António Ferro e a prática turística nacional (2) – A criação das pousadas

Figura 1 – Postal ilustrado, reprodução da capa do livro Pousadas do SNI, com ilustração de Paulo Ferreira (Secretariado Nacional de Informação, 1948), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 1 – Postal ilustrado, reprodução da capa do livro Pousadas do SNI, com ilustração de Paulo Ferreira (Secretariado Nacional de Informação, 1948), editado pela Fundação António Quadros no âmbito da comemoração do Centenário do Turismo Institucional em Portugal. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

A presente publicação é inspirada num postal editado pela Fundação António Quadros – Cultura e Pensamento por ocasião das comemorações do centésimo aniversário da institucionalização do turismo em Portugal, e ilustra uma das áreas do setor turístico em que António Ferro interveio. Assim, a figura que acompanha este texto evoca precisamente a inauguração da primeira pousada em Portugal, no ano de 1942, a Pousada de Santa Luzia, em Elvas.

Já desde o início do século XX se reclamava a existência de unidades de alojamento que, não sendo luxuosas, nem sofisticadas, permitissem aos hóspedes a pernoita em espaços asseados e confortáveis, e que, acima de tudo, fossem exibições da cultura popular do local onde se situavam.

No contexto das comemorações do Duplo Centenário de 1940, coube a António Ferro desencadear o processo que levaria à criação das pousadas em Portugal, unidades de alojamento com inspiração nos paradores espanhóis, concebidos no âmbito do dispositivo turístico de suporte à realização da Exposição Ibero-Americana de Sevilha de 1929. A partir de então, assistira-se a uma crescente pressão exercida pelos profissionais turísticos portugueses junto do Governo para que este procedesse à montagem de uma cadeia de pousadas, o que foi expresso, por exemplo, no I Congresso da União Nacional, em 1934, e no I Congresso Nacional de Turismo, em 1936.

Apesar de ter existido uma pousada na Fortaleza do Portinho da Arrábida por volta de 1932, só em 1939 foram anunciadas oficialmente as cinco primeiras pousadas regionais. Em artigo dedicado à criação destas novas unidades, a revista Rádio Nacional de 8 de setembro de 1940 (pp. 3, 6) referia tratar-se de algo inédito na indústria hoteleira nacional, que refletia o espírito reformador que o país atravessava e representava uma clara experiência de nacionalização aplicada ao setor turístico e hoteleiro.

O decreto-lei n.º 31:259 de 9 de maio de 1941 (Presidência do Conselho) regulou a exploração das pousadas que, após serem construídas pelo Ministério das Obras Públicas, sob a orientação pessoal de Duarte Pacheco, eram entregues ao Secretariado de Propaganda Nacional (SPN) que, por sua vez, delegava a sua concessão a particulares. Em abril de 1942 foi finalmente inaugurada a primeira pousada em Elvas, momento que coincidiu com a apresentação do plano das Pousadas de Turismo. Igualmente por esta altura, considerada por António Ferro como o início de uma nova era da hospitalidade portuguesa (Ferro, 1949, p. 71), o diretor do SPN anunciou os critérios que deveriam pautar todos os estabelecimentos que pretendessem obter a classificação de Pousada de Turismo. Evocando preleções mais antigas sobre este tipo de alojamento e até a Cartilha de hospedagem portuguesa, Ferro destacou a pertinência de se servir uma gastronomia regional, de se utilizar mobiliário português, de se atribuir aos hóspedes um atendimento personalizado, e de as tarifas não serem demasiado elevadas. Além disso, evitar luxos despropositados servia sobretudo para manter Portugal como um destino turístico saudável, espontâneo e campestre, e com um caráter lírico e familiar (vd. ibidem: 48).

As sete primeiras pousadas regionais foram inauguradas entre 1942 e 1948. O investimento económico dedicado a esta obra, numa ocasião de tão sérias restrições financeiras, resultava do entendimento oficial de que se tratava de um impulso valioso para a renovação do turismo interno. Acreditava-se que daí resultariam vantajosas consequências morais para a “Nação”, ao mesmo tempo que se defendia tratar-se de uma aposta proactiva que permitiria lidar com a euforia que chegaria a Portugal depois da guerra (vd. ibidem: 66, 76, 86, 92):

Podemos, com certeza, aproveitar o tempo fazendo obras no teatro, preparando-o para as inevitáveis representações que nele terão de se realizar após a guerra. Não é no próprio dia do espectáculo que se pintam as paredes, os cenários, que se forram ou consertam as cadeiras, que se instalam e experimentam as luzes (ibidem: 77).

Anos depois, já na década de Cinquenta, o Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo reclassificou as trinta e duas pousadas então existentes em cinco grupos, a saber, pousadas de estrada, pousadas de fronteira, pousadas de monumentos, pousadas de interesse especial, e pousadas de estímulo.

Independentemente das motivações ideológicas para a grande aposta feita na construção destas unidades de alojamento tão específicas, certo é que, passadas tantas décadas, o conceito de “pousada” continua ainda a ser usado pela hotelaria e pelo turismo portugueses do século XXI, apesar de se ter afastado muito daquilo que foi idealizado na década de Trinta. Contudo, a marca criada por António Ferro permanece e insiste em atrair viajantes contemporâneos e em motivar roteiros turísticos.

 

Obras Citadas

Rádio Nacional (8 set. 1940). Ano IV, Nº 173 , pp. 3,6.

Ferro, A. (1949). Turismo, fonte de riqueza e de poesia. Lisboa: S.N.I.

Decreto-lei 31:259. Diário do Governo, I Série Nº 106 (9 de maio de 1941). Consultado em 2 de junho de 2014:http://dre.pt/pdf1sdip/1941/05/10600/04110411.pdf

Secretariado Nacional de Informação. (1948). Pousadas do S.N.I. Lisboa: S.N.I.

 


Cândida Cadavez

Mestre em Estudos Anglísticos - Especialidade de Cultura Inglesa com a dissertação Um Quarto com Vista sobre o Mundo: Globalização, Turismo e Cultura; e Doutora em Estudos de Literatura e de Cultura – Especialidade de Ciências da Cultura com a tese "A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940". As suas principais áreas de investigação incluem história do turismo, representações turísticas e das nações em regimes totalitários, e cultura popular. É docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril desde 2001 e Investigadora Integrada no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da FCH-UCP.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *