A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 4 – A acção de 1975 a 1986: recuperação dos efeitos da turbulência política…

Após um interregno de quase sete anos, reassumi em Março de 1979, por decisão governamental, a direcção do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia – que, por efeito de posteriores renovações contratuais, vim a exercer ininterruptamente até à decretada extinção de todas as Delegações do Turismo Português no estrangeiro, em Agosto de 1992, e consequente encerramento definitivo do organismo, no final do mesmo ano.

Na sequência da acção encetada desde a abertura do CTP – e continuadamente desenvolvida no período 1973-1978, sob a chefia sucessiva de Jorge Felner da Costa e Germano de Salles, com resultados sumamente positivos – o rumo lógico da sua actividade nesta fase de 1979-86 foi determinado pelo propósito simultâneo da consolidação posicional do nosso País no mercado turístico global nórdico e da intensificação gradual da valorização do mesmo em termos qualitativos e sócio-económicos, tendo por meta o crescimento sustentado da sua rentabilidade.

O recrudescimento sucessivo, tanto da programação dos operadores como do volume do transporte aéreo regular para Portugal, a diversificação e a disseminação das destinações no território português, a inclusão de novos produtos lançados pela oferta, a opção por alojamento e serviços cada vez mais qualificados, bem como a redução do factor sazonalidade, continuaram a constituir pilares fundamentais na tarefa de conquista dos objectivos ambicionados.

Para tanto, houve, como é óbvio, que apurar a estratégia promocional concebida, proposta e implementada pelo CTP-Escandinávia – a qual, formalmente aprovada por Lisboa (Direcção-Geral do Turismo), se encontra detalhadamente descrita do meu depoimento relativo ao período 1965-1974 – reactualizando-a assiduamente face às tendências variáveis da procura nórdica, tendo sempre em conta, elementarmente, a evolução e as prioridades da oferta turística portuguesa.

Figura 1 - “Lisboa inesquecível!” – brochura especial sobre a capital portuguesa, editada nas diferentes línguas nórdicas (1983).

Figura 1 – “Lisboa inesquecível!” – brochura especial sobre a capital portuguesa, editada nas diferentes línguas nórdicas (1983).

É evidente que para os resultados favoráveis desta estratégia tornou-se imprescindível, e mesmo determinante, uma aplicação prática racionalmente eivada de flexibilidade pragmática e criativa, imposta quer pelo comportamento momentâneo ou conjuntural dos mercados emissores, quer pela exploração, com acções pontuais, de numerosas oportunidades imprevistas e espontâneas, intrínsecas da actividade turística.            

Como expectável, este tipo de actuação possibilitou fortalecer gradualmente a posição de Portugal entre os destinos mais expansivos e preferenciais das correntes turísticas nórdicas – Espanha, Itália, Grécia, França e Reino Unido – a despeito da sua limitada capacidade de acomodação, comparada com a de países receptores de maior dimensão territorial.

O início da década de 80 ficou marcado por uma substancial recuperação dos fluxos nórdicos para o nosso País, que haviam acusado sensível retraimento por influência da conturbada situação política portuguesa decorrida no período pós-revolucionário de 1974 – como, aliás, demonstraram as estatísticas do movimento nórdico relativas a 1975: 68.360 entradas (53.800 turistas), 564.000 dormidas globais (435.000 na hotelaria).

À intensificação da actividade promocional do CTP-Escandinávia – dotada de meios mais próximos das necessidades a partir da sua definitiva institucionalização governamental, em Outubro de 1983 (ainda que tenha funcionado oficialmente desde 1965) – correspondeu o retorno da procura, em crescendo, por parte do público consumidor, pressionando os principais operadores não só a retomar a programação para as destinações portuguesas que haviam suspendido ou cancelado, como, até, a expandi-la.

Para além de um aumento substancial de voos regulares diários e de programação IT/GIT, PEX/APEX, Incentivos/Convenções, Golfe e outros produtos temáticos, novos programas de grupos, com partidas de Estocolmo, Copenhaga e Oslo, foram lançados para destinos ainda inéditos neste mercado, como Figueira da Foz e Ericeira (1982), São Martinho do Porto (1983), Porto/Espinho/Costa Verde e Turismo de Habitação (1984), bem como os primeiros voos “charter” para os Açores (1985) – enquanto que de Helsínquia se iniciaram, também em 1985, as primeiras operações “charter” finlandesas para Lisboa/Costa do Estoril e Algarve; e da Islândia, em 1986, uma nova operação semanal para a Madeira.

Neste período, os operadores Fritidsresor, Royal Tours, Atlas e Vingresor (Suécia); Fritisrejser, Tjäreborg e Spies (Dinamarca); Star Tour e Saga (Noruega); Finmatkak e Tjäreborg (Finlândia); e Utsyn (Islândia) destacaram-se pelo seu volume de tráfego para as destinações portuguesas.

Por sua vez, a TAP registava a maior taxa de ocupação, até à altura, da sua linha escandinava, a SAS subia para 5 (mais dois) os seus voos semanais de Estocolmo e de Copenhaga para Lisboa e a Finnair iniciava um voo por semana Helsínquia-Lisboa (frequência que posteriormente duplicaria).    

Paralelamente, aumentava de forma significativa a duração da estadia em Portugal dos fluxos nórdicos, por efeito do prolongamento dos períodos de operação de voos fretados para a Madeira (todo o ano), Algarve (10-11 meses) e Lisboa/Costa do Estoril/Tróia/Costa Azul (8-9 meses) – diluindo-se cada vez mais a dependência da “sazonalidade”.

Em 1980, Portugal recebeu 126.645 escandinavos (114.500 turistas), produzindo o total de 1 273.000 dormidas, das quais 758.029 na hotelaria – números que dois anos depois ascenderiam a, respectivamente, 138.500, 127.000, 1 315.000 e 845.000. [continua no próximo post]


César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.