Promoção turística de Portugal – notas soltas (Post 3)

A pronta resposta promocional

Em Maio de 1974, realizou-se  no Palácio Foz a primeira reunião havida após o 25 de Abril com todos os Delegados do Turismo no estrangeiro. Neste encontro, foi decidido conceber e por em prática um Programa de Acção Promocional, de carácter imediato e pragmático, para apoiar e dinamizar o sector [1].

 

Reunião Secretaria de Estado Informação

Figura 1 – Vídeo da reunião em Lisboa, na Secretaria de Estado da Informação e Turismo no dia 10 de Maio de 1974, entre os directores das Casas de Portugal e dos Centros de Turismo de Portugal no estrangeiro para debater medidas que fomentem e promovam o sector do turismo em Portugal, Arquivos RTP

Os objectivos eram peremptórios:

(i) Afirmar a imagem turística de Portugal para manter e, se possível, reforçar o capital de mercado junto dos operadores e (re)ganhar o good-will dos consumidores

(ii) Criar uma parceria activa com o sector privado português para desencadear uma dinâmica de resposta em toda a cadeia de valor

Postal ilustrado Hotel Paris Estoril

Figura 2 – Postal ilustrado do Hotel Paris, no Estoril, Museu Virtual do Turismo

Em Dezembro de 1974, por ocasião da realização de uma acção de formação sobre Marketing Turístico orientada por especialistas da Universidade de Harvard, as equipas da promoção turística da DGT reuniram-se com a tutela no Hotel Paris[2], no Estoril, para monitorizar resultados e afinar estratégias.

Nesta oportunidade, foi anunciada a nomeação do novo Director-geral do Turismo, Cristiano de Freitas [3], foram apresentados o novo logotipo do turismo português que era uma estilização geométrica do galo de Barcelos e a nova campanha publicitária a lançar em França “Portugal – Vacances en Liberté![4].

Nenhum país receptor de turismo passara por uma experiência idêntica.

A academia ainda mal se debruçara sobre o turismo. Ainda menos, na sua valência de marketing e promoção. Não havia benchmarking, nem boas-práticas internacionais susceptíveis de serem adoptadas.

Por conseguinte, teve de partir-se do zero.

Técnicos partiram para frequentarem acções de formação[5] noutros países ou participarem em acções de reciclagem à distância, peritos estrangeiros foram acolhidos em Portugal [6].

manuais Marketing Centro Nacional de Formação Turística e Hoteleira

Figura 3 – Manuais editados pelo Centro Nacional de Formação Turística e Hoteleira, Biblioteca Celestino Domingues

Desenvolveram-se estudos, organizaram-se métodos inovadores e prepararam-se procedimentos técnicos que se adequavam às especificidades da promoção turística que o tempo impunha e os mercados exigiam [7].

No início de 1975, após uma reunião de coordenação efectuada com todos os Delegados na Casa de Portugal em Paris, foi concebido e lançado um Sistema de Informação e Planeamento de Marketing (SIM) que definia a metodologia, o programa, o calendário, as etapas do processo de planeamento e de acção.

Através da metodologia SIM [8], os Serviços recolhiam, em tempo útil, as indispensáveis informações de mercado e, desse modo, era viável definir objectivos, fixar a estratégia promocional, estabelecer orientações, estruturar a gestão da rede de delegações e avaliar os resultados através da implementação de reporting sistemático.

Em todos os mercados, começa, então, uma forte actuação promocional de carácter táctico coordenada com os Serviços Centrais que, por sua vez, mantinham um canal aberto de comunicação com todos os agentes económicos e institucionais do turismo. [continua no próximo post]

 

[1]  Reunião presidida pelo Major Mariz Fernandes, Secretário de Estado da Comunicação Social e Turismo, 1974. Posteriormente, em reunião havida na biblioteca do Palácio Foz – presidida por Asdrúbal Calisto, Director-Geral do Turismo e Subsecretário de Estado do Turismo, 1974-1975 – foram anunciadas as novas directivas operacionais.

[2]     Hotel Paris, onde hoje existe o Hotel Sana Estoril

[3] Director da Casa de Portugal em Paris, 1974, Diretor-Geral do Turismo, 1974-1986, Presidente da Comissão      Administrativa do Fundo de Turismo, 1975-1980, Presidente da Enatur, 1986

[4]     Galo de Barcelos (1974), projecto apresentado por Jean Vasconcelos, da Casa de Portugal em Paris

[5]     A tutela da formação em hotelaria e turismo competia ao Centro Nacional de Formação Turística e Hoteleira, sob a direcção de António João Serras Pereira

[6]     Bolsas de estudo, especialmente, na Suíça e em França, programas de intercâmbio da OCDE, acções de reciclagem da OMT

[7]     Em Janeiro de 1975, os Serviços de Promoção Turística procederam a uma inspecção técnica a todas as delegações da Europa e a partir dessa iniciativa foi elaborado um primeiro Manual de Métodos e Procedimentos, a aplicar na rede de promoção externa

[8]     Após a definição de objectivos e orçamentos pela Sede, cada Delegação propunha um Plano de Acção anual. Este plano era enviado à Sede para análise preliminar. Compunha-se de vários documentos: análise de mercado, objectivos por mercado e produtos, estratégia operativa, descrição, calendário, custo das acções mais relevantes e programação regional. Seguiam-se reuniões técnicas entre a Sede e delegações, complementadas por encontros com representantes das regiões. De seguida, definiam-se os parâmetros finais dos planos de acção a submeter a aprovação superior. Em fase de execução, as Delegações podiam propor fundamentadas alterações aos planos aprovados e remetiam, mensalmente, relatórios de execução para monitorização e introdução de eventuais medidas correctivas.

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search