Bando de gaivotas poisado na riba à beira-mar

“Do lado da terra descobre-se, em conjunto, a Vila, do Alto da Boa Vista, a quem derive do trajecto da antiga Estrada Nacional, pois por esta via se entra abruptamente na Vila, cortando a encosta onde esta assenta.” (Santos, 1932, p. 123)

Figura 1 – Moinho do Outeiro [193-]. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 1 – Moinho do Outeiro [193-]. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Esparso e bucólico era o cenário que detinha o viajante na sua chegada à Vila da Ericeira (Figura 1), que conheceu uma significativa importância durante quase todo o século XIX com a sua afirmação enquanto importante porto da Estremadura que, dotado de Alfândega, permitia o abastecimento de grande parte da Província em que se insere.

Também o porto da Ericeira conheceu um relevante episódio histórico que lhe conferiu notoriedade, pois foi dele que se deu o embarque da família real portuguesa aquando da implantação da República para o Brasil, à procura de exílio (Câmara Municipal de Mafra, [19–], p. 7).

Hoje a Ericeira “vê compensado o declínio que as circunstâncias da época lhe acarretaram, por uma valorização justa da sua situação e do seu clima, como estância de turismo e de cura.” (Santos, 1932, p. 123). O seu potencial turístico deriva e depende da conjugação de diversos fatores como sejam o património natural e patrimonial (Aurindo, Godinho, & Rodrigues, 1997,    1998), com destaque para a sua paisagem cénica, clima, património gastronómico e, mais recentemente, a sua classificação como reserva mundial de surf1.

Figura 2 –Ericeira e sua área de turismo. Editado pela Comissão de Iniciativa da Ericeira,1931. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 2 – Ericeira e sua área de turismo. Editado pela Comissão de Iniciativa da Ericeira,1931.
Coleção Biblioteca Celestino Domingues

A procura da Ericeira para propósitos de lazer e turismo, associada que está ao imaginário dos banhos frios de mar, ao iodado clima, às Águas Mineromedicinais de Santa Marta (Diniz, 1997) e ao célebre Hotel de Turismo da Ericeira, observou desde cedo uma frequência mais seleta. Tal se percebe desde logo na descrição que Ramalho Ortigão faz da Ericeira na sua obra intitulada As praias de Portugal (Ortigão, 1943, p. 204):

“A vida era extremamente cómoda na Ericeira. (…) A população indígena, composta principalmente de marítimos, é pacífica e abastada, donde resulta que o banhista não padece a exploração de que é objecto nas terras em que a população é indolente e pobre.”

A crescente procura deste destino, quer em termos de aquisição de residências secundárias por parte de muitos portugueses e estrangeiros, quer para fins de estadia turística verificou uma expressiva expansão do edificado, de tal modo que a paisagem encontrada por quem atualmente entra na vila é agora bem mais congestionada (Figura 4), tendo-se vindo a perder parte do encanto que outrora (Figura 3) levou a que a caracterizassem qual «bando de gaivotas poisado na riba à beira-mar» (Comissão de Iniciativa da Ericeira, 1931)

Figura 3 - Postal ilustrado da Praia do Sul e vista parcial da Vila, Ericeira, [1936]. Coleção Biblioteca Celestino Domingues Figura 4 - Praia do Sul e vista parcial da Vila, Ericeira, 2014

Figura 3 – Postal ilustrado da Praia do Sul e vista parcial da Vila, Ericeira, [1936]. Coleção Biblioteca Celestino Domingues
Figura 4 – Praia do Sul e vista parcial da Vila, Ericeira, 2014

Esta evolução a que a Ericeira tem assistido ficava já bem retratada no desabafo de Fernando Namora citado por Sebastião Diniz, que a seguir se reproduz:

“[…] Aqui há uns meses, tendo sido a Ericeira uma das vilas marinhas mais do meu agrado, levei-lhe uma professora estrangeira para deleitadamente mostrar os areais, as arribas e sobretudo o casario típico das povoações do nosso litoral. Eu não vinha ali havia mais de três anos, Pois fomos andando por pracetas e ruas e, da minha Ericeira de tantos Verões, que restava? Bem pouco. Como se os habitantes da vila tivessem sido expulsos por bárbaros invasores e derruídos os sinais de sua antiga presença. A Ericeira deixara de ser o que era. Quem permitira a devastação? Quem desenhara aqueles monstrengos de arquitectura? Quem caucionara a sanha corrosiva?

Ao menos, que a minha amiga apreciasse o recorte escarpado da beira-mar, lá onde a mão do homem recusaria tentações de violação. Mas até as arribas, céus, estavam irreconhecíveis! A dinamite e o escopro tinham ridicularizado aquilo em que a natureza pusera brio e espontaneidade. Peço a quantos sintam as dores das coisas desfiguradas que vão lá ver.

A minha amiga mais me sangrou o desgosto falando-me dos burgos, neste e naquele país (Bulgária, França, Rússia, Espanha, Itália), que foram parcial ou totalmente refundidos, a fim de reterem o que neles houve de história viva, a fim de serem repositórios de cultura. Alguns deles tenho eu conhecido, até aqui ao pé da porta. E nem por isso esses países deixam de construir o futuro, de olhos bem em frente. Pelo contrário. Mas constroem-no com a segurança de uma identidade prezada que busca as seivas do cerne de si própria. É que os povos não existem enquanto tal se desculturados.” (Diniz, 1997, pp. 158-159)

É fundamental que se acautelem as consequências do crescimento urbano como aquele a que se tem assistido em toda a envolvente do núcleo original da Ericeira. O potencial deste local  para o turismo paisagístico deverá impedir que esta actividade se torne predadora dos ecossistemas, e com isso destrua o potencial que lhe deu origem e o permitiu desenvolver.

Obras Citadas

Aurindo, M., Godinho, V., & Rodrigues, A. (1997). O concelho de Mafra em perspectiva: meio, acessibilidade e população. Boletim Cultural de Mafra 1997, pp. 185-218.

Aurindo, M., Godinho, V., & Rodrigues, A. (1998). Concelho de Mafra: turismo e lazer. Boletim Cultural de Mafra 1998, pp. 315-355.

Câmara Municipal de Mafra. ([19–]). Mafra. Mafra: Câmara Municipal.

Comissão de iniciativa da Ericeira. (1931). Ericeira e a sua área de turismo. Ericeira: Comissão de iniciativa da Ericeira.

Diniz, S. (1997). Ericeira: um lugar na literatura. Ericeira: Mar de Letras.

Diniz, S. (1997). Memória das Águas: no centenário das Águas Mineromedicinais de Santa Marta. Mafra: Câmara Municipal.

Ortigão, R. (1943). As praias de Portugal: guia do banhista e do viajante. Lisboa: Livraria Clássica Editora.

Santos, L. R. (Ed.). (1932). Ericeira. Turismo: separata do Anuário Comercial de Portugal.

  1. Consultar World Surfing Reserves em http://www.worldsurfingreserves.org/ericeira []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.