se estendeu a outros mercados.

A par de múltiplas outras iniciativas, a Delegação no Reino Unido organizava anualmente a presença do turismo português no Congresso da ABTA, destacando-se o que foi organizado em Lisboa em 1977. De igual modo, problemas sucessivos de imagem surgidos no mercado britânico, a propósito de acidentes em equipamentos hoteleiros (gás, elevadores, etc.), foram ultrapassados através de campanhas prontas e eficazes.

Evocam-se, igualmente, algumas acções realizadas em França, nomeadamente uma bateria de publicações de informação turística [7].

Foram editadas publicações gerais com uma tiragem global de 1 milhão de exemplares, Les Routes du Portugal e 6 guias regionais do Guide Pour Réussir.

brochura madeira

Guide pour réussir Madeira, [Paris]: Centro de Turismo de Portugal em França em França, 1988, Museu Virtual do Turismo

A estas, seguiu-se a publicação de rotas temáticas que mostravam o potencial turístico de Portugal, das suas regiões promocionais e produtos temáticos através de um conjunto de suportes gráficos e audiovisuais adaptados ao mercado francês.

De seguida, este programa foi completado com eventos culturais, Lettres Portugaises, que se organizaram, em colaboração com a Embaixada em diversas cidades francesas, tudo para provar que o turismo em Portugal era diversificado, seguro e rentável [8]. Muitas outras acções promocionais foram efectuadas por todas as Delegações, sempre com a cooperação activa das entidades públicas nacionais e regionais e das empresas turísticas [9].

Uma palavra sobre as operações promocionais que compreendiam logísticas mais consideráveis, como a organização de congressos de associações de agências de viagens estrangeiras em Portugal – cerca de uma dezena – a organização de “semanas portuguesas” e a participação do turismo português em grandes feiras mundiais de turismo, onde, de resto, se conquistaram inúmeras distinções [10].

Menu

Capa do Menu do Encontro do turismo italiano com os operadores turísticos de Lisboa, 15 de dezembro de 1977, Lisboa-Sheraton Hotel, Museu Virtual do Turismo

Nestas últimas, a estratégia era a de sobre dimensionar a presença de Portugal, não só através de uma maior área do pavilhão português do que seria necessário, mas sobretudo pela organização de um vasto calendário de actividades complementares [11]. Este enorme esforço de organização destinava-se a favorecer a projecção internacional de Portugal junto dos turistas, criar um impacto maior junto dos operadores estrangeiros e reforçar a dinâmica de confiança do sector empresarial português na sua própria capacidade.

Nos finais dos anos 70, por iniciativa de Portugal, também foram lançadas as bases da criação da COTES, organização que agrupava organismos oficiais de turismo dos países do Sul da Europa e do Mediterrâneo e servia para facilitar o contacto e discussão de políticas e medidas de carácter promocional e comercial.

Vivia-se uma conjuntura de fortalecimento das redes de venda através da expansão dos grandes grupos de distribuição e operação, os quais dominavam, a partir dos principais mercados geradores, toda a cadeia de valor do turismo. Nesses mercados, o turismo independente era residual e os destinos estavam dependentes desses circuitos de distribuição para aumentarem as taxas de ocupação e atenuar a sazonalidade.

Por outro lado, a maior parte da oferta que esses operadores comercializavam situava-se na Bacia do Mediterrâneo. Daí o dilema. Sem as camas dos países do Sul os operadores não sobreviveriam. Sem os clientes do Norte, as camas do Sul não seriam viáveis!

Afinal, quem não sobreviveu foi a COTES que se extinguiu passadas poucas reuniões.

 

[1] Em 1973, segundo a DGT e INE, o mercado norte-americano era o terceiro fornecedor de dormidas de estrangeiros em todos os meios de alojamento (15,2% do total)

[2] Centro de Turismo de Portugal nos EUA, dirigido por Nuno Mendes de Almeida, com Delegações em Nova Iorque, Chicago e Los Angeles

[3] Até há poucos anos atrás, o Hotel Borges, no Chiado, ainda exibia este autocolante na porta de entrada

[4] Cada Delegação no exterior recebeu uma “mala-projector” com 6 filmes para apoiar as apresentações que os seus promotores efectuavam junto dos operadores turísticos e do respectivo pessoal de venda

[5] International Division of ASTA (IDA), Lisboa, 1976

[6] Centro de Turismo de Portugal no Reino Unido, com sede em Londres e dirigido por Jorge Felner da Costa

[7] Centro de Turismo de Portugal em França, com sede em Paris e dirigido por José António Preto da Silva

[8] Le Portugal du Manuélin; Le Portugal des Azulejos; La Gastronomie du Portugal; Le Portugal du Baroque;  Le Portugal des Pousadas;  Les Routes des Écrivains Portugais

[9] Eventos gastronómicos em hotéis locais em colaboração com a TAP e as Escolas de Hotelaria, semanas portuguesas em grandes armazéns, em colaboração com o FFE (futuro ICEP), campanhas de montras em lojas de operadores, mostras culturais de cinema, literatura, belas-artes em colaboração com as embaixadas, instituições especializadas, etc.

[10] Muitas destas iniciativas foram organizadas sob coordenação de Américo Cardona Dias

[11] Encontros com a imprensa, recepções a leaders de opinião e operadores, provas gastronómicas e de vinhos,    apontamentos musicais, artísticos e culturais, etc.

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search