De mochila às costas e saco cama

 

Fonte: Condé Nast Licensing

Fonte: Condé Nast Licensing

Há pouco mais de um século, ainda a palavra turismo não envergava a policromia e versatilidade que, em tempos presentes, lhe são atribuídas, e só timidamente surgia por adaptação gálica, em guias, revistas e jornais, sob a forma de ‘tourismo’, rapidamente dicionarizada pelos paladinos defensores da língua portuguesa a partir de 1914.

É natural que, tratando-se de um galicismo, com origem no anglo-saxónico vocábulo ‘tourism’ atribuído à fruição dos tempos livres (‘loisir’, ‘leisure’, ‘lazer’) e portanto distinto do ‘travel’ que após a batalha de Hastings fora introduzido no linguajar britânico com o sentido de trabalho (‘travel’ equiparado a ‘travaille’), o vocábulo tivera percorrido tempo suficiente de maturação para se afirmar internacionalmente com uma interpretação uniforme nos países que deles passaram a servir-se.

Muitos, ou alguns, dirão que esta paráfrase pouco tem a ver por se tratar de uma lucubração de teor académico, com a realidade de um turbulento século XXI que, impotente, assiste a agitadas e impensadas transformações que circulam, mas não se consolidam, em extratos sociais que constroem os seus mitos e se vão dissociando do pragmatismo que se veste de fantasia.

O cada vez mais pequeno mundo em que vivemos está a gerar um crescente e maior fosso entre os que sabem e os que ignoram, os que lutam e os que se conformam, os que progridem e os que empobrecem, os poucos que ganham e os muitos que perdem, os que ainda acreditam e os que já desistiram.

O turismo, vocábulo difuso que se acomoda aos mais práticos aspetos da vida quotidiana, serve como meta, justificação, esperança, alimento, sonho, recurso, motivação, meio de sobrevivência, agente de cultura, parceiro de vizinhança, fator de diversão, eu sei lá!

A enorme catadupa de informação veiculada pelos meios comunicacionais produzidos pela insaciável voracidade de criar, inovar e difundir as imparáveis fontes da tecnologia, estão a criar uma espécie de nomadismo moderno, alicerçado em migrações acidentais, contínuas e/ou intermitentes, que se afastam por óbvias razões, que todos (?) conhecemos dos parâmetros tradicionais.

Novos, eficazes, seguros e baratos meios de deslocação e transporte, associados a formas de acolhimento ou alojamento temporário estão a registar números não só inesperados como impensáveis há apenas duas gerações.

A observação do que se vai passando nos grandes centros urbanos onde se impõe um crescente número de visitantes ou transeuntes de mochila às costas e saco cama ou de articulados ‘bobys’ que servem de gaveta rolante para os indispensáveis pertences de roupa e higiene, grupos mais ou menos homogéneos buscam o diferente e se comportam (normalmente bem, ou seja, civilizadamente) como curiosos visitantes que acrescentam relativo valor à sua personalidade ou à sua cultura.

Quem, olhando para este pequeno país se fixa nos painéis, cartazes, mensagens de rádio, tv, internet, etc, com promessas de noitadas de música, bebida e divertimento, em numerosos festivais que estremecem as pacatas aldeias do desertificado interior vai-se conformando com o novo conceito migratório que, supostamente alicerçado no presumível e benéfico efeito turístico para os autóctones, enche durante três curtas noites o coração de nómadas adolescentes, deixando para trás doze longos meses de tristeza e solidão.

De mochila às costas e saco cama se faz turismo num pequeno retângulo onde ele continua a ser ingenuamente encarado como fator de progresso e modernidade.

Ao invés do saco cama, estão a chegar promessas de visitantes que, de mãos livres e quase vazias são enfiados em panorâmicas viaturas que, percorrendo as estreitas vias citadinas, no meio de um quase caótico avolumar de autos de estimação ou trabalho, pouco mais lhes mostram que a silhueta histórica de edifícios antigos e portais de vetustas igrejas cujo interior lhes está, na prática, vedado observar.

Não precisa de esforçar-se quem, lendo estes dizeres, já entendeu que se trata de um retrato antecipada e ironicamente imaginado dos mastodontes centros comerciais flutuantes que, por escassas horas, aqui aportarão para despejar montes de simpática gente que, ainda ativa ou já retirada do pesado fardo do trabalho, alia a curiosidade à experiência, o exótico à cultura, o prazer ao repouso, a ignorância à descoberta.

Guardados por fervorosos guias intérpretes (não vão alguns perder-se no ‘banheiro’) não lhes sobra tempo para visitar as vistosas e sofisticadas lojas da Avenida da Liberdade para visitar o Jardim Botânico, a Estufa Fria ou até o Castelo, onde só penosamente se chega, nem os museus que por aí pululam, nem mesmo para apreciar as artes de rua e as lojinhas de artesanato da velha Baixa Lisboeta.

Cruzam-se, porém, com a miríade de jovens de estranho falar que sobem ou descem o Chiado, à procura de Alfama ou do Bairro Alto, onde se sentem mais comodamente acompanhados quando a tarde se vai desvanecendo.

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.