Promoção turística de Portugal – notas soltas (Post 5)

Começaram a elaborar-se novos eixos de comunicação, novas linhas de materiais promocionais impressos e audiovisuais [1] que eram distribuídos [2]pelas Delegações no estrangeiro .[3]

postais de campanha turística de portugal

Postais da campanha promocional 4 estações, Museu Virtual do Turismo

Havia, por outro lado, a clara noção que o turismo português não teria capacidade financeira para contrariar, através de publicidade directa, a percepção que os turistas estrangeiros tinham dos proclamados “perigos” de uma viagem turística a Portugal – nem tal seria eficaz.

Lançaram-se, todavia, “pequenas” campanhas de publicidade umbrella em órgãos de comunicação internacionais de grande circulação[4] . Na concepção destas campanhas colaboraram escritores [5] e publicitários portugueses e estrangeiros.

Estas campanhas visavam, uma vez mais, demonstrar que Portugal estava interessado na actividade turística, era um destino acolhedor, procurando transmitir para o mercado uma noção de business as usual.

Mas, sabia-se que essas campanhas não criariam, de imediato, novos fluxos de tráfego.

Ainda no domínio publicitário e para apoio simbólico às redes comerciais, elegeu-se um jornal internacional de referência[6]  para lançar uma acção de hard-selling, anunciando diariamente na secção de “classificados” as melhores propostas de preços de packages para Portugal, a partir dos principais gateways europeus e norte-americanos.

Tudo completado com a realização de um programa alargado de visitas de estudo para jornalistas e operadores [7].

Pedro Pinto, SEIT

11-01-1974 – Pedro Pinto, Secretário de Estado de Informação e Turismo recebe delegação de jornalistas e agradece as facilidades dispensadas na realização do 19.º Congresso da Federação Internacional dos jornalistas e Escritores de Turismo. Fonte: Arquivos RTP

Supletivamente, as delegações desencadeavam declinações locais das campanhas publicitárias internacionais para apresentar destinos regionais e produtos turísticos temáticos.

Ou seja, a argumentação focava-se em eixos geográficos e temáticos da oferta e não sobre o destino Portugal como um todo.

Estas mensagens pretendiam criar apelos positivos, pois havia a convicção, à partida, que seria improdutivo argumentar directamente contra a percepção generalizada de uma imagem negativa.

Em parte, foi esta necessidade de segmentar as propostas da oferta turística portuguesa que conduziu à criação das chamadas Áreas Promocionais, na década de 70.

A ideia foi repartir o território português em espaços que tivessem, dentro do possível, a dimensão e os atributos necessários para serem considerados como destinos turísticos [8].

A par desta concepção, havia igualmente o propósito de agregar as iniciativas, regionais e locais, que à época se pulverizavam por mais de 80 órgãos de turismo, isto sem alterar o quadro legal vigente uma vez que apenas se tratava de agenciar a participação regional ou local em actividades promocionais no estrangeiro.

E, assim, surgiram as 8 regiões promocionais: a Costa Verde, a Costa de Prata, as Montanhas, a Costa de Lisboa (com a Costa do Estoril), o Alentejo, o Algarve, a Madeira e os Açores.

 

Cartazes de campanha de promoção turística das regiões promocionais, Museu Virtual do Turismo

reportagem algarve arquivos rtp

21-03-1978 – Algarve, reportagem sobre as necessidades de recuperação do turismo português. Fonte: Arquivos RTP

Nestas, só as regiões mais dotadas de infraestruturas e equipamentos turísticos tinham aeroporto internacional e zona de jogo (que poderia cofinanciar alguma actividade promocional), mas todas evidenciavam uma certa coerência e homogeneidade de recursos turísticos.

Mas, nos anos de crise, de 1974 a 1979, era necessário usar todos os instrumentos de acção promocional.

 

[1]  A nível de suporte, a DGT preparava: (i) a bateria de informação turística sobre recursos, equipamentos e actividades constituintes das ofertas primária e secundária, sob a coordenação de Martiniano Laginha; (ii) a   dinamização e gestão de uma rede de postos de informação turística nas principais fronteiras, em Lisboa e no Porto, sob a coordenação de Nicolau Negrão, coadjuvado por Jorge Sales Henriques; (iii) o acompanhamento de visitas de familiarização de jornalistas e agentes de viagem, sob a coordenação de Mário Saraiva; (iv) a elaboração de conteúdos e a encomenda do design, sob a coordenação de Madalena Figueiredo e execução de suportes informativos gráficos e audiovisuais, sob a coordenação de João Bourdain de Macedo e Manuel Gascão Nunes; (v) o armazenamento e expedição de materiais de promoção, sob a coordenação de Guilherme Fernandes.

[2] Expedição mensal de cerca de 16 toneladas de material promocional para o exterior

[3] As brochuras: Portugal de A a Z; Artesanato; Viagens na Minha Terra; Rotas dos Conquistadores e dos Descobridores; 4 Estações; Golfe, etc. e os filmes sobre as 8 regiões promocionais; Aldeias Brancas; 850 km de Praias; Big Game Fishing; etc.

[4] Algumas mensagens foram: Portugal-the bluest blue in Europe; Portugal-we don´t only want you more, we give you more; Portugal-the best kept secret in Europe; etc.

[5] Nomeadamente, João Carlos Ary dos Santos, Luís de Sttau Monteiro, etc.

[6] International Herald Tribune

[7] Para além de: directores de programação dos operadores; inspection trips para incentive houses; viagens de prospecção para novos operadores aéreos e leaders de opinião; etc.

[8]     Nas múltiplas reuniões havidas com operadores estrangeiros, alguns estariam dispostos a (re)lançar novos destinos regionais desde que, por exemplo, houvesse um aeroporto internacional e uma capacidade instalada de, pelo menos, 16 mil camas num raio de 10/30km

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search