O Fado na promoção turística dos anos 80

A inauguração do Museu do Fado1 em Setembro de 1998 e a recente integração do Fado na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade2, parecem culminar o processo de reconhecimento do “valor patrimonial e artístico, do fado que, desde a década de 50, muito tem contribuído para a divulgação dos atrativos do país e sobretudo da cidade de Lisboa.” (Domingues, no prelo).

De acordo com Jafari, desde cedo a música está inerentemente relacionada com o turismo, enquanto atração, recurso complementar de atração, ou portadora de significados e motivação para viajar (2000, p. 402).

Figura 1 Single

Figura 1 – Cartaz 100×63 cm editado pelo SNI em 1963. In (Aurindo, Portugal em Cartaz: representações do destino turístico (1911-1986), 2006, p. 182)

A associação de iconografia musical a destinos turísticos é visível em numerosos suportes promocionais turísticos, como cartazes e panfletos, demonstrando o contributo da «arte dos sons», ora para a criação de uma mercadoria musical, ora para a afirmação de uma ideologia do poder.” O papel que a música tem desempenhado na promoção turística no caso português é evidente, particularmente nos casos em que  “o folclore, e também o fado, surgem enquanto dois grandes aliados na comunicação de valores e na projecção  de costumes e tradições do Portugal que Salazar preconizava” (Aurindo, 2010, p. 1295) – Figura 1.

Neste post apresentamos mais um interessante documento para a história do turismo em Portugal que faz parte do acervo da Biblioteca Celestino Domingues – Figura 2. Trata-se do single intitulado 50th Anniversary Souvenir (1931-1981) editado pelo Portuguese National Tourist Office de Londres – interpretações de «Abril em Portugal», e «Coimbra», por Louis Armstrong e Amália Rodrigues, respetivamente.

Figura 2 Single Figura 3 Single
50th Anniversary Souvenir (1931-1981) / Amália Rodrigues e Louis Armstrong. Londres: Spotlight Records, 1981. 1 disco : analóg., 45 rpm : mono; 17 cm. Coleção Biblioteca Celestino Domingues
 Lado A: April in Portugal / Louis Armstrong e a sua orquestra Lado B: Coimbra / Amália e Don Byas

Este disco foi oferecido à Biblioteca pelo Dr. Jorge Felner da Costa que connosco partilhou um pouco da sua história de profissional do turismo quando diretor da Casa de Portugal em Londres. Conta-nos o Dr. Felner da Costa:

O disco foi editado com uma tiragem de 1.000 exemplares, para uma importante cerimónia de celebração do 50º aniversário da Casa de Portugal em Londres, quando eu lá me encontrava como diretor.
Tinha descoberto, durante a minha estadia em Estocolmo, então no Centro de Turismo de Portugal na Suécia, durante um jantar em casa dum velho jornalista, Günnar Hungar, do diário Svenska Dagbladat e grande amigo do nosso País, um disco “Long Play” do célebre e famoso intérprete de blues e jazz Louis Armstrong, que incluía, numa extraordinária e muito interessante versão própria, o conhecido fado “Coimbra”, mas cantado e acompanhado à trompeta pelo próprio Louis Armstrong, com letra arranjada por si e Jimmy Kennedy com o título “April in Portugal”. Achei muito estranho esta versão não ser conhecida em Portugal, e tive a ideia de a reeditar então mais tarde, com autorização dos herdeiros dos direitos do autor, e conseguir a gravação, para o outro lado do single, do fado Coimbra, composto por Raul Ferrão e letra de José Maria Galhardo, cantado pela nossa diva Amália Rodrigues, com os direitos devidamente tratados através da casa Valentim de Carvalho.
Os discos foram distribuídos aos mais de 500 convidados, durante um animado jantar no famoso restaurante Café Royal, perto de Piccadilly, a que assistiram o Secretário de Estado do Turismo Dr. Nandim de Carvalho, o Diretor Geral do Turismo Dr. Cristiano de Freitas, o Embaixador e o Cônsul Geral de Portugal, todos os maiores operadores turísticos britânicos e alguns representantes da indústria turística portuguesa.
Os restantes 500 exemplares foram sendo distribuídos em várias festas e promoções de Portugal no Reino Unido. A decisão desta iniciativa foi atrair as atenções para o nosso País, em 1981, ainda em recuperação da drástica quebra do movimento turístico para os nossos destinos. Foi considerada nesse ano a maior festa de turismo organizada por um organismo estrangeiro, e recebeu excelentes reconhecimentos na imprensa turística daquele mercado prioritário, ultrapassando os objetivos que nos propusemos.
A imprensa nacional cobriu igualmente o evento, que serviu para entrega de quatro medalhas de Mérito Turístico: à ABTA – Association of British Travel Agents, na pessoa do seu presidente Eric Sunderland, ao TOSG – Tour Operators Study Group, na pessoa do seu presidente Martin Brackenbury e ao presidente do maior TO para Portugal na altura, Harry Chandler