A Econometria

Figura 1 - Exemplos de modelização de dados (Ansion, Les méthodes de prévision en Économie, 1990, p. 92)

Figura 1 – Exemplos de modelização de dados, segundo Guy Ansion na obra  Les méthodes de prévision en Économie, 1990, p. 92. Coleção Biblioteca Celestino Domingos.

Ignorada? Esquecida? Inútil? Envergonhada? Marginalizada?

Os sábios da Ciência Económica dedicavam parte substancial do seu tempo nos gloriosos anos da expansão do fenómeno turístico, ou seja, no terceiro quartel do século passado, a sondar o ambiente virtual e os previsíveis resultados da aplicação de modelos econométricos no estudo prospetivo de projetos macroeconómicos na sensível área do turismo.

A Academia exultava naquela época com a intensificação de estudos, teses, relatórios e trabalhos cuja visibilidade se tornava efemeramente notória e remetia para os decisores políticos, regionais ou locais, a apreciação e avaliação dos projetos cuja dimensão teria supostamente fortes repercussões socioeconómicas.

Falava-se, sobretudo, da elaboração ou criação de um modelo que uma vez aplicado, espelharia as vantagens e/ou benefícios que resultariam da efetiva mise en place dos projetos.

Ora, o que ia acontecendo, por força talvez de notória incapacidade, era uma espécie de espuma ou nevoeiro que colocava no topo das decisões os esquemas verbais, repetidamente gastos, de impacto imediato, conhecido popularmente como ‘valor acrescentado’ ou ‘mais-valias’, linguagem pouco afecta ao enfoque científico e de mais fácil absorção pela generalidade dos cidadãos e da medianamente culta e pouco participativa audição dos eventuais investidores. Foram-se assim esfumando as perspectivas, cuja gestão assentava, parcial e optimisticamente, na presumível utilização de estudos consolidados de econometria que poderiam, uma vez contemplados, mostrar e demonstrar o conjunto de vantagens e benefícios a repartir pelos sectores produtivos da área geográfica destinada à materialização dos investimentos.

Longe de pretender intervir em áreas para as quais lhe falta adequada e razoável preparação, este espaço de liberdade e de opinião serve também, embora não seja esse o propósito, para analisar situações conjunturais e dissertar sobre temas quase remetidos para o arquivo do tempo, muitas vezes submetidos à trituração da novidade criativa, da proposição tecnológica, alegremente aceites e das alterações formais que resultam de manipulação especulativa.

Significa isto que é tão legítimo salientar e felicitar a bondade de soluções como colocar na montra algumas tontearias, havendo sempre quem aprove e concorde ou quem desaprove e desdenhe.

Facto é que a linguagem a que nos vamos habituando, nos chamados meios de comunicação, os literatos comentadores e analistas, supostos historiadores e homens (ou mulheres) de fácil palavreado, versa os generalizados temas da política, da sociedade, da economia, bem como de muitos outros que são apenas factuais sobrepondo, por razões materiais, o divertimento à cultura. Quando ouço referir projetos de relativa importância na área do turismo, vem-me sempre à memória a ideia de que na base da sua execução estarão, ou deveriam estar, estudos e análises prospectivas sobre o efeito multiplicador dos investimentos, na presunção de que tal efeito será tanto mais efetivo quanto maior for a participação das atividades produtivas, locais e regionais, no desenvolvimento e consolidação dos projetos.

Entretanto, vai-se hoje constatando que poucos são os que associam o investimento efetivo a uma forma de irradiação de necessidades de abastecimento e de consumo que, também elas, surgem como resultado complementar e crescem, se expandem ou desenvolvem a partir de um núcleo que as alimenta e, concomitantemente, se torna também um dos seus principais dinamizadores.

Confrontando-se o efeito multiplicador apenas com aspectos de economia regional (produção, distribuição e consumo), marginalizam-se outros igualmente importantes como são os de natureza social. Quando o investimento não consegue estimular o aumento e a melhoria qualitativa na produção de bens locais, deixando que os factores exógenos se apoderem da sua utilização, reduzem-se as perspectivas de progresso, assim como a riqueza, que necessariamente as estruturas locais poderiam gerar.

O modelo econométrico, ao avaliar de forma abrangente todos os factores de natureza endógena, pode dar um impulso contributivo para o desenvolvimento local e nacional, deverá ser um dos meios fundamentais para apoiar a decisão do investimento. O nosso país regista, infelizmente, muitos casos desastrosos em que a imaturidade dos aventureiros, dos sonhadores (valha-nos o optimismo!) e dos especuladores tornou impraticáveis “aliciantes” projetos, baseados numa desenfreada corrida ao oportunismo, à antevisão de lucro imediato e fácil e, muitas vezes, à exploração de incautos, que em projetos aparentemente exequíveis, exauriram os meios financeiros que utilizaram de presumível boa-fé.

Também não são poucos os casos em que o realismo cru e muitas vezes imponderado, acabou por transformar imaginários palácios em barracas de sem-abrigo. E se a verdade é como o azeite, coloquemos o modelo econométrico no topo da garrafa.

Aqui também se pretende homenagear, ainda que a título quase póstumo, vultos da Academia que ao turismo emprestaram todo o seu saber, relembrando Kurt Krapf e Walter Hunziker, ambos fundadores e dinamizadores da Associação Internacional de Peritos Científicos de Turismo, bem como muitos outros: Krippendorf, René Baretje, Fernando Lapa, Villa Fradera, Peradegordi y Ferrero, Jon Sutherland, Nigel Gross, William Stanton, Michael Peters, Medlik, nomes que as memórias do turismo internacional não deixarão esquecer, muitos deles pioneiros também no estudo da sustentabilidade, da massificação e da sociologia turísticas que parecem hoje apetecer aos novos investigadores, não obstante a escassez de literatura especializada até agora produzida.

Todo este arrazoado serve apenas para realçar a bondade de se refletir no que o turismo como fenómeno socioeconómico tem de contribuição para o bem-estar e o progresso da Humanidade. A econometria, como parte efetiva de um projeto, não pode continuar a ser descartada ou marginalizada, sendo que esta observação, sem se levar à letra, não pretende constituir, longe disso, qualquer tipo de referência mal interpretada por quem, apesar de tudo, continua a dela ser servir com proveitos de carácter sócio-regional. E que me perdoem aqueles que, sentindo-se objecto do palavreado, considerem estar eu a meter a minha foice em seara alheia.

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.