Cruzeiros (1), o passado promissor

A navegação de longo curso encontrava abrigo fácil e pouco dispendiosos serviços no estuário do Tejo onde, para além de pequenos barcos de pesca fluvial, se movimentavam fragatas usadas no transporte de produtos alimentares e outros, bem como catraeiros que asseguravam o acesso de passageiros e tripulantes ao modesto cais de acostagem e entre si brigavam pelo escasso pecúlio que os ajudava a viver.

Vista de Lisboa

Vista de Lisboa e Rio Tejo no século XVI – Navios à vela Caravela e Carraca na era Descobrimentos portugueses.

Com a evolução dos meios de propulsão a vapor e a substituição dos velhos veleiros por navios de maior dimensão e tonelagem, em meados do séc. XIX, desenvolveu-se e iniciou a sua consolidação o poder dos grandes armadores à medida em que, uma vez estruturalmente constituídas e dividindo entre si múltiplos interesses, as empresas do norte passaram a dominar as vias de comunicação marítima entre o continente europeu e os pouco conhecidos continentes americano e asiático.

E foi assim que os países da Europa continental que haviam espalhado a sua soberania por ignorados e distantes territórios asseguravam o seu domínio com uma presença política, administrativa, militar e comercial, fazendo crescer as suas frotas, controlar as rotas marítimas, incentivar o comércio e a colonização e garantir a posse e exploração dos recursos naturais que lhes permitiam manter posições políticas e militares nos lugares que constituíam os seus domínios.

Já em finais do séc. XIX emergia o que, modernamente, se designa por ‘sociedade do bem-estar’ que resultava da boa, oportuna e inovadora aplicação e utilização de novos inventos na área da mobilidade. Caminhos-de-ferro, estradas, portos, veículos motorizados estavam a transformar-se na base da industrialização, mudando abruptamente a face do mundo ocidental e iniciando um novo ciclo de progresso que consistia no aumento e expansão das atividades de prazer a que se dava a designação de ‘indústria da vilegiatura’, sábia e curiosa definição do eminente e andarilho escritor Ramalho Ortigão.

A uma oferta cada vez mais ampla correspondia uma procura diversificada e as rotas marítimas assumiam lugar de predominante destaque no processo de desenvolvimento económico que, com forte expressão, se registava nos países ocidentais, onde as classes burguesas se apoderavam dos meios de produção e dos sectores fundamentais da economia.

O Atlântico Norte deixava de ser um oceano para se transformar num largo rio, cujas margens se situavam entre a Europa dominadora e as Américas do Norte e Centro que despertavam para as novas realidades da sociedade, apoiada e estimulada pela ciência e pela técnica que, desde a Idade Média, suportavam a sua evolução.

Ao mesmo tempo, a ânsia e sofreguidão das potências colonizadoras, cuja liderança era assegurada pela velha Albion, alicerçada na conquista e povoamento de vastas partes do globo, transformava-se em riqueza, poder e domínio não contestado por numerosas, distintas e primitivas comunidades a que, por longínquas e impreparadas, se negava o acesso aos bens e privilégios que os seus recursos geravam.

Os grandes navios partiam cheios de emigrantes para destinos mal conhecidos e regressavam com pesados fardos de bens e produtos da Natureza, destinados ao consumo ou à transformação, desta forma alimentando as novas indústrias e consolidando o conforto de novas formas de vida.

A partir de finais do séc. XIX, à navegação de comércio aliava-se a navegação do lazer (cultura, curiosidade, aventura, descanso, exotismo, snobismo, extroversão social, entretenimento, etc.) e os portos do calmo Mediterrâneo testemunhavam o prazer dos burgueses, onde despejavam o pecúlio que alimentava uma miríade de vendedores e pedintes que enxameavam as zonas mais visitadas.

Os cruzeiros passaram a constituir parte muito substancial dos negócios de alguns armadores que neles viam uma excelente oportunidade de lucro, visto que a carga em cujo transporte residia a parte mais representativa das suas rendas era já compatível com a acomodação de passageiros. 

Chegavam paulatinamente ao fim os navios mistos e com tal situação nascia algum do romantismo que alimentava aventureiros endinheirados.[continua no próximo post]


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.