A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 8 – A acção em 1987-1993: crescimento contínuo em entradas, dormidas e receitas

Assim, em 1988, as estatísticas registavam 244.350 entradas de nórdicos (das quais 226.230 turísticas), que produziram 2 434.000 dormidas (1 413.680 na hotelaria) – tornando-se Portugal o 2.º destino de voos fretados da Finlândia (após a Espanha) e o 3.º da Suécia e da Dinamarca (depois de Espanha e Grécia). E em 1990: 337.610 entradas (321.916 turísticas), 3 040.000 dormidas globais, sendo 1 684.007 na hotelaria (3.º cliente, após Reino Unido e Alemanha).

Figura 1- A princesa Lilian, tia do Rei Carlos Gustavo, no pavilhão de Portugal na “TUR” de 1990.

Figura 1- A princesa Lilian, tia do Rei Carlos Gustavo, no pavilhão de Portugal na “TUR” de 1990.

Esta sequência progressiva proporcionou, apenas um ano depois, novos recordes absolutos do movimento nórdico para o nosso País: 429.698 entradas gerais (398.937 de turistas) e, sobretudo, 4 276.900 dormidas globais (2 157.668 na hotelaria) – um aumento de 29,6 % relativo ao ano anterior – com a seguinte distribuição por nacionalidades:

    Dinamarqueses: 120.200 entradas (112.220 turistas) – 1 127.000 dormidas   

    globais – 384.222 dormidas na hotelaria;

    Finlandeses: 149.205 (145.100) – 1 336.000 – 898.993;

    Islandeses (a): 3.500 (2.900) – 38.550 – 36.000;

    Noruegueses: 26.993 (24.400) – 286.000 – 141.375;

    Suecos: 130.400 (114.315) – 1 470.000 – 698.078.

          (a) Cálculo baseado nos elementos recolhidos junto do “trade” islandês, por não terem existido, na altura, dados específicos de Lisboa sobre fluxos da Islândia.

           Média individual de estadia da totalidade: 11,54 noites (Dinamarqueses, 10,4; Finlandeses, 9,3; Islandeses, 13,3; Noruegueses, 11,8; Suecos, 12,9).

De realçar o incremento “explosivo” do volume de finlandeses, em contraste com algum decréscimo de noruegueses, ainda na ressaca de grave recessão económica – mantendo-se a posição dominante da corrente sueca em dormidas na hotelaria global – e registando-se, paralelamente, uma subida substancial do fluxo dinamarquês, em grande parte devido à presença da Subdelegação do CTP-Escandinávia em Copenhaga, instalada em 1984, mas oficialmente institucionalizada apenas em Agosto de 1991 (tal como a Subdelegação de Helsínquia, que, todavia, não chegou a abrir por carência de meios).

Estes resultados confirmariam expressivamente uma evolução de crescimento sustentado, considerando que a quase totalidade dos visitantes nórdicos era, efectivamente, constituída por turistas: 95 % utilizando a via aérea e frequentando a hotelaria, da qual, a partir da segunda metade da década de 80, se tornariam, não só o 3.º melhor cliente estrangeiro – responsável em 1991 por mais de 10 % do total de dormidas na hotelaria portuguesa – como, igualmente, o 3.º de hotéis de 5 e 4 estrelas (depois de britânicos e alemães). O mercado sueco confirmaria a sua clara preferência por unidades de categoria superior: cerca de 75 % das suas dormidas foram em hotéis de 5 e 4 estrelas, enquanto que mais de metade das dormidas em aparthotéis ocorreu em unidades de 4 estrelas.

Ainda relativamente a dormidas, os turistas nórdicos ascendiam a 2.º mercado externo da Madeira, 3,º do Algarve, 5.º de Lisboa/Costa do Estoril e 2.º da Costa Azul (Setúbal/Tróia/Sesimbra). Algarve, Madeira e Lisboa/Costa do Estoril mantiveram-se como destinos preferidos.

Tendo em conta (segundo estimativas oficiais escandinavas) a média individual de 650,00 coroas suecas (então, 16.120$00 escudos) de gastos diários no estrangeiro (com alojamento, refeições, transportes locais, compras, etc.), o mercado turístico nórdico terá produzido em Portugal, no ano de 1991, uma receita bruta a rondar os 65 milhões de contos portugueses (mais de 324 milhões de euros).

Como forte contribuição para esta progressiva rentabilidade, assinala-se o êxito da implantação no mercado da nossa TAP – cuja delegação na Escandinávia foi em 1989 (menos de um ano após o início dos seus voos directos de Estocolmo) distinguida pela respectiva Administração com o prémio “Os Melhores Resultados Obtidos na Europa” – consolidando-se as linhas escandinavas, ainda presentemente, entre as mais rentáveis da transportadora aérea portuguesa.

Os ecos da evolução expansionista do tráfego turístico nórdico para Portugal terão também alcançado a vizinha Rússia, a avaliar pelo contacto, em Abril de 1992, do operador Murmantours (de Murmansk) com o CTP-Escandinávia, solicitando cotações para 10 voos fretados (cerca de 1000 pax), a realizar para Lisboa de Junho a Setembro seguintes – assunto então reencaminhado à sede do IPT, para seguimento junto de operadores e hoteleiros portugueses potencialmente interessados, eventualmente através da APAVT.

Captação dos mercados de desporto e de terceira idade

Dois segmentos com predominante interesse para Portugal, dadas as suas condições climatéricas e a qualidade dos equipamentos então já existentes ou em construção, face às imensas potencialidades da procura nórdica – Terceira Idade e Desportivo – foram, nesta fase, intensivamente trabalhados pelo CTP, através da prospecção e de relações directas com as instituições oficiais e privadas de assistência social e de desporto, em simultâneo com operadores especializados nestes expansivos tipos de turismo e envolvendo o apoio de visitas seleccionadas de representantes dos media.

Na sequência da acção concretamente iniciada nos anos 1986-87, registaram-se as primeiras viagens organizadas, entre o Outono e a Primavera, de grupos de pensionistas suecos, dinamarqueses e finlandeses destinados primordialmente ao Algarve e Lisboa/Costa do Estoril – constatando-se, desde logo, os elevados níveis económico, cultural e social da quase generalidade dos seus participantes, cuja estadia se prolongava muito além da do turista “normal”.

O prestígio rapidamente atingido pela qualidade destes programas esteve na origem do seu fulgurante incremento a partir do começo da década de 90 – tornando Portugal, definitivamente, um dos receptores favoritos da terceira idade nórdica (parte dela, aliás, já habitante permanente do nosso País).

No tocante ao turismo desportivo – e à margem do incessante crescimento do valioso submercado do golfe desde meados dos anos 60 (grupos organizados de praticantes suecos foram pioneiros num Algarve então a despontar internacionalmente para a modalidade, sendo a Suécia, depois do Reino Unido, o país europeu com o maior número de campos de golfe e de jogadores federados) – os esforços de captação desenvolvidos pelo CTP desde 1985 produziram, igualmente, resultados deveras marcantes. Somente no Inverno 1990-91, por exemplo, estagiaram em Portugal 47 equipas de futebol escandinavas, para além de numerosos grupos de atletismo de pista e corta-mato, orientação, andebol, voleibol, ténis e outros desportos.

Com o surgimento de modernas e bem apetrechadas infra-estruturas vocacionadas para treino de alto rendimento, a tendência preferencial deste aliciante segmento nórdico pela oferta portuguesa acentuou-se expressivamente com o decorrer dos tempos – contribuindo largamente, em conjunto com os fluxos de pensionistas, para a pretendida redução da sazonalidade.

César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.