Cruzeiros (3), de passageiro a ‘cruzeirista’

 Armadores gregos souberam tirar vantagem dos conflitos abertos e demorados do Médio Oriente onde, após a abertura do Canal de Suez, aos povos dominados pelas potências da Europa ocidental, se impunham fronteiras artificialmente desenhadas a esquadro, separando ou agregando regiões de forma irracional, com o único objetivo de que o domínio perdurasse com o mínimo possível de prejuízos e inconvenientes.

Dispondo de um importante conjunto de ilhas no mar Egeu e terminado o conflito militar e diplomático com a Turquia, puderam eles – diga-se os mais afoitos e poderosos – estabelecer o berço das suas empresas e, em época propícia, em que não escasseava a mão-de-obra de gente especializada milenarmente voltada para o mar, reiniciar a exploração das atividades de lazer, a partir dos circuitos que os operadores turísticos souberam incentivar.

Berço da Humanidade e da cultura clássica, a apetecida Grécia, rodeada de um enorme conjunto de monumentos da História antiga que, desde a longínqua Suméria ao estreito de Gibraltar, evidenciando outros momentos civilizacionais no norte mediterrânico, soube tirar partido da sua situação e afirmar-se como potência marítima na área específica da marinha de lazer.

E como o mundo continua a registar alterações substanciais na evolução dos estratos socioeconómicos e, ao mesmo tempo, se acentuam as assimetrias que os ciclos só efemeramente tentam consolidar, a instabilidade que até há pouco tempo era fenómeno incontrolável passou a ser um permanente registo de sociedades ébrias de prazer e fruição material de bens de consumo, cada vez mais sofisticados. É o fenómeno do materialismo que se sobrepõe e destrói a época do romance, da ética e do sonho.

A insaciabilidade tornou-se no paradigma que é a rota do que supostamente encaramos como a felicidade.

A tecnologia, por outro lado, associada à expansão do mercado, gera rumos e transformações que atingem níveis inimagináveis de conforto, de bem-estar e de satisfação pessoal.

E é assim que os mares se vão enchendo de autênticos mastodontes que, deslocando-se pacificamente, acolhem dentro de si alguns milhares de seres humanos, cuja versatilidade motivacional é, também ela, forte impulso de consumo, seja a ânsia da cultura, da experiência exótica, da descontração emocional, da procura de convivência, da satisfação de escondidos sonhos e fantasias, da fuga aos formalismos, da busca de aventurosos encontros, da necessária substituição dos ritmos de trabalho diário, de repouso que é mérito da senilidade e de tantos outros fatores cuja seleção seria certamente penoso enumerar.

Ementa de jantar de despedida em honra dos passageiros do Paquete Infante Dom Henrique, datado de 21 de Agosto de 1963. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Ementa de jantar de despedida em honra dos passageiros do Paquete Infante Dom Henrique, datado de 21 de Agosto de 1963. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Autênticas urbes flutuantes (ou centros comerciais, como já muitos lhes chamam), os novos, vistosos e portentosos navios de cruzeiro, porta-passageiros de enorme volumetria, atraem por força da sua grande capacidade de acomodação, milhares de viajantes (termo pouco adequado a quem se move dentro de uma cidade) e tripulantes que saltam de porto em porto, de escala em escala, de cidade em cidade para, em breves instantes, saborearem novos cenários, velhos monumentos, silhuetas de minaretes, de torres de defesa militar, de cúpulas de basílicas e paisagens de grande, quando não de escassa beleza.

Assim mesmo, podem ainda deliciar-se ou enjoar-se tanto com os cheiros, como com as cores, as temperaturas frias ou escaldantes e, também com o estridente movimento de formigueiros humanos que, alheados do mundo, se afigura para eles quase virtual.

A nova e crescente classe média, tão distinta daquela que há um século frequentava as costas norte e sul do Mediterrâneo, por vezes espantada com tão grande diversidade de paisagens, de costumes, de ambientes, foi facilmente conquistada pelo, quase sempre, magro quinhão que lhe cobram os agentes pelo gozo de, em poucos dias, verem de perto (ou de binóculos a tiracolo) ou muito perto, o mar e tocarem ligeira e efemeramente o chão exótico dos portos de escala. [continua no próximo post]   

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.