Promoção turística de Portugal – notas soltas : 1974 – 1979 (Post 1)

Tenho acompanhado o que se escreve sobre o progresso do turismo em Portugal. Há, porém, aspectos que têm sido insuficientemente trabalhados.

Por essa razão entendi partilhar a memória de situações em que participei ou assisti durante a minha vida profissional, na minha qualidade de jovem quadro técnico da Direcção-Geral do Turismo (DGT), no período compreendido entre 1974 e 1979.

E, bem assim, recordar episódios que me foram relatados por quem neles directamente interveio e, desse modo, contribuir para abrir pistas que encorajem um mais aprofundado estudo da evolução do turismo nessa época.

Neste sentido, estas notas pretendem, tão só, ser um testemunho de alguns poucos factos e lembranças respeitantes à promoção turística de Portugal empreendida pelo Estado nos anos 70 do século passado.

Quero, por fim, deixar registada a atitude dos técnicos e demais funcionários da Direcção de Promoção Turística e Centros de Turismo no estrangeiro, meus colegas e amigos, que, naqueles tempos inquietos, sempre tentaram dar o seu melhor em favor da causa pública.

O Passado

Livro o Turismo no III Plano de Fomento

Figura 1 – Publicação do Comissariado do Turismo. Fonte: Biblioteca Celestino Domingues

O turismo que encontrei no início da minha carreira, em 1969 [1], era diferente do que hoje conhecemos.

Embora considerado como “sector estratégico de crescimento económico” no III Plano de Fomento (1968-1973), o turismo em Portugal, em 1969, (Figura 1) ainda estava numa fase incipiente [2].

Nos anos 70, e no terreno da promoção turística portuguesa, a actividade era dirigida a dois públicos-alvo: os turistas independentes que viajavam, em regra, isoladamente ou em grupo familiar [3] e o turismo organizado por operadores turísticos que começava a dispor de package-tours e novas modalidades tarifárias na aviação (Figura 2).

Brochura Folheto Mercado da Primavera Madeira Canárias TAP

Figura 2 – Materiais promocionais. Fonte: Museu Virtual do Turismo

 

No quadro internacional, após o período de crescimento substancial dos movimentos turísticos que se registou em todo o mundo a partir dos anos 50 do século 20, é de assinalar que em 1965 o total das chegadas internacionais ascendia a cerca de 113 milhões (+13% do que em 1960), reforçando-se, de seguida, a expansão do turismo mundial até ao final da década de 80, incremento este só interrompido em 1982 [1].

Nos anos 70, a conjuntura decorrente da crise da Libra que impunha limitações à saída de turistas do Reino Unido [5] e a crise energética trouxeram alterações ao volume de entradas de estrangeiros em Portugal, nomeadamente de britânicos [6], a que acresceu uma percepção negativa sobre os acontecimentos de 1974.

Medalha de bronze comemorativa do Mercado da Primavera

Figura 3 – Medalha de bronze comemorativa do Mercado da Primavera, iniciativa de promoção turística anual que tinha lugar em Belém, perto do monumento aos Descobrimentos e do Museu de Arte Popular, em Lisboa. Fonte: Museu Virtual do Turismo

Esta situação acentuou a queda do turismo no nosso país, a qual só veio a ser ultrapassada em 1979. Foi neste ano  que se ultrapassou o volume de entradas e de dormidas de estrangeiros em todos os meios de alojamento [7], relativamente ao pico que se tinha registado em 1973 [8].

Em 1974, a oferta turística portuguesa estava enquadrada pela DGT [9] (Figura 3).

Promoção Turística de José Carrasco, Centro Nacional de Formação Turística e Hoteleira

Figura 4 – Publicação da autoria de José Carrasco, Chefe da Repartição de Documentação e Propaganda. Fonte: Biblioteca Celestino Domingues

Deste modo, para além de outras importantes questões associadas ao investimento, à propriedade e gestão de equipamentos e actividades turísticas, de 1974 a 1979, um dos problemas decisivos do turismo em Portugal era a radical quebra da procura estrangeira.

Ou seja, o factor crítico situava-se na necessidade imperiosa de incentivar a vinda de mais turistas, aumentar a compra de serviços turísticos, multiplicar a ocupação nas unidades de alojamento.

Salientarei, assim, algumas das muitas iniciativas de incitamento à procura internacional que a DGT desencadeou nesses anos inesquecíveis de 1974 e seguintes, em estreita colaboração com as associações do sector, a TAP e as entidades regionais [10] (Figura 4). [continua no próximo post]

 

 

 

[1]   Iniciei a minha carreira na DGT em Agosto de 1969 como técnico supranumerário no Grupo de Trabalho das Cartas Turísticas, dirigido pelo Inspector-geral Ruy Pereira e Alvim.

