Fausto de Figueiredo: contra ventos, marés e marasmos

Figura 2 - Estátua do fundador da estância, no Parque Estoril, 2014 (Fotografia da autora).

Figura 2 – Estátua do fundador da estância, no Parque Estoril, 2014. Fotografia da autora.

Quis a fortuna que 2014 conjugasse efemérides como os 650 anos do concelho de Cascais, os 100 anos do Projeto Turístico do Estoril, os 75 anos do Grupo Desportivo Estoril Praia e os 23 anos da ESHTE. Queira o Universo que a nossa tese de doutoramento (Anjos, 2012) nos faculte a honra de acrescentar uma nota de rodapé ao trabalho científico produzido em Portugal sobre o turismo, a memória local cascalense, os anos 30 e intervenientes inolvidáveis como o carismático Fausto Cardoso de Figueiredo.

Nascido a 17 de Setembro de 1880, nas entranhas telúricas do Portugal profundo, cedo este beirão de poucas palavras rumou à capital, laborando numa farmácia da Baixa. Em 1910 desposou uma filha do capitalista José Ferreira do Amaral, logo acedendo a um palco social que lhe facultou contactos de monta. Em 1950 faleceria na casa do Pinhal Manso, virada ao vale que amava, com a vetusta idade de 70 anos.

Figura 1 – Capa da publicação Estoril: Estação Marítima, Climaterica, Thermal e Sportiva. Lisboa: A Editora Lda, 1914. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

 Há poucos dias, a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), em parceria com a autarquia de Cascais, celebrou o 1º centenário do projeto Estoril – Estação Marítima, Climaterica, Thermal e Sportiva (1914). A Pedro Falcão (2005, p. 108) devemos a descrição da pesada atividade diária que implicou no eixo Estoril-Cascais, “no Estoril e no Monte, não havia pedra, mas em Cascais havia por todos os lados. Toda a gente carregava pedra para o Fausto. A estrada entre Cascais e o Estoril era um corrupio de bois para lá e para cá.”

Em finais da década de 30, provada a eficácia do plano faustino e a elegância do resort que deliciava a elite mundial coeva, Salazar de Sousa (1937, p.4), presidente do Auto Club Médico Português, dava a mão à palmatória, pois “(…) lembrou que, há bastantes anos, fora convidado pelo sr. Fausto de Figueiredo, para conjuntamente com o sr. dr. Ravara e outros médicos o ouvirem sobre um seu projecto acerca do Estoril, circunscrito, neste caso, à Quinta do Vianinha… [e todos] ficaram com a impressão de que aquilo era uma utopia, ou melhor uma doidice.”

No ocaso da década, diversas vozes elogiariam o pioneirismo da estância Estoril e a conversão camaleónica efetivada ao longo de um pinhal sito num município de feição rural com graves e distintas deficiências estruturais. Citamos um periódico da época (1939):

“Portugal sem a vida dos modernos Estoris, sem a sua «Costa do Sol», seria hoje muito menos conhecido no estrangeiro. Sem a vida cosmopolita dos Estoris, o nosso país seria qualquer coisa a menos… o velho Portugal continuaria com o seu relógio bastante atrazado da hora marcada nos moderníssimos cronómetros da Europa”.

À semelhança de Sherlock Holmes, cuja fama ofusca ainda o nome de Sir Arthur Conan Doyle, também o termo Estoril suplantou o criador e continua a servir de referência para designar eventos promocionais de qualidade, permanecendo, qual sentinela atenta à insanidade contemporânea, a discreta estátua de Fausto Figueiredo a contemplar a eternidade.

No dia 29 de março de 2010, numa amena conversa com o agora saudoso Alfredo Santos, outrora diretor financeiro da Sociedade Estoril, ele descrevia-nos o homem, hoje mito, de forma realista, embora plena de admiração, começando por referir que “tinha um feitio tramado!” Os vultos progressistas costumam tê-lo e por isso marcam pela diferença, deixando na areia do tempo pegadas próprias que nem o vento da distância, nem a ignorância dos vindouros apagará: porque lutam, voluntariosamente, contra ventos, marés e marasmos impostos.

Terminamos como começámos a nossa tese (Anjos, 2013), com a dedicatória que Augusto de Castro (Castro, 2010, p. 8)  lhe votou em 1951, exaltando a Alma do Estoril: “Meu velho Fausto, nós só somos imortais pelo que amamos na vida! A imortalidade começa onde um grande sonho acaba.”

 

Obras Citadas

Anjos, M. C. (2012). O turismo no eixo costeiro Estoril-Cascais (1929-1939): equipamentos, eventos e promoção do destino. Lisboa: policopiado. Disponível online em: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/8638

Estoril: estação maritima, climaterica, thermal e sportiva. (1914). Lisboa: Typ. A Editora.

Falcão, P. (2005). Cascais Menino (2ª ed.). Cascais: Câmara Municipal.

O Estoril. (18 de Julho, 1937, p. 4)

Turismo: Revista de Hotéis, Viagens e Actualidades(Out-Dez, 1939).


Cristina Carvalho

Licenciada em Informação Turística (Guias-intérpretes Nacionais) pela ESHTE e mestre em Estudos Ingleses. Apresentou o seu doutoramento em 2013 com a tese O Turismo no Eixo Costeiro Estoril-Cascais (1929-1939): Equipamentos, Eventos e Promoção do Destino; equiparada a Professora-Adjunta da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), é também investigadora do Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, tendo diversos artigos publicados a nível nacional e internacional.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *