Monte Estoril, a Riviera de Portugal

Figura 1 - PORTUGAL. Casino do Monte Estoril, [191-?]. Postal ilustrado, 11x15 cm. Colecção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 1 – PORTUGAL. Casino do Monte Estoril, [191-?]. Postal ilustrado, 11×15 cm. Colecção Biblioteca Celestino Domingues

Na segunda metade do século XIX, como ainda no alvor do século XX, os lugares de vilegiatura balnear portuguesa encontravam-se próximos das principais cidades. O advento do caminho-de-ferro trouxe novas capacidades de mobilidade em territórios que se achavam deficitariamente servidos, contribuindo decisivamente para a vertebração desta nova prática balnear. Ao pendor rítmico das novas acessibilidades associaram-se renovadas configurações territoriais relacionadas com esta nova vilegiatura, proporcionando o desenvolvimento de dois modelos diferenciados, mas indissociavelmente relacionados entre si: por um lado, a transformação de lugares há muito habitados; por outro, a construção de raiz, emergindo na contiguidade dos primeiros e vivendo, inicialmente, à sua sombra. Em Lisboa, o padrão territorial da vilegiatura balnear “valorizou as praias da margem norte do Tejo, de Belém a Cascais, sendo que esta a mais importante, a mais nobre, pela presença da corte e da aristocracia” (Cavaco, 2005). Semelhante imagem é nos dada a conhecer por Raúl Proença, no notabilíssimo primeiro volume do Guia de Portugal, dedicado ao tema “Generalidades – Lisboa e Arredores” (Proença, 1924), ao aludir que tal região corporizava “estações balneares e estações de Inverno, já com pretensões a paragens civilizadas e com mimos de conforto e vegetação e cuja fiada de vivendas, hotéis, casinhas rústicas ou palácios constitui a única estância cosmopolita que temos entre nós”.

Esta dinâmica manteve-se e até se acentuou nas primeiras décadas do século XX. A Riviera portuguesa, ou “enseada azul”, fazendo uso de uma bela expressão de Raúl Proença, reproduzia uma simbólica de apropriação aristocrática e burguesa, quer nacional quer estrangeira. O Monte Estoril resultou deste conjunto de intenções, surgindo como uma estância balnear construída de raiz, “influenciada por exemplos de urbanismo orgânico, como Bournemouth ou Dinard, na costa da Bretanha, tirando partido do relevo natural para distribuir lotes e arruamentos, a nova estância teve o seu período de maior brilho na última década do século XIX e primeiros anos de novecentos. Tinha um Grande Hotel, então famoso, um jardim, o seu casino com terraço sobre o mar e um conjunto de moradias muito eclético, de que restam alguns belos exemplares” (Graça, 2007). A sedimentação destas ideias e projetos que vieram a tomar forma neste lugar de vilegiatura estival, impressionaram o âmago da aristocracia europeia e permitiram a afirmação do seu cosmopolitismo. Um lugar mundano de classes privilegiadas que ecoou ao longo de décadas e que ajudou a marcar o pêndulo da diversificação das práticas turísticas balneares no território português. Talvez seja o doce encantamento do postal que agora ilustramos. A cristalização de uma época geograficamente onírica para a aristocracia nacional e estrangeira que “diante deste mar tão cariciosamente azul, sob a abóboda doce e cetínea do céu, com os campos ainda matizados e floridos e o ar impregnado dum perfume tépido o Monte Estoril” conservava “o encanto voluptuoso das primaveras inextinguíveis” (Proença, 1924)

Obras Citadas

Cavaco, C. (2005). Os espaços do turismo. Em C. A. Medeiros, Geografia de Portugal. Actividades Económicas e Espaço Geográfico (Vol. 3, pp. 408-422). Lisboa: Círculo de Leitores.

Graça, B. (2007). Vilegiatura balnear – Imagem ideal/ Imagem Real. Revista de História de Arte, pp. 254-267.

Proença, R. (1924). Guia de Portugal: Generalidades – Lisboa e Arredores (Vol. I). Biblioteca Nacional de Lisboa: Lisboa.

 

 

Aquilino Machado

Mestre e Doutorando em Geografia Humana, lecciona a Unidade Curricular de Geografia do Lazer e do Turismo no Instituto de Geografia e do Ordenamento do Territorial. Deu aulas na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, onde obteve o Título de Especialista na Área de Turismo. Essas competências reflectem-se numa forte propensão para o estudo da vida no espaço público, na tentativa de compreender as pausas e as bruscas intervenções dentro do cenário urbano; as apropriações que nele se desenvolvem e traduzem por uma crescente aquisição de ritmos quotidianos, todas essas matérias perfazem uma temática que desperta a sua curiosidade nos campos epistemológicos da Geografia Urbana e Cultural, bem como no ramo do Lazer e do Turismo.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search