A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 2 – Estratégia Promocional

A estratégia promocional concebida e proposta à Sede obedeceu, obviamente, a uma conciliação realista entre as especificidades do mercado nórdico da procura e as características e disponibilidades da oferta portuguesa – tendo sempre em conta, paralelamente, os variados factores de índole conjuntural e tendencial – visando o crescimento e a melhoria qualitativa dos fluxos visitantes, maior duração da sua estadia, redução da sazonalidade, disseminação mais ampla pelo espaço português (com o aparecimento de novos destinos) e diversificação de produtos oferecidos.

Privilegiaram-se acções de captação de segmentos de terceira idade, incentivos, congressos/convenções, desportivo (golfe, estágios/centros de treino, pesca de alto mar etc.), turismo de habitação/rural, cultural, ecológico, gastronómico e vinícola. 

A implementação desta estratégia – tendo em conta, não só a limitação dos recursos financeiros disponíveis, mas também o facto de que os seus resultados apenas seriam efectivamente palpáveis num prazo nunca inferior a 3-4 anos – assentou, essencialmente, nas componentes seguintes:

– Incremento da cooperação directa com o “trade”, apoiando promocionalmente parte dos programas para Portugal de interesse mais imediato, sobretudo nas fases de lançamento de novas operações ou produtos;

– Campanhas publicitárias de imagem (genérica) direccionadas ao público consumidor, em alguns jornais de maior influência e de exterior (“outdoors”) nas cidades mais populosas;

Figura 1 – “Onde? Claro, em Portugal” – a primeira campanha publicitária do Turismo Português realizada na principal imprensa e em outdoors da Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia – parcialmente com a colaboração da SAS (Primavera, 1964).

Figura 1 – “Onde? Claro, em Portugal” – a primeira campanha publicitária do Turismo Português realizada na principal imprensa e em outdoors da Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia – parcialmente com a colaboração da TAP e da SAS (Primavera, 1964).

– Estreitamento das relações profissionais e pessoais com os “decision makers” dos operadores mais importantes e produtivos, incluindo visitas frequentes de contacto e prospecção dentro dos cinco países do mercado nórdico global;            

– Acordos de colaboração com transportadoras aéreas, nomeadamente TAP e SAS;

– Aproximação psicológica aos diversos órgãos dos media, através do relacionamento pessoal com os seus responsáveis e colaboradores, com o fim de procurar incutir ou expandir nos mesmos uma receptividade positiva a Portugal como País de Turismo;

 – Seminários informativos e “workshops”, nas principais cidades, para dirigentes e vendedores de empresas do “trade” local;       

– Sessões promocionais de Portugal, em geral, bem como de destinações ou produtos específicos, em parte com a colaboração activa das Regiões de Turismo;

– Viagens educacionais a Portugal de executivos e vendedores de operadores, agências de viagens e cadeias de retalhistas; 

– Visitas de jornalistas (da Imprensa, Rádio e Televisão) e, ainda, de personalidades (dos meios artístico, cultural, desportivo ou social), reputadas de “opinion leaders”, cujo prestígio revertesse (através de artigos e reportagens na Imprensa, TV, etc.) em rentável promoção da imagem turística do País; 

– Campanhas de montras (em agências de viagens, companhias aéreas, bancos, centros comerciais, etc.);

Figura 2 – Detalhe da promoção em montras de bancos e agências de viagens escandinavas (Inverno, 1970).

Figura 2 – Detalhe da promoção em montras de bancos e agências de viagens escandinavas (Inverno, 1970).

– Participação anual, com pavilhão próprio, nas principais Feiras de Turismo nórdicas – por ordem de importância: “Tur” (Gotemburgo), “Ferie” (Copenhaga), Makta (Helsínquia), Reiseliv (Oslo) e “Res” (Estocolmo).  

Figura 3 – O Presidente da República da Finlândia, Urho Kekkonen, visita o pavilhão de Portugal numa das edições da feira de turismo “Makta”, em Helsínquia.

Figura 3 – O Presidente da República da Finlândia, Urho Kekkonen, visita o pavilhão de Portugal numa das edições da feira de turismo “Makta”, em Helsínquia.

Como efeito da aplicação estratégica atrás descrita, os fluxos para as destinações portuguesas registavam um crescimento sólido e sucessivo, atingindo nos primeiros anos da década de 70 números já significativos em entradas e, principalmente, em dormidas. Para além de maior número de voos regulares diários, assistiu-se a um acréscimo da programação de IT/GIT, PEX/APEX, Incentivos/Convenções, Golfe e outros produtos.

De cerca de 16.000 entradas turísticas e 150.000 dormidas gerais de escandinavos registadas em Portugal no ano de 1965, passou-se em 1967 a um total de, aproximadamente, 40.000 entradas e 285.000 dormidas; e em 1970 a 58.000 entradas (47.000 turísticas), que produziram 480.000 dormidas (das quais, 310.000 na hotelaria) – números que apenas dois anos depois ascenderiam a, respectivamente, 95.000 (87.000) e 845.000 (565.000). 

Face à sua localização geográfica, a longa distância das zonas turísticas mais procuradas – e tratando-se de um mercado global exportador particularmente organizado e dominado por grupos de grandes operadores inter-escandinavos – o factor transporte sempre assumiu decisiva relevância no que respeita a eficiência, comodidade e, obviamente, custo – o que explica a enorme expansão, a partir da segunda metade da década de 60, do sistema de voo fretado (“charter”), com partidas constantes de vários aeroportos dos cinco países, sendo Portugal um dos grandes receptores desse tipo de turismo de grupo que, economizando no transporte, sem sacrificar o conforto, pode dispor de mais dinheiro para despender na estadia. 

Simultaneamente, e com o imparável crescimento do mercado turístico, o transporte aéreo regular também registou, ao longo dos anos, uma evolução sumamente positiva, particularmente a nossa TAP – cuja introdução na Escandinávia se deve a iniciativa pioneira e persistente do CTP – concretizada com voos directos a partir de Abril de 1967 – e que continuou a usufruir de uma sólida e progressiva rentabilidade das suas operações diárias de Estocolmo, Copenhaga, Oslo e Helsínquia. [continua no próximo post]

César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.