O Luso, uma estância termal do centro de Portugal

Figura 1 - PORTUGAL. Termas de Luso, [19--?]. Brochura, 23x10 cm. Colecção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 1 – PORTUGAL. Termas de Luso, [19–?]. Brochura, 23×10 cm. Colecção Biblioteca Celestino Domingues

Até aos anos trinta do século XX, assistiu-se a um período de expansão dos lugares termais reproduzindo configurações espaciais que procuravam “imitar as europeias: equipamento, apoio médico, hotéis de luxo, grandes parques, jardins, casinos e intensa atividade cultural, recreativa e desportiva”. Estâncias como a Curia, Chaves/Vidago/Pedras Salgadas e o Luso destacavam-se no mapa territorial português.

A decadência das estâncias termais foi resultado do declínio da sua vocação turística. Na verdade, as termas portuguesas, que tinham mantido alguma relevância durante a efetivação do conflito mundial 1939-45, ao acolherem inúmeros refugiados estrangeiros, deixaram progressivamente de a ter com o fim desta guerra de proporções tão dramáticas. Terminada a Segunda Grande Guerra, conforme nos dá a conhecer Carminda Cavaco (Cavaco, 2005), “aquela clientela, que foi comum a outras áreas do país dotadas de alojamento hoteleiro, desapareceu quase totalmente e a frequência das termas reduziu-se e perdeu internacionalmente: eram então procuradas apenas por brasileiros, argentinos, espanhóis e alguns marroquinos”.

Na década de sessenta, as estâncias termais continuaram a perder peso no mapa turístico nacional, e aquelas que souberam resistir apresentavam inúmeras limitações nas suas capacidades competitivas:

“Muitas estâncias estavam decadentes e mesmo abandonadas, a sua hotelaria envelhecida, e a população nacional desvalorizava-as como destino de férias de cura (equipamento desatualizado), aliás não custeada pela segurança social, ao contrário dos medicamentos farmacêuticos” (Cavaco, 2005)

No caso das termas de Luso, aquilo que se presenciou foi a sua progressiva desvalorização como destino de férias e de cura, apesar de um privilegiado e imanente posicionamento geográfico face ao contexto do território nacional. O soberbo Grande Hotel do Luso, sob o risco de Cassiano de Branco, com a sua imponente piscina olímpica, tornou-se num lugar desmedido para o ritmo de procura existente. Era a imagem de um esplendor perdido, ecoando memórias antigas, que só viria a prefigurar uma renovação da exploração termal e da atividade turística a ela associada, décadas mais tarde, quando outras procuras valorizaram “o repouso e a calma, a descontração, a evasão, o divertimento e o desporto e” exigiram “alojamento conveniente e equipamento novos” (Cavaco, 2005).

Obras citadas

Cavaco, C. (2005). Os espaços do turismo. Em C. A. Medeiros, Geografia de Portugal. Actividades Económicas e Espaço Geográfico (Vol. 3, pp. 408-422). Lisboa: Círculo de Leitores.

Quintela, M. M. (2004). Saberes e práticas termais: uma perspectiva comparada em Portugal (Termas de S. Pedro do Sul) e no Brasil (Caldas da Imperatriz). Revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, pp. 239-260.

 


Aquilino Machado

Mestre e Doutorando em Geografia Humana, lecciona a Unidade Curricular de Geografia do Lazer e do Turismo no Instituto de Geografia e do Ordenamento do Territorial. Deu aulas na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, onde obteve o Título de Especialista na Área de Turismo. Essas competências reflectem-se numa forte propensão para o estudo da vida no espaço público, na tentativa de compreender as pausas e as bruscas intervenções dentro do cenário urbano; as apropriações que nele se desenvolvem e traduzem por uma crescente aquisição de ritmos quotidianos, todas essas matérias perfazem uma temática que desperta a sua curiosidade nos campos epistemológicos da Geografia Urbana e Cultural, bem como no ramo do Lazer e do Turismo.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.