Mapas turísticos: espaço geográfico, representações cartográficas e práticas identitárias

Neste post damos início a uma nova série que poderá vir a constituir-se como um ‘catálogo’ da memória da cartografia turística. Iremos reunir e apresentar um conjunto de representações cartográficas utilizadas de per si ou incorporadas em materiais de divulgação promocional de destinos turísticos tais como desdobráveis, panfletos, periódicos, cartazes ou postais.

Figura 1 - Capa do livro Mapping Tourism

Figura 1 – Capa do livro Mapping Tourism, Hanna, S.P. & (eds.), V.J. (2003) / Minneapolis & London: University of Minnesota Press. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Centrada na coleção da Biblioteca Celestino Domingues, a série Cartografias Turísticas pretende que os leitores tenham acesso a uma antecâmara do nosso acervo bem como demostrar em que medida as peças que aqui se reproduzem vão além da sua função de divulgação de conteúdo informativo acerca do destino turístico ao difundirem igualmente (quando não maioritariamente) a representação de um discurso imagético paralelo mais abrangente acerca dos destinos publicitados, com distintas leituras e abordagens.

A este propósito McCleary (2009, p. 1) sugere as oportunidades e desafios que se apresentam na procura de análise e interpretação deste tipo de manifestações da cultura visual ao referir que,

Tourist mapping is probably the most complex area in which to work with the concepts and processes of cartography. Any specific tourist situation involves, ultimately, more than a single graphic display and, in the network of displays dramatizing a particular tourist site or situation, there are a plethora of issues to be accommodated. For each map there are text issues as well as subtext and context considerations. There has been considerable discussion of the relationships between text and context in cartography. Subtext, however, as it is employed in literature, theatre, political rhetoric, and many other areas, appears to have been overlooked in cartographic design.

Há muito que a cartografia e o turismo andam de mãos dadas e é vulgarmente apelidada de Cartografia Turística. A produção cartográfica associada à promoção dos destinos turísticos tem vindo a responder a diversos tipos de necessidades dos turistas, mas também dos cada vez mais diversos produtores de mapas temáticos (entidades privadas e organismos públicos e privados; de âmbito nacional, regional e local) e, mais recentemente, do crescente número de aplicações que visam georreferenciar os recursos de atração turísticas, nomeadamente através de aplicações em formato de guias de turismo para smartphones.

Figura 2

 Figura 2 – Capa do livro The language of tourism: a sociolinguistic perspective, Graham M.S. Dann / Oxon: CAB International. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

A relação ente turistas e mapas turísticos parece, desde logo, evidente: os turistas necessitam de mapas para encontrar locais, para medir distâncias, conhecer a rede de transportes, localizar os sítios, monumentos e eventos que pretendem experienciar. Contudo, antes de serem lidos pelos turistas, os mapas turísticos são produzidos e é nessa altura que se constroem espaços e identidades, constituindo mais um elemento do discurso propagandístico preparado pelos responsáveis e autoridades competentes (Poutet, 1995; Aurindo, 2006). Neste contexto importa compreender que quem concebe os mapas faz sempre uma reprodução seletiva dos elementos a exibir e escolhe a sua forma de representação. Os elementos não reproduzidos (omitidos ou simplesmente não selecionados) são igualmente significantes.

O estudo da produção e utilização dos mapas em turismo parece ter sido ainda pouco explorado pelos investigadores das diversas ciências mas são já conhecidas importantes reflexões sobre a sua utilização enquanto meio de controle social (Jafari, 2000, p. 372; Dann, 1996, p. 3), como forma de produção de espaços turísticos e concomitantes práticas identitárias e como artefatos culturais que permitem uma abordagem teórica e metodológica interdisciplinar  (Hanna & (eds.), 2003, pp. xi-xii).

Nesta série procuraremos apresentar estas peças, sempre que possível de forma organizada e classificada por coleção, por tema, por tipo de suporte ou produtor (autor, editor, ilustrador,…). O acervo da Biblioteca Celestino Domingues é um conjunto dinâmico que quotidianamente é objeto i) de doações que aumentam a sua dimensão, ii) alvo de uma reflexão quotidiana sobre os conteúdos de cada obra à medida que estas vão sendo trabalhadas e exploradas mais detalhadamente no contexto do projeto MUVITUR (Museu Virtual do Turismo) ou de projetos individuais e/ou coletivos de investigação. Assim, esta série constituirá ela própria um corpus em permanente transformação cuja selecção será feita em função de vários fatores (interesse histórico-cultural das peças, relevância dos produtores; estado de conservação, etc.), mas resulta, em primeiro lugar, da vontade de dar a conhecer ao público o acervo da biblioteca da ESHTE bem como o trabalho diário desenvolvido pelos profissionais da biblioteca para o seu tratamento documental, conservação, análise, interpretação e divulgação.

Figura 3- Postal ilustrado dos Alpes marítimos / Paris: Blondel la Rougery, 1945. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 3- Postal ilustrado dos Alpes marítimos / Paris: Blondel la Rougery, 1945. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Os mapas que aqui procuraremos revisitar são, pela sua natureza iconográfica e pictórica, objetos de relevância geográfica mas igualmente social, cultural e política, uma vez que parecem desempenhar uma função mais abrangente, que não o mero objetivo de cartografar a realidade presente no espaço promovido, sem reflexo nas representações do espaço que estes pretendem promover. Estes são produtos da perceção1 que possibilitam que quem os observa possa fazer a sua própria leitura e interpretação, ora parte integrante ora produto resultante de um discurso social que consequentemente visa o uso do poder. Esta inscrição cultural, social e política é apontada pelos produtores cartográficos, que por sua vez refletem, de forma sugestiva ou simbólica, discursos e instituições dominantes, através dos conteúdos representados e latentes.

Obras Citadas

Aurindo, M. J. (2006). Portugal em Cartaz: representações do destino turístico (1911-1986). Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

Dann, G. M. (1996). The language of tourism: a sociolinguistic perspective. Oxon: CAB International.

Hanna, S. P., & (eds.), V. J. (2003). Mapping Tourism. Minneapolis & London: University of Minnesota Press.

Jafari, J. (2000). The encyclopedia of tourism. London & New York: Routledge.

McCleary, G. F. (15-21 de Novembro de 2009). Confronting the tourist map: Divergent purposes and disparate. Obtido em 15 de Fevereiro de 2014, de Proceedings of the 24th International Cartographic Conference: http://icaci.org/files/documents/ICC_proceedings/ICC2009/html/nonref/23_3.pdf

Paul Cloke, P. C. (2009). Image – Reality. Em Introducting human geographies (pp. 78-90). London: Hodder Arnorld.

Poutet, H. (1995). Images touristiques de l’Espagne : de la propagande politique à la promotion touristique. Paris: L’Harmattan.

  1. “Perception: the process through which people form mental images of the world. Often assumed to be both one-directional (from the world to us) and biological (neurologically controlled), many academic studies have emphasized the role of cultural filters or frames in altering how we form pictures of the world.” (Cloke, 2009, p. 79). []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *