Promoção turística de Portugal – notas soltas (Post 4)

 

Destes parceiros, assumiu particular destaque a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), a TAP, muitos hoteleiros e suas associações, representantes das zonas de jogo, a Associação dos Automóveis de Aluguer (ARAC) e as entidades regionais mais activas [1].

Nesta plataforma de crise – que funcionava dia e noite – analisavam-se as flutuações de mercado, compulsavam-se oportunidades, definiam-se propostas de acção, organizavam-se actuações conjuntas. Lembremo-nos, todavia, que vivíamos em 1974/75… num mundo analógico, sem fax, sem computador, sem internet, sem mobile, sem redes sociais!

Anos depois, já no final da década de 70, este grupo informal de crise veio a transformar-se num fórum de reflexão estratégica, o Secretariado de Coordenação Promocional que, mais tarde, se transformou no Conselho de Coordenação Promocional.

Em qualquer caso, importa recordar uma decisiva tomada de posição sobre o sector quando, em Dezembro de 1975, o Governo declarou o turismo “actividade privada e prioritária” [2].

Na época, os orçamentos eram muito limitados e os recursos humanos da DGT eram escassos [3]

Mas, havia que prosseguir.

Optou-se por estruturar um programa de marketing de comunicação como forma de afirmar os valores do ambiente, a identidade cultural, a hospitalidade, a qualidade da oferta e dos profissionais do turismo, os padrões de segurança, já que a DGT não tinha qualquer intervenção directa sobre os restantes vectores do marketing, nomeadamente, na criação de produtos, na gestão de canais de distribuição e na formação de preços.

Entrevista RTP com José Carrasco sobre a promoção do turismo nacional

Declarações de José Carrasco, responsável pela promoção turística para 1978, prevê a franca recuperação do turismo nacional. Fonte: Arquivo RTP

A actuação  da DGT adoptava, assim, um mix clássico de marketing de comunicação: (i) acção de pesquisa e monitorização, através da análise de diferentes dados estatísticos, de inquéritos de campo e da avaliação do reporting operacional efectuado pelas delegações externas; (ii) acção de relações públicas, especialmente junto de órgãos de comunicação, de segmentos específicos de público e de operadores económicos locais; (iii) acção publicitária em meios adequados; (iv) acção de suporte à venda junto de grossistas, operadores e redes retalhistas, nomeadamente através da contratação de campanhas publicitárias conjuntas para promoção e comercialização de novos produtos [4].

Pousadas Portugal Direcção-Geral do Turismo (DGT) 1976

Publicação editada pela Direcção-Geral do Turismo em 1976. Fonte: Biblioteca Celestino Domingues

Um dos eixos privilegiados na acção promocional externa eram as iniciativas dirigidas aos órgãos de comunicação generalistas, temáticos e do trade, devidamente monitorizadas. [5]

Ensaiaram-se iniciativas promocionais “integradas”. Nestas acções, estabeleciam-se parcerias intersectoriais com vista a obter um efeito de notoriedade mais intenso e diferenciado nos mercados externos, ao juntar, entre outras, valências da cultura, do comércio, do desporto.

Ementa Encontro do turismo italiano

Ementa da refeição do Encontro do turismo italiano com os operadores turísticos de Lisboa em 1977. Fonte: MUVITUR – Museu Virtual do Turismo

A par da programação concebida para captar o turismo externo, também se iniciou a sensibilização a população portuguesa para a prática de turismo interno. [6] [continua no próximo post]

 

Publicidade Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si

Publicidade no“Século Ilustrado, nº1649 de 9 de Agosto de 1969. Fonte: Hemeroteca Digital

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[1] A APAVT, sob a presidência de Joaquim Pinto da Silva e José da Silva, Secretário-Geral. A TAP, através dos sucessivos directores comerciais e toda a rede externa. A ARAC, através de Eduardo Arbués Moreira, Secretário-Geral. Nas entidades regionais, entre outros responsáveis, recordam-se: no Algarve, Joaquim Cabrita Neto, no Estoril, Luís Hespanha, na Madeira, João Borges, nos Açores, Ricardo Madruga da Costa, no Porto, Paulo Pina, em Lisboa, João Perry Vidal.

[2]  Jorge Campinos, Ministro do Comércio Externo, 1975-1976

[3] Uma palavra à activa cooperação dos Serviços Administrativos e Financeiros da DGT – Cezina Gomes, Teresa Isidoro, Helena Fontoura

[4]     Concebeu-se um modelo de cooperação com os agentes económicos que associava o apoio público a um intervalo de resultados obtidos, segundo termos e condições contratualizadas

[5] Procedia-se a uma análise de conteúdo das notícias sobre a oferta turística portuguesa que permitia avaliar a penetração das mensagens publicitárias junto da opinião publicada, o grau de satisfação dos consumidores por mercado, o diagnóstico de factores dissonantes (Isabel Terenas e Isabel Gascão Nunes)

[6]     Campanha publicitária para estímulo ao turismo interno, 1969: “Há sempre um Portugal desconhecido… que espera por si”, concebida pela DGT e Sonarte/Artur Agostinho.

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search