A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 1 – Introdução

Fascinado desde a minha adolescência pela civilização, a cultura e a vida social nórdicas, desfrutei em Junho de 1958 da feliz oportunidade de realizar uma visita jornalística à Suécia e à Dinamarca, e de novo à Suécia no ano seguinte – resultando de ambas as viagens uma série de catorze artigos publicados no Diário de Lisboa, em Setembro de 1959, sob o antetítulo “Rapsódia Sueca” – num dos quais denunciei particularmente a então ténue presença de Portugal naquela vasta e próspera parcela do território europeu e a consequente e frustrante ignorância generalizada dos seus povos relativamente ao nosso País, à sua identidade histórica, cultural, linguística e produtiva, com especial foco nas suas, então ainda por descobrir, virtudes turísticas.

No propósito de intensificar a divulgação dessa negativa realidade, apresentei no 1.º Colóquio Nacional de Turismo, promovido pelo SNI em Janeiro de 1961, e como jornalista, uma comunicação (“O Mercado Escandinavo e o Turismo Português”), realçando o, na altura, já enorme potencial da zona nórdica como mercado emissor e enfatizando a importância de o nosso País se lançar urgentemente na concorrência pela sua captação, através de uma acção promocional atractiva e devidamente sustentada – recomendação que foi atentamente considerada e da qual emanaram as conclusões/directrizes finais da “necessidade de se trabalhar o mercado escandinavo” e da “conveniência da instalação de nova Casa de Portugal ou Centro de Informação nos Países Escandinavos”.

Tendo decidido posteriormente aceder a um convite da Rádio Nacional da Suécia (Sveriges Radio) para, a partir de Outubro de 1961, exercer as funções de produtor-redactor do seu serviço de língua portuguesa – em regime temporário e paralelamente com a minha actividade de correspondente do Diário de Lisboa – fui, pouco tempo depois, abordado pela Direcção dos Serviços de Turismo do SNI no sentido de me ocupar, igualmente, de um estudo de investigação e prospecção “in loco” do mercado turístico nórdico, tendo por objectivo a futura criação de uma delegação promocional permanente. Tarefa que aceitei com irreprimível entusiasmo, devotando-me com integral empenho a uma causa em que plenamente acreditava, cônscio da sua relevância para o meu País. De resto, Jornalismo e Turismo sempre representaram para mim a simbiose perfeita…

Acção de 1965 a 1974 : A abertura do Centro de Turismo na Escandinávia e a “descoberta” do Algarve

Na sequência da minha missão precursora, iniciada em Junho de 1962, como Delegado do Turismo Português para a Suécia – e que, além de prospecção, envolvera já algumas acções pontuais de promoção – fui, em Setembro de 1965, oficialmente solicitado a fundar e a dirigir, a tempo inteiro, o novo Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, sedeado em Estocolmo e inaugurado a 10 do mesmo mês, cuja actividade abrangeu, além do mercado sueco, os dos restantes países nórdicos – Dinamarca, Finlândia, Islândia e Noruega – (com excepção do período 1973-83, em que se não ocupou dos mercados dinamarquês e norueguês). Em Maio de 1972, interrompi a direcção do organismo, devido a ter sido nomeado Conselheiro de Imprensa das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia.

Instalado em piso térreo (loja) de edifício moderno, situado em zona prestigiante, central e muito movimentada da capital sueca, e com cerca de 150 m2, o CTP integrou, em média, além do director, cinco funcionários efectivos (incluindo dois técnicos e um administrativo). No ano da abertura do CTP-Escandinávia, o orçamento (rondando os 2.200 contos) – foi aplicado quase totalmente na instalação, organização e funcionamento dos serviços, com uma reserva muito limitada para actividades adicionais (incluindo produção de material informativo e promocional nos idiomas nórdicos).

FIGURA 1 – Fachada do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia (Estocolomo)

FIGURA 1 – Fachada do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia (Estocolomo)

Em fins de 1967, foi o mesmo local ampliado, com a junção de loja contígua, para permitir também o funcionamento, como Delegação do Fundo de Fomento da Exportação (e com quadro de pessoal próprio) dos primeiros serviços oficiais portugueses de Comércio nos Países Nórdicos – igualmente por mim fundados e, cumulativamente, dirigidos – até Junho de 1972.

Figura 2 – Aspecto do interior do CTP Escandinávia (Estocolmo) decorado com uma tapeçaria de Portalegre do artista João Tavares

Figura 2 – Aspecto do interior do CTP Escandinávia (Estocolmo) decorado com uma tapeçaria de Portalegre do artista João Tavares

Figura 3 – Director do CTP Escandinávia, César Faustino, no seu gabinete de trabalho

Figura 3 – Director do CTP Escandinávia, César Faustino, no seu gabinete de trabalho

A actividade inicial do CTP-Escandinávia baseou-se, genericamente, na execução dos Planos de Acção anuais, por si previamente elaborados e propostos, em consonância com as linhas de orientação superiormente estabelecidas, e após aprovação de Lisboa (Comissariado do Turismo e, depois, Direcção Geral do Turismo) – vigorando sempre, contudo, uma indispensável margem de flexibilidade criativa e pragmática, exigida não só pela permanente evolução conjuntural e comportamental dos mercados emissores da região, como pelas evidentes vantagens do aproveitamento, através de acções espontâneas, das múltiplas oportunidades imprevistas tão próprias do sector.

