De Mega a Tera passando por Giga (1)

Venha o diabo e escolha.

Não se trata de linguagem criptográfica ou de código nas salas de cifra. São, por força de circunstâncias bastamente conhecidas, as meias palavras que os fanáticos do ambiente virtual utilizam no plano dos bytes e outros, afastados do chão que pisam ou levitando em espuma de sonho, abraçando projetos de muito provável insustentabilidade quando não mesmo inexequíveis.

O Rei Lavrador não era certamente megalómano quando decidiu plantar o pinhal de Leiria porque dele, para além de proteger a produção agrícola das generosas terras do Liz, batidas por forte ondulação de areias transportadas pela ventania da comum nortada, retirava a madeira com que se construíam os barcos destinados a combater os indesejados piratas que infestavam o extenso litoral.

Já o seu descendente, inexperiente e arrojado jovem D. Sebastião, era certamente ‘gigalómano’ (perdoe-se-me o neologismo) quando, apesar de contrariados conselhos que recebeu, obstinadamente resolveu combater a mourama no norte africano que julgava poder destruir com mais facilidade do que fôra a descoberta de terras para onde o vento empurrava as velas da valorosa geração do Infante.

 Se é certo que este momento de memória não tem nada a ver com o turismo, a ironia pode ser apanágio daqueles que, reavivando o passado recente, lamentam o fervor e o desperdício que têm alimentado a autoestima de visionários ávidos de protagonismo, de oportunistas ou aventureiros, cuja insaciabilidade mergulha nas grandes negociatas e cujos projetos se esfumam com o passar do tempo.

Não é através de um exercício de acumulação cognitiva que recordamos, ainda que brevemente, alguns fenómenos que se distinguem no enquadramento histórico do turismo nacional e que relatamos para ilustração do já expressado pensamento.

O início do século XX é bem exemplo da dinâmica introduzida nos meios de transporte que excitava os entusiastas do conforto e da velocidade, fazendo surgir na imaginação de muitos a perspetiva de desenvolvimento e de progresso.

Basta ler os almanaques e publicações periódicas da época para tomar o pulso do que se esperava vir a ser a próxima transformação dos arquétipos conservadores nas atividades da economia e da sociedade.

O caminho-de-ferro em forte expansão, o automóvel-novidade, o balonismo precursor da aviação, o crescente vigor da imprensa, a facilidade das comunicações de voz, a máquina fotográfica e o muito mais que o homem, aliado ou escravo da técnica, ia paulatinamente criando e introduzindo em estratos sociais sujeitos a veloz transformação, determinaram que na imaginação e no espaço surgissem ideias, planos, sonhos, projetos, expetativas que iriam ampliar um novo fenómeno sociocultural a que já se dava a designação de turismo.

Figura 1 – Dirigível Hindenburgo sobre Lisboa em 1936. Fonte: Wikimedia Commons

Na primeira década do século, o Conde do Paço do Lumiar associou-se ao arquiteto Rosendo Carvalheira, para submeter à aprovação do Governo uma proposta de negócio que consistia em construir, dentro das muralhas do Castelo de São Jorge, em Lisboa, nada menos do que um hotel com 600 quartos, uma torre de observação meteorológica e um teleférico que ligasse o Castelo ao Terreiro do Paço.

O projeto tinha como contrapartida a troca de terrenos na periferia de Lisboa para onde transitariam as instalações militares, já que eram vulgares os acidentes e quedas dos cavalos nas estreitas e escorregadias ruelas que isolavam o acesso ao castelo.

Figura 2 – Apresentação de novos meios mecânicos de ligar à colina do Castelo de São Jorge, em Lisboa. Maquete. Fonte: Jornal Público

Estávamos em 1908. E o primeiro hotel de Lisboa com 600 quartos só surgiu, ali para as bandas de Sete-Rios, passadas mais de seis décadas.

Visão ou Megalomania?

Pouco tempo depois – 1911 – Lisboa acolhe o IV Congresso Internacional de Turismo, que regista a presença de cerca de 1500 participantes, dos quais 200 vieram expressamente do estrangeiro.

Figura 3 - Sessão de abertura do Congresso na Sala Portugal (Sociedade de Geografia e Lisboa). Ilustração Portuguesa, nº 274 (22 maio, 1911, p.650). Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 3 – Sessão de abertura do Congresso na Sala Portugal (Sociedade de Geografia e Lisboa). Ilustração Portuguesa, nº 274 (22 maio, 1911, p.650). Coleção Biblioteca Celestino Domingues

E porque o turismo é já promissora fonte de progresso social, cultural e humano, aparece o Centro Republicano António José de Almeida a promover uma ruidosa e megamanifestação de acolhimento e saudação aos congressistas, que reúne, referem as notícias da época (Congresso de Turismo, 1911) mais de 100 000 participantes! Ou seja…praticamente metade da população da capital.

Neste mesmo ano o Prof. Eduardo Coelho, com o patrocínio da Associação Industrial Portuguesa, do já referido Centro Republicano, da Caixa Económica Operária e da Associação dos Jornalistas, apresenta em 9 de Junho na Associação dos Engenheiros Civis de Lisboa, um projeto que, numa brochura de 54 páginas, pretende demonstrar a necessidade de Lisboa concorrer com as grandes capitais europeias, oferecendo aos visitantes estrangeiros um Hotel Palace – Casino, com 300 quartos, a construir na encosta do jardim de São Pedro de Alcântara, apetrechado com um luxuoso equipamento, mobiliário e decoração, reunido que fosse, em sociedade anónima, o necessário capital.

Visão ou Megalomania?

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.