António Ferro e a prática turística nacional (4) – Cultura e Arte Populares

A diferença profunda, abismal, entre o verdadeiro povo e o falso povo (…) é a simplicidade, a fidalguia natural do primeiro e a pretensão, o enfático plebeísmo do segundo.

O primeiro, o verdadeiro, é aquele que gosta de ser povo, através das próprias dificuldades do seu viver, mas sem agressividade, sem ódio, sem especular, em tom mais ou menos comicieiro, com essa clarificação de povo que lhe agrada, sem saber porquê, pois o torna depositário, inconscientemente, das principais características da sua Pátria, das qualidades e defeito da sua ração

 (Ferro, 1950, p. 7)

Com estas palavras justificava António Ferro a importância de se preservar e valorizar a designada cultura popular, materializada e divulgada em inúmeras iniciativas do Secretariado de Propaganda Nacional (SPN) e do Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo (SNI) dirigidas a turistas nacionais ou estrangeiros. Considerando que na orgânica ideológica do Estado Novo era nos grupos apresentados como populares que se encontrava a essência da verdadeira “Nação”, é fácil entender a importância que o regime de Salazar atribuía aos seus símbolos e representações. A comemoração dos catorze anos da Política do Espírito foi, por isso, ocasião para recordar que o SPN sempre se dedicara “à valorização da etnografia e do folclore, fazendo reviver tradições já esquecidas, e conseguindo – pela renovação do interesse e dos estudos da arte popular – abrir novos horizontes às artes decorativas e às artes plásticas do nosso país” (Ferro, 1948).

Figura 1 - Postal ilustrado, reprodução da capa de Quelques Images de l’Art Populaire (ilustração de Paulo Ferreira. Lisboa: SPN, 1938), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 1 – Postal ilustrado, reprodução da capa de Quelques Images de l’Art Populaire (ilustração de Paulo Ferreira. Lisboa: SPN, 1938), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

No ano de 1935 foi apresentada em Genebra, numa assembleia da Sociedade das Nações, a primeira mostra internacional de arte popular portuguesa. Segundo os relatos da imprensa coeva, essa exibição de bonecas envergando trajos regionais foi admirada por milhares de visitantes e terá constituído um êxito estrondoso. O comentário que António Ferro preparou para a edição de “Quelques Images de l’Art Populaire Portugaise”, o catálogo que acompanhava a exposição, reiterava a convicção de que se tratava de “verdadeira propaganda nacional, a propaganda duma força viva da Nação” (Ferro, 1935). A mesma mostra foi exibida aos portugueses um ano mais tarde nas instalações do SPN, em S. Pedro de Alcântara, e a publicação que a apresentava referia que a missão do certame consistia em acordar a população e o Estado para a proteção da arte popular, pois que a mesma representava uma forma de rendimento económico e uma fonte de riqueza espiritual (Chaves, 1936, p. 2).

Quer o Concurso Aldeia Mais Portuguesa (Cadavez, 2014, p. http://eshtoris.hypotheses.org/756), quer a área das Aldeias Portuguesas do Centro Regional em exibição na Exposição do Mundo Português de 1940 terão constituído momentos determinantes para a identificação e para a divulgação oficial de ícones da designada cultura popular que insistia em exibir e reproduzir imagens e narrativas campestres, que evidenciavam uma ruralidade assética, feliz e pura.

Figura 2 – Postal ilustrado, reprodução da capa de Artes e Indústrias Populares de Portugal (ilustração de Tom. Lisboa: SPN, 1940), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 2 – Postal ilustrado, reprodução da capa de Artes e Indústrias Populares de Portugal (ilustração de Tom. Lisboa: SPN, 1940), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Muitos desses símbolos, que continuam a ser ainda hoje reproduzidos nos imaginários turísticos nacionais, foram definitivamente validados por ocasião da abertura do Museu de Arte Popular, em Lisboa, no ano de 1948. No discurso proferido aquando da inauguração desse espaço, António Ferro referiu o que nos parece ser uma síntese perfeita do sentido que o regime de Salazar fazia da expressão “arte popular”, de como esta seria útil à divulgação ideológica de sistemas governativos como o Estado Novo português e, ainda, de como a mobilidade turística é uma atividade impulsionada pelo reconhecimento de dissemelhanças culturaisAssim, Ferro afirmou que os povos se interessavam uns pelos outros devido às diferenças que marcavam as diversas nações, defendendo a preservação e a valorização dos monumentos manuelinos, ou seja, de todo o património erigido num estilo designado como essencialmente português, e que despertava sentimentos de pertença à “Nação”. Nessa lógica de argumentação, o espaço que estava a ser inaugurado representava um “exemplo de soberania espiritual, da nossa profunda diferenciação, retrato da alma de um povo que não quer renunciar nem à sua raça nem ao seu carácter” (Ferro, 1948, p. 5). [continua no próximo post]

Obras Citadas

Cadavez, C. (4 de Abril de 2014). António Ferro e a prática turística nacional. Obtido de Eshtoris: Blog da Biblioteca Celestino Domingues: http://eshtoris.hypotheses.org/756

Chaves, L. (1936). Carta a António Ferro. Fundação António Quadros, Caixote 004A, Dossier Exposição de Arte Popular.

Ferro, A. (1935). Fundação António Quadros, Caixote 004A, Dossier Exposição de Arte Popular.

Ferro, A. (1948). Catorze anos de política do espírito. Apontamentos para uma exposição apresentados no S.N.I. Lisboa: Edições SNI.

Ferro, A. (1950). Sociedades de Recreio. Lisboa: Edições SNI.

Cândida Cadavez

Mestre em Estudos Anglísticos - Especialidade de Cultura Inglesa com a dissertação Um Quarto com Vista sobre o Mundo: Globalização, Turismo e Cultura; e Doutora em Estudos de Literatura e de Cultura – Especialidade de Ciências da Cultura com a tese "A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940". As suas principais áreas de investigação incluem história do turismo, representações turísticas e das nações em regimes totalitários, e cultura popular. É docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril desde 2001 e Investigadora Integrada no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da FCH-UCP.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.