O Carnaval do Estoril: cartaz internacional de turismo

Nos anos 50, procurando contornar os impactos do pós-guerra, Portugal envidava esforços para reconquistar os mercados externos procurando, paralelamente ao esforço de promoção com cariz identitário, relançar destinos como o Estoril, que já beneficiavam de reconhecimento internacional ao estarem contemplados numa lista de estâncias de veraneio a que as classes sociais mais abastadas reconheciam um estatuto diferenciado económico e sociocultural.
Em 1958, o empresário Teodoro dos Santos ganha a concessão de jogo que fora da Estoril Plage de Fausto de Figueiredo e nasce a Sociedade Estoril Sol. Um dos primeiros eventos realizados no ano seguinte que marcou de forma indelével as manifestações culturais do concelho foi o Carnaval do Estoril. Encontramos o cartaz que promove o famoso Carnaval do Estoril do ano de 1959 (Figura 1) no conjunto de documentos, que ultrapassa atualmente os 7000 itens, generosamente oferecidos à Biblioteca da ESHTE pelo seu patrono, Celestino Domingues. 
FIGURA 1 - Carnaval no Estoril, 1959. Cartaz (49x33 cm) da autoria do ilustrador Oskar.

FIGURA 1 – Carnaval no Estoril, 1959. Cartaz (49×33 cm) da autoria do ilustrador Oskar. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Este cartaz tal como muitas outras publicações na área do turismo nas décadas de 50 e 60 é da autoria de Oskar (Óscar Pinto Lobo, Goa 1913-Lisboa 1995), arquiteto, designer e ilustrador. Uma das suas marcas como elemento figurativo central da propaganda turística é o sol. Desempenhou também funções de consultor da Junta de Turismo da Costa do Sol e de director gráfico do SNI.

Parecendo procurar competir com o conhecido carnaval da Riviera Francesa (e aparentemente nela inspirado), a comissão organizadora não parece ter poupado esforços na sua preparação, como descrito e ilustrado na extensa reportagem publicada na Revista Turismo (1959, pp. 61-76).
O colorido e animado espectáculo durou três dias e, “circundando o Parque, entre o terraço do Casino, ao topo da colina suave do Estoril, e a ligação dos dois planos de arcadas ao nível da estrada marginal, os festejos carnavalescos iniciaram-se Sábado Gordo, por um Corso que reinventou e reagrupou carros executados por artistas italianos de Viareggio, espanhóis das Fallas de Valência, portugueses retomando a tradição dos corsos da Avenida e o próprio Salvador Dali, com uma girafa de fantasia dominada pelo fogo… (…) Eram 26 carros de ornamentação alegre e articulação complicada, escoltados por criados com insígnias ao Sol, campinos, charameleiros, escudeiros, músicos de banda, cabeçudos, bonecos, caraças, bandos e grupos folclóricos.” (1959, p. 63)
Carro alegórico transportando o Rei do Carnaval de 1959, Maurice Chevallier. Publicado na “Revista Turismo (Jan./ Março), 1959, p. 61. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Carro alegórico transportando o Rei do Carnaval de 1959, Maurice Chevallier. Publicado na “Revista Turismo (Jan./ Março), 1959, p. 61. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Com Maurice Chevallier como Rei do Carnaval de 1959 (Figura 2), apresenta uma programação que nada parece ter ficado a dever às festividades apresentadas por outros corsos carnavalescos de renome, antes pelo contrário. As manifestações festivas sucediam-se dia e noite: o desfile de carros, o Baile de Gala, a batalha de flores e confetti, o Baile de máscaras de invocação histórica, o Baile trapalhão ou ainda o Baile Cor-de-Rosa…” (1959, p. 65). Que animação! 

Pormenor do carro de “Miss Universo” no desfile carnavalesco. Publicado na “Revista Turismo (Jan./ Março), 1959, p. 62. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Pormenor do carro de “Miss Universo” no desfile carnavalesco. Publicado na “Revista Turismo (Jan./ Março), 1959, p. 62. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Os festejos carnavalescos continuam a ser em alguns países, verdadeiras bandeiras turísticas. Recordemos o Rio de Janeiro ou Veneza. O Carnaval do Estoril obteve uma projeção internacional notável, procurando desde logo afirmar-se como mais um slogan atrativo a associar a este destino turístico. Contudo, este esplendor quedou-se ainda no século passado. A aposta turística tomou outro rumo mas o Rei dos cartazes continua a ser o nosso Sol.

 
Obras Citadas
Aurindo, M. J. (2006). Portugal em Cartaz: representações do destino turístico (1911-1986). Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.
O Carnaval do Estoril: grande cartaz internacional de turismo. (Janeiro-Março de 1959). Revista Turismo, pp. 61-76.

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Dulce diz:

    Boa tarde
    É uma pena o carnaval do Estoril ter-se perdido…. lembro-me de ver o desfile quando era muida …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *