A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 5 – … e das consequências do surto epidémico algarvio

Esta evolução progressiva foi, porém, súbita e sensivelmente travada devido ao cancelamento, no declinar do Verão de 1984, da maioria das operações “charter” escandinavas ainda programadas para o Algarve, causado pelo surto epidémico gastrointestinal então surgido na zona de Albufeira, que teve largas repercussões mediáticas nos países emissores (particularmente na Suécia), provocando a anulação de, aproximadamente, 37 voos, correspondente a cerca de 6.500 pax/70.000 dormidas.

Figura 1 – “Como ir a Portugal”, folheto informativo dos diferentes operadores escandinavos com viagens e programas para as destinações portuguesas, incluindo Madeira e Açores, editado anualmente pelo CTP. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 1 – “Como ir a Portugal”, folheto informativo dos diferentes operadores escandinavos com viagens e programas para as destinações portuguesas, incluindo Madeira e Açores, editado anualmente pelo CTP. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Vários turistas vítimas da epidemia chegaram a estar hospitalizados, tendo os operadores e agências de viagens nórdicos sido obrigados a indemnizar pesadamente parte dos seus clientes regressados da região algarvia.

Lamentavelmente, as consequências danosas deste problema sanitário algarvio, que se arrastaram até meados do ano seguinte, atingiram uma dimensão muito mais vasta do que seria de prever – afectando seriamente a imagem turística, não só do Algarve como do próprio País em geral.

A fim de tentar impedir o alastramento dos efeitos gravosos desta situação – e numa demonstração pública de transparência e do genuíno empenho do País na solução eficaz do problema – o CTP-Escandinávia desenvolveu prontamente uma intervenção directa e activa.

Com o solicitado apoio da nossa embaixada em Estocolmo e a colaboração do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Suécia (ao abrigo do acordo de cooperação com Portugal então existente), uma missão de qualificados peritos suecos de bacteriologia e saneamento básico deslocou-se ao Algarve, a expensas do seu Governo, para examinar as características da contaminação e a rede sanitária em causa, colaborando com as autoridades e os técnicos locais na eliminação da anomalia – o que foi comprovado por diversos representantes dos media nórdicos, enviados também por nossa iniciativa.

Simultaneamente, o director do CTP deslocou-se à costa algarvia para realizar, a seu pedido, reuniões com responsáveis e técnicos de vários municípios locais, presidência da Região de Turismo, hoteleiros, operadores e agentes de viagens – tendo utilizado a oportunidade da realização do V Congresso de Turismo do Algarve para apelar ao empenhamento prioritário de todas entidades envolvidas no sector pelas questões sanitárias e ambientais, já então crucialmente decisivas para o futuro do turismo, português e mundial. Sequentemente, o CTP promoveu, ainda, reuniões – em Estocolmo, Copenhaga, Oslo e Helsínquia – de vários hoteleiros algarvios com os operadores turísticos nórdicos mais afectados.

Gradualmente ultrapassados os efeitos negativos de 1984-85 – para o que contribuiu relevantemente um reforço extra das campanhas promocionais e, em simultâneo, os compensatórios lançamentos de novas destinações (com especial relevo para os primeiros voos “charter” da Escandinávia para Porto/Espinho/Minho e o aumento das operações de grupo, no Verão, para Lisboa, S. Martinho do Porto e Madeira) – o ano de 1986 distinguiu-se, não apenas pela recuperação absoluta, como por novos máximos do movimento turístico nórdico para o nosso País: 188.000 entradas e 1.750.000 dormidas, sendo 1.204.000 na hotelaria – posicionando-se o mercado global escandinavo em 6.º lugar nas entradas e, ainda bem mais significativo, em 3.º nas dormidas na hotelaria (individualmente, a Suécia em 5.º, com 54,2 % do total) e 4.º nas dormidas em aparthotéis e aldeamentos.

 Como atrás aflorado, e a situação do momento impunha, esta expressiva reabilitação tornou-se possível mercê de um pontual acréscimo das dotações de 1985-86 destinadas à actividade promocional, em que foi investida a soma de 68.000 contos – aplicada primordialmente em suporte de vendas (33 %), publicidade (32 %) e relações públicas (31 %). 

Tendo em conta a estimativa da receita bruta extraída da corrente turística nórdica (à volta de 34 milhões de contos) – baseada em cálculos oficiais suecos, então divulgados, da despesa média diária no estrangeiro de 500,00 coroas (equivalente, na altura, a 11 contos) per capita – o gasto promocional português neste mercado, nos mesmos dois anos, terá correspondido, aproximadamente, a 21 escudos por dormida – revelando, portanto, uma rentabilidade anual cerca de 400 vezes superior ao investimento, tendo este representado apenas 0,23 % do rendimento absoluto. [continua no próximo post]

 

César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.