Os 100 anos do Projecto Estoril: impressões de viagem

A 20 de maio de 1914, Fausto Figueiredo selou o destino do pinhal que dominava o Vale de Santo António ao oficializar o projecto Estoril – Estação Marítima, Climaterica, Thermal e Sportiva, nele definindo a estância de cariz internacional e cosmopolita que visava erigir. Cem anos volvidos, a efeméride pareceu-nos ideal para ser recordada durante a nossa semana académica, no âmbito da tríplice celebração cujos vértices se completavam com os 23 anos da ESHTE e os 650 do município de Cascais. Aprovada pelo nosso presidente, da ideia à ação voaram as semanas…

Figura 1 - Programa do seminário Os 100 anos do Projecto Estoril: 1914-2014, 15 de Maio de 2014, que decorreu na Sala Estoril da ESHTE

Figura 1 – Programa do seminário

A manhã de 15 de maio de 2014 foi abrilhantada pelo sol do Tamariz na homenagem prestada à estátua do fundador do resort, sita no Parque Estoril, através da deposição de flores pelas entidades parceiras referidas. O momento foi dignificado pela presença do edil,  Dr. Carlos Carreiras, do presidente da Escola Superior de Hotelaria e Turismo (ESHTE), Doutor Raul Filipe, e do vice-presidente da mesma, Doutor Carlos Brandão, além de um grupo especial composto por descendentes e admiradores do altaneiro Fausto que, no pedestal, reluzia na eternidade. Pareceu-me que sorria…

Após o almoço, decorreu no campus escolar, um seminário com a presença de diversos oradores, respeitando-se a diacronia do evento e aflorando-se temas distintos quanto à perceção da estância edificada e promovida.

Iniciados os trabalhos pelo presidente da autarquia, no primeiro painel pontuaram as prestações de João Miguel Henriques sobre a génese da prática turística na autarquia, de João Aníbal Henriques sobre o sonho faustino e a sua carismática execução, de Cândida Cadavez sobre a presença e influência de António Ferro na Costa do Sol, e da autora que fechou o ciclo com a recordação das motivações e os lazeres do mercado britânico na década de 1930.

Após breve coffee break, o evento científico prosseguiu com o segundo painel, em que Cristina Pacheco recordou o glamour da neutralidade durante o negrume da Segunda Guerra Mundial. Seguiu-se-lhe Susana Gonçalves com a análise pictórica e política de cartazes turísticos dos anos 50 (Portugal versus Estoril/Costa do Sol), terminando Manuel Ai Quintas com uma bem-disposta resenha sobre as últimas cinco décadas e as transformações operadas no mundo, no país e no destino Estoril.

Coube ao presidente da ESHTE, Professor Raul Filipe, encerrar os trabalhos, convidando os presentes a provar o Cocktail Estoril 2014/Fausto Figueiredo, enquanto a Tunística exibia os seus dotes musicais, não podendo faltar no reportório a Balada do Estudante. De referir também que os dois espaços utilizados para o evento foram decorados com imagens recolhidas no acervo do Arquivo Histórico de Cascais, da Biblioteca Celestino Domingues (ESHTE) e da coleção pessoal da autora.

Tivemos a honra de contar com a presença do generoso benemérito, o Sr. Celestino Domingues, que tantas peças tem gentilmente depositado ao nosso cuidado e, neste evento, ajudaram a enquadrar a homenagem devida.

Foi com muito gosto que acolhemos também inúmeros representantes de entidades turísticas, hoteleiras e culturais concelhias e vizinhas, além de familiares, tanto de Fausto Figueiredo, como de António Ferro (no último caso através da presença de embaixadores da Fundação António Quadros), esperando ter sido esta a primeira de futuras iniciativas similares em prol do turismo e da memória local. O evento foi coordenado, implementado e moderado pelo Doutor João Miguel Henriques (chefe da divisão de Arquivos da Câmara Municipal de Cascais) e pela autora deste post (docente de Línguas Estrangeiras da ESHTE), cujas teses de doutoramento versam a História do Turismo em Cascais (Anjos, 2013; Henriques, 2011).

Terminamos com um voto ao futuro: que, em 2114, as atas (a publicar) desta singela homenagem permitam que a sua menção seja referenciada com bonomia aquando do segundo centenário da visão do voluntarioso homem de bronze, cujos restos mortais repousam no cemitério do Estoril, mas cujo espírito vagueia, em incessante topofilia, entre o Alto do Picoto, o Parque e o Tamariz.

Obras Citadas

Anjos, M. C. (2013). O turismo no eixo costeiro Estoril-Cascais (1929-1939): equipamentos, eventos e promoção do destino (Tese de doutoramento, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa). Disponível online em: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/8638

Henriques, J. M. (2011). Da Riviera Portuguesa à Costa do Sol [Cascais, 1850-1930]. Cascais: Câmara Municipal Cascais, Edições Colibri.

 

 


Cristina Carvalho

Licenciada em Informação Turística (Guias-intérpretes Nacionais) pela ESHTE e mestre em Estudos Ingleses. Apresentou o seu doutoramento em 2013 com a tese O Turismo no Eixo Costeiro Estoril-Cascais (1929-1939): Equipamentos, Eventos e Promoção do Destino; equiparada a Professora-Adjunta da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), é também investigadora do Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, tendo diversos artigos publicados a nível nacional e internacional.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *