A Bolha

Fig1Segundo Rodrigo Fontinha, autor do Novo Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa (Editorial Domingos Barreira – Porto) a palavra “bolha”, para além de definir como uma empola formada à superfície da pele, é utilizada na versão da linguagem popular como representando “desarranjo mental”, “falta de tino” e “desequilíbrio de espirito”.

Há muito poucos anos era comum ouvir-se a expressão “bolha imobiliária”, com o significado de que o excesso de construções urbanas, resultantes do crescimento económico, das facilidades de financiamento, das mutações sociais e mobilidade geográfica, para não referir como sendo importante a ânsia frenética e insaciável de gerar lucros por parte dos promotores.

Ora a bolha imobiliária é semelhante a muitas outras bolhas que se vão gerando em numerosas áreas de actividade, das quais não pode ser afastado o fenómeno turístico.

A observação do frenesim que, nos últimos tempos, e não se sabe a que custo se tem gerado no sector, ampliado pelas constantes revelações de prémios e elevadas classificações de qualidade, diga-se da elevada e excelente qualidade do nosso acolhimento, da nossa hotelaria, da nossa culinária, dos nossos cenários rurais, dos nossos vinhos e petiscos, das nossas ondas, do nosso sol, das nossas praias, dos nossos campos de golfe, dos nossos baixos e apetitosos preços está a estimular o crescimento de uma bolha no tão  apaixonado sector.

E é assim que se assiste a uma crescente desregulação, em volume e redução qualitativa, a variedade de serviços que, subtil e inapropriadamente, se assumem como prestações turísticas.

Começa a encontrar fundamento a noção de que o turismo, tal como era encarado e praticado no período do seu equilibrado desenvolvimento na primeira metade do século passado, mudou de sonho, projecto, atracção cultural, valor social e progresso, quando interiorizou como principal objectivo a exploração descordenada dos recursos, a manipulação de condições de mercado e o embasbacado embevecimento de quantos por ignorância ou perigoso, lhe atribuem esperançosas perspetivas de “salvador”.

O excesso de entusiasmo que atravessa a sociedade portuguesa num período em que o turismo é alcandorado a lugares cimeiros de atratividade, sem base técnica ou cientifica que o justifiquem, em que as patacas parecem cair das árvores viçosas do Douro, do Algarve, da Madeira e outros lugares em regime de breve descobrimento, também alimenta a ideia de que o produto turístico é perene e atraente, não se salientando como seria desejável a sua imperturbável condição de sazonalidade, de modesta qualificação das muitas gentes que nela embrenham a sua vida e hipotecam o seu futuro e do fosso que separa inevitavelmente o luxo do lixo, as quintas das hortas, as piscinas dos tanques, a relva da gravilha, a fortuna da miséria e por aí fora.

Certo é que estados de alma refletem irónica e inevitavelmente o sorriso dos que disfrutam e a lágrima dos que sofrem.

Escondido entre cortinas está, porém, o fenómeno da efemeridade, quase sempre apoiado nos desacatos de uns e nas brincadeiras de outros. A realidade não consegue muitas vezes sobrepor-se à fantasia, o que nos leva a pensar que o conflito entre ambas é apenas um intervalo durante o qual a “bolha” enche até que bico de alfinete transforme a falta de tino em desarranjo total.

A incontrolável transformação da estrutura da sociedade virtual em que mergulhámos pode projectar-nos para um painel de bolhas que nos torna incapazes de avaliar. Basta pensar nas plataformas que se vão multiplicando com a oferta e venda de serviços “on line” que avassaladoramente se estão introduzindo num mercado que, até há pouco, era mais ou menos regulado e sustentável, agora substituído por sistemas que nele deslizam o sem roque nem rei que trave o seu ritmo de aplicação.

Esquecendo que o momento é perverso porque se baseia em factores não racionais, tais como os conflitos políticos que se desenvolvem próximo de fronteiras que somos cada vez mais incapazes de proteger e a luta constante pela conquista do mercado, quer através de desleal concorrência, de “dumping”, de manipulação psicológica ou subliminar, entoam-se cânticos à pouco credível estatística de dormidas e receitas, de divisas e de precários empregos, financiando com moderada vergonha operadores internacionais e penalizando o incauto visitante com taxas sem contrapartida.

Até que um dia – e pode não faltar muito tenhamos a noção de que, paulatinamente – estamos a mudar do urbano bem estar para a selva e desta para o caos.

Bom conselheiro não é o pessimista que baseia o seu estado de alma não apenas naquilo que teme mas naquilo que diariamente observa.

 

 

 

 

 

 



Citar este post
Celestino Domingues (2016, 11 Fevereiro). A Bolha. Eshtoris. Recuperado em 13 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/oiju

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search