Promoção turística de Portugal – notas soltas : Abril de 1974 (Post 2)

 

Abril de 1974

 

A DGT promovia anualmente a celebração do Dia do Turista.

Dia do Turista

Figura 1 – Dia do turista em Lisboa, Arquivos RTP

Em 1974, este evento estava agendado para o dia 25 de Abril. Para além de outras iniciativas, grupos de estudantes de hotelaria e turismo colaboravam com a DGT e disponibilizavam-se para oferecer flores e outras recordações aos turistas que encontrassem nas ruas da baixa. Nesse ano, os cravos que eram destinados à comemoração que a DGT se propunha fazer tiveram outra função.

Logo nos dias subsequentes ao 25 de Abril, os Delegados do Turismo no exterior – profissionais a quem Portugal muito deve pelo papel determinante que tiveram, por entre mil e uma contrariedades, e a quem nem sempre se soube fazer a merecida justiça – principiaram a enviar alertas sucessivos para o Palácio Foz [1]: quebras maciças de reservas, falta de confiança dos operadores turísticos, desconhecimento e apreensão do público sobre o que se estava a passar em Portugal.

O pânico instalava-se nos mercados externos.

Era necessário agir imediatamente. O turismo português tinha de dar um sinal inequívoco, confirmando que a actividade turística era desejada, os turistas estrangeiros eram bem-vindos e o sector estava operativo em Portugal.

Poucos dias depois do 25 de Abril, a DGT lançava uma campanha publicitária no principal mercado europeu: Londres via os seus autocarros submersos em atraentes anúncios – sob o head-linePortugal, Feel Free!” – cujas imagens correram mundo.

A par das limitações sentidas na promoção externa, outros problemas surgiam.

Numa manhã, foi recebido na DGT um telefonema do Ministério do Interior a requerer um levantamento urgente de toda a capacidade hoteleira disponível na área de Lisboa.

Correu-se aos telefones. E, em colaboração com os hoteleiros e respectivas associações, elaborou-se de imediato as primeiras listas de unidades que poderiam receber daí a dias – então não se sabia exactamente do que se tratava – as centenas de milhares de retornados que chegariam a Lisboa a partir de Maio 1974, em especial por via de pontes aéreas que transportariam cerca de meio milhão de pessoas [2].

Manifestação de retornados do ultramar

Figura 2 – Manifestação de retornados (Rui Ochôa), Expresso Online

Apesar das particularidades dessa estada, quer para os próprios quer para os hotéis e pensões, muitas das unidades, contudo, viram nessa ocupação uma boia de salvação temporária.

E ainda nesse ano, com a aprovação do subsídio de férias [3], as baixas ocupações da hotelaria em todo o país, a concentração da procura nos meses de Verão, a DGT, em colaboração com as associações empresariais, concebeu e executou uma campanha de incentivo ao turismo interno [4] que, pela primeira vez, apresentava propostas de “pacotes” de férias (Figura 3) nas épocas média e baixa [5]. As unidades hoteleiras forneceram cotações mais favoráveis, os operadores criaram percursos e disponibilizaram transportes terrestres, a DGT elaborou uma linha publicitária integrada [6] e as agências de viagens iniciaram a comercialização desses serviços em todo o país.

Brochura de divulgação turística Férias Repartidas

Figura 3 – Brochura elucidativa de uma campanha de incentivo ao turismo interno, Museu Virtual do Turismo (MUVITUR)

Comprovou-se, mais uma vez, que a cooperação entre o organismo oficial e o sector privado criava uma dinâmica que poderia favorecer a ultrapassagem da crise.

Quando foi consagrada a campanha da poupança de combustível nos automóveis – quem não se recorda da alternância semanal entre placas de matrícula par/ímpar no acesso ao abastecimento aos fins-de-semana – foi logo concebido na DGT um sistema de salvaguarda para as viaturas de matrícula estrangeira que circulavam em Portugal, tanto mais que, à época, este era ainda o principal meio de transporte turístico, em articulação com o Fundo de Turismo [7].

Constatou-se, deste modo, ser indispensável a adaptação de quaisquer medidas estabelecidas para os residentes com implicações no turismo às características dos mercados externos.

Mas, a actuação promocional não podia ser apenas reactiva. [continua no próximo post]

 

 

[1]     Principais Centros de Turismo de Portugal no estrangeiro e alguns dos seus dirigentes: Alemanha Federal – José Luís Moura; Aústria e Leste Europeu – Manuel Alexandre; Bélgica e Luxemburgo – José Manuel Ramos; Brasil – José Vale, António Pinto da Silva; Canadá – António Castelo-Branco, Armando Rocha; Escandinávia – César Faustino; Espanha – António Vieira Pereira; Estados Unidos da América – Nuno Mendes de Almeida; França – José António Preto da Silva; Japão – Celestino Domingues; Itália – Júlio Paiva Simões; Países Baixos – Germano de Salles; Reino Unido e Republica da Irlanda – Jorge Felner da Costa, João Custódio; Suíça – José Manuel Almeida Reis

[2]     Situação orientada pelo Grupo de Apoio aos Desalojados do Ultramar (GADU), criado em Junho de 1974, posteriormente substituído pelo Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais (IARN), criado em Março de 1975.  

[3]     Decreto-Lei nº 372/74, de 20 de Agosto

[4]     Em articulação com o sector que orientava os ORLT/Turismo Interno e o Termalismo, sob a coordenação de Carlos Matias e Manuel Barros

[5]     Faça Férias Portuguesas – Faça Férias Repartidas

[6]   Anúncios, cartaz, plaquettes, brochura, vouchers, etc.

[7]     Segundo o INE, em 1973, as entradas de visitantes estrangeiros por via terrestre representavam 71% do movimento total

 

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search