Relembro que no princípio dos anos 60 e da minha acção prospectiva e de “marketing”, já o mercado turístico nórdico, primordialmente o sueco, se encontrava em franca expansão, destacando-se – pelo seu poder económico-financeiro e a sua vocação natural para estadias prolongadas e não vincadamente sazonais – como um dos mais atractivos para as destinações meridionais e caracterizadamente receptoras (facto comprovado, aliás, pela existência em Estocolmo, na altura, de representações turísticas permanentes de 41 países – sendo Portugal o único europeu ausente).

Embora Portugal suscitasse, então, uma gradual curiosidade, em grande parte derivada do seu estatuto de parceiro da EFTA (Associação Europeia de Comércio Livre), na qual os estados escandinavos exerciam um papel preponderante, o nosso País era, como destinação turística, ainda praticamente desconhecido e muito pouco procurado. A abertura do Centro de Turismo de Portugal na capital sueca possibilitou, obviamente, o ambicionado impulso de captação de um novo e relevante mercado global – a despeito dos obstáculos gerados pelo clima vigente de hostilidade política, devido sobretudo à atacada presença portuguesa em África, activamente fomentado pelos media locais.

Figura 4 – carta de Ingrid Bergman ao então ainda Delegado do Turismo Português na Suécia: “I´m telling all my friends to go to Portugal and we are sure to come back too!!” (Agosto, 1962)

Figura 4 – carta de Ingrid Bergman ao então ainda Delegado do Turismo Português na Suécia: “I´m telling all my friends to go to Portugal and we are sure to come back too!!” (Agosto, 1962)

A intensificação progressiva das relações com o “trade” exportador e da promoção dirigida ao público consumidor em geral proporcionaram, desde logo, resultados altamente promissores face aos nossos objectivos de curto e médio prazo – com o surgimento dos primeiros programas colectivos organizados para Lisboa, Costa do Estoril e Sesimbra, além de um aumento substancial da programação para a Madeira (onde o bloco de turistas nórdicos se tornaria o primeiro mercado externo).

Figura 5 – Campanha promocional em cabinas telefónicas numa Estocolmo coberta de neve (Dezembro de 1964)

Figura 5 – Campanha promocional em cabinas telefónicas numa Estocolmo coberta de neve (Dezembro de 1964)

Acordos de cooperação com os maiores operadores turísticos do mercado produziram frutos de imediato – destacando-se o lançamento do Algarve como um destino ainda virgem e desconhecido de sol e praia, com a realização, em Janeiro de 1966, do primeiro voo “charter” de Estocolmo (ou de qualquer outro ponto do Mundo) para o então primitivo aeroporto de Faro.

Figura 6 – O Algarve recebe, em Janeiro de 1966, o seu primeiro voo “charter” da Escandinávia. Chegada ao aeroporto de Faro do avião da Transair, fretado pela Vingresor, vindo directamente de Estocolmo.

Figura 6 – O Algarve recebe, em Janeiro de 1966, o seu primeiro voo “charter” da Escandinávia. Chegada ao aeroporto de Faro do avião da Transair, fretado pela Vingresor, vindo directamente de Estocolmo.

Da Escandinávia partiram, no Inverno de 1968-69, também as primeiras correntes internacionais de turismo desportivo, com grupos organizados para os campos de golfe algarvios, assim como de equipas de clubes e atletas de alta competição (incluindo selecções nacionais de vários desportos) para estágios de treino e preparação no Algarve, Costa do Estoril e Tróia.

Portugal começava, finalmente, a despontar como uma novidade turística interessante, uma alternativa ponderável de viagem e férias para uma população global de 22 milhões e de elevado nível sócio-económico que – por razões culturais e exigências psico-fisiológicas impostas pelos rigores climatológicos setentrionais – encara a prática activa do turismo como uma imprescindível prioridade de vida.

Gradualmente, o nosso País foi conquistando uma posição competitiva entre as principais destinações do mercado, cujos concorrentes mais destacados – quer pela sua dimensão turística quer pelo volume de visitantes nórdicos) eram, inevitavelmente, Espanha (sobretudo as Canárias e as Baleares), Itália, Grécia, França, Grã-Bretanha, Áustria e Suiça (os dois últimos como centros preferenciais de desportos de Inverno). [continua no próximo post]

César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search