A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 7 – A acção em 1987-1993: recordes sucessivos até ao final

No prosseguimento da actuação desenvolvida a partir do quinquénio anterior – e propiciadora dos resultados solidamente progressivos expostos no meu depoimento relativo ao ciclo de 1975-86 – o Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia intensificou a aplicação prática da estratégia que, aprovada pelo Instituto de Promoção Turística, planificou de acordo com a especificidade e o comportamento volátil ou conjuntural do mercado nórdico, no seu todo, e, obviamente, as condicionantes, evolução e prioridades da oferta turística portuguesa.

Para a conquista dos objectivos realisticamente ao nosso alcance, a concretização estratégica – tendo por base a diversidade de acções essenciais já descriminada no capítulo do período 1965-1974 – voltou a recorrer fundamentalmente à indispensável margem de maleabilidade criativa e pragmática já explorada no exercício dos anos anteriores, a qual – assente no vasto conhecimento das características específicas do mercado, sua mentalidade e funcionamento – possibilitou o aproveitamento, em tempo útil, de múltiplas oportunidades espontâneas e imprevistas que se revelaram expressivamente rentáveis.

A exploração da tendência expansiva dos fluxos nórdicos para as destinações portuguesas, a par da intensificação cada vez mais agressiva da concorrência, forçou, a partir da segunda metade da década de 80, a um substancial investimento na promoção, na publicidade (genérica e específica de novos destinos e produtos), incluindo televisiva e de exterior, assim como no suporte publicitário aos operadores mais empenhados no reforço das suas programações direccionadas ao nosso País, apoio este que – implicando aplicação financeira publicitária de igual montante por parte dos mesmos operadores – garantia não só uma dupla rentabilização do nosso investimento, como a cedência de um número acordado de passagens, a utilizar por convidados do CTP em iniciativas promocionais ou funcionários em deslocações de serviço, independentemente de outras acções comuns e complementares.

Aplicado proporcionalmente nos cinco países do mercado, este tipo de cooperação e suporte, executado de acordo com os volumes de tráfego em causa, abrangeu operadores quer de voos fretados quer de IT-individual ou de pequenos grupos, temáticos, de fins-de-semana, etc. – e foi extensivo, igualmente, a campanhas conjuntas realizadas com a TAP e a SAS.

Quanto a operadores de “charter”, IT-individual ou de grupos com volumes mais significativos para os destinos portugueses, continuaram a destacar-se Vingresor, Fritidsresor, Royal Tours, Atlas, Trivselresor, Plus Resor e Always (Suécia); Spies, Tjäreborg. Fritisrejs, Aarhus Charter e DF Ferie (Dinamarca); Saga, StarTour, Vingreiser e Tjäreborg (Noruega); Aurinkomatkat, Finmatkat, StarTour, Spies, Tjäreborg e MaktaRasila (Finlândia); e Utsyn (Islândia).

 

A maior campanha promocional de sempre na Escandinávia

No que respeita ainda a voo fretado, salienta-se a introdução no mercado nórdico da Air Atlantis (subsidiária da TAP para voos “charter”), com o apoio activo do CTP – iniciada, em Outubro de 1987, com o transporte Estocolmo-Lisboa dos participantes no Congresso da Associação dos Agentes de Viagens da Suécia, a que se seguiram operações de Helsínquia para o Funchal, inauguradas em Novembro de 1988, e para Faro, a partir do Verão de 1989, bem como de Oslo, também para Faro.

Lançada em 1990, a campanha de imagem genérica de maior dimensão até então realizada, conjunta e simultaneamente, nos cinco países nórdicos e nos respectivos idiomas – tendo por designação temática dominante “Portugal: País das Descobertas”/”Descubra o País que Descobriu o Mundo” (no triplo sentido turístico, histórico e cultural) – traduziu-se num marco relevante da acção do CTP-Escandinávia, quer pela sua amplitude quer pela sua elevada qualidade e, ainda, pela multiplicidade dos suportes nela integrados (desde brochura especial, atractivamente ilustrada, a “spots” televisivos e cinematográficos (pela primeira vez), publicidade de destaque nos jornais de maior circulação e revistas de prestígio, “outdoors”, montras de agências de viagens, companhias aéreas, bancos, etc., vídeos, postais, sacos, concursos e outros meios).

Figura 1 – Carruagem puxada a cavalo promove Portugal nas ruas de Estocolmo – um elemento da vasta campanha “Portugal, país das Descobertas (Outubro, 1990).

Figura 1 – Carruagem puxada a cavalo promove Portugal nas ruas de Estocolmo – um elemento da vasta campanha “Portugal, país das Descobertas (Outubro, 1990).

Acolhida com estimulante positivismo por parte do “trade” e do público consumidor em geral, a referida campanha não só excedeu largamente as expectativas mais optimistas, como se revelou um instrumento comprovadamente decisivo na recuperação e consolidação dos resultados pretendidos – justificando, pelo seu reconhecido nível, o “Gold Award” da Associação Internacional de Marketing, Relações Públicas e Agências de Publicidade (IMPA), atribuído na sua reunião de Junho-1991, em Copenhaga, à agência publicitária sueca que, seleccionada e orientada pelo CTP, a produziu (distinção a que concorreram trabalhos apresentados por agências de 18 países da Europa, Estados Unidos, Canadá e Japão).

Para além do incremento de quase 45 % do volume de transporte aéreo regular para os aeroportos portugueses, também as operações de grupos em voo fretado (“charter”) acusaram uma subida deveras assinalável, para o que contribuiu tanto o aumento da programação dos grandes operadores como o lançamento de novos destinos e o relançamento de outros (Sesimbra, por exemplo, pela Fritidsresor) – revelando-se, ainda, muito estimulante constatar uma gradual melhoria qualitativa, em termos económicos e sociais, dos fluxos de visitantes nórdicos recebidos no nosso País. [continua no próximo post]

César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.