[2]   Segundo a DGT e o INE, em 1969, houve 2,8 milhões de entradas de estrangeiros, 64% das quais por via terrestre. Daquele volume, somente 43% eram turistas (1,2M) provenientes, essencialmente, de Espanha (27%), EUA/Canada (22%), RU (10%) e França (8%). Nesse ano, havia 1347 unidades de alojamento, das quais 26% se situavam no distrito de Lisboa, 9% no de Faro e 6% no do Porto. A dimensão média das unidades era de 26 quartos, dos quais apenas 49% tinha casa de banho privativa. O número de hóspedes elevava-se a 2,6 milhões (42% no distrito de Lisboa), dos quais 42% eram estrangeiros não residentes. Os hóspedes estrangeiros que se alojavam em unidades hoteleiras seleccionavam hotéis de 1ª classe (54%), 2ª classe (23%), luxo (15%) e 3ª classe (8%).

[3]   Para satisfazer as necessidades de informação dos turistas independentes, a DGT dispunha de um corpo de tradutoras-correspondentes que respondiam às centenas de cartas que chegavam ao Palácio Foz e uma rede de Postos de Informação Turística nas fronteiras.

[4]   UNWTO. Total de chegadas internacionais. 1950: 25,20 milhões; 1960: 69,40 milhões; 1965; 112,80 milhões; 1970: 165,8 milhões; 1975: 222,30 milhões; 1980: 278,10 milhões; 1982: 276,90 milhões.

[5]  UK Travel Allowance – 50£ era o limite básico do montante que podia ser utilizado em viagens do Reino Unido para fora da zona Sterling, por pessoa e por ano, desde Julho de 1966 a 1970.

[6]   Segundo o INE, o volume de dormidas provenientes do Reino Unido em todos os meios de alojamento representava, em 1973, cerca de 18% do total registado em Portugal.

[7]   Segundo o INE, as entradas e dormidas de estrangeiros em todos os meios de alojamento tiveram, respectivamente, o seguinte comportamento: 1973: 4,1 e 19,1 milhões; 1974: 2,6 e 13,2 milhões; 1975: 2,0 e 10,2 milhões; 1976: 2,2 e 10,8 milhões; 1977: 3,1 e 14,8 milhões; 1978: 3,4 e18,1 milhões; 1979: 5,3 e 23,5 milhões.

[8]  O sistema estatístico do turismo foi concebido na DGT e no INE, sob a orientação de Manuel Rocha, Director do Gabinete de Estudos e Planeamento e Subdirector-Geral do Turismo, de 1965 a 1996 – coadjuvado por Henrique Rente Fernandes.

[9]   Quando foi instituída em 1968, a DGT compreendia os seguintes serviços técnicos: Gabinete de Estudos e Planeamento (Manuel Rocha); Direcção de Serviços do Património Turístico (Fernando Fonseca); Repartição de Actividades Turísticas (João Strecht Ribeiro); Repartição de Documentação e Propaganda (José Carrasco); Serviços de Inspecção (Ruy Pereira e Alvim).

[10]  José Carrasco, Chefe da Repartição de Documentação e Propaganda no Comissariado de Turismo e Director dos Serviços de Promoção Turística na DGT, de 1965 a 1986. Foi o estratega da recuperação da procura turística e impulsionador da actividade promocional da DGT naquele período.       

 

Alberto Marques

Formação académica centrada em áreas técnicas do Turismo (Guia-Intérprete Nacional, bacharelato em turismo, curso de Estudos Superiores em Gestão de Empresas Turísticas). Em 1969, iniciou o seu percurso profissional na Secretaria de Estado da Informação e Turismo, no Grupo de Trabalho de Ordenamento Turístico do Território (Cartas Turísticas de Portugal). Em 1974, na Direcção-Geral do Turismo participou na organização, planeamento e coordenação da rede de promoção internacional do turismo português (Centros de Turismo de Portugal). Desde essa data e até 2010, foi quadro superior e dirigente de organismos nacionais do turismo português, nomeadamente: Director de Informação e Relações Internacionais na Direcção-Geral do Turismo; Vice-Presidente do Instituto de Promoção; Assessor Técnico do Secretário de Estado do Turismo, Alexandre Relvas; Director de Desenvolvimento e Comunicação no Fundo de Turismo e no Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo; Director-Coordenador de Desenvolvimento de Produtos e Destinos no Turismo de Portugal. Em 1979, participou na criação da Meditour - Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo e da América Latina e, dez anos mais tarde, da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa. A partir de 1994, colaborou na concepção do modelo operativo de Projectos Integrados de Desenvolvimento Turístico e integrou as equipas que criaram, dinamizaram e monitorizaram, entre outros, os programas: Aldeias Históricas de Portugal; Itinerários Turísticos e Arqueológicos do Alentejo e Algarve; Projectos Integrados de Valorização Turística da Serra da Estrela, Jardins Históricos de Portugal, Mértola, Centros Históricos de Lisboa, Sintra, Porto e Évora. Foi secretário executivo das comemorações do Ano Europeu do Turismo, em Portugal (1990) e do Ano Nacional do Turismo (1996). Em 2010, foi distinguido pelo Secretário de Estado do Turismo com a Medalha de Mérito Turístico (grau Prata). Em 2012, recebeu a Consagração “Personalidade Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo (AJOPT).

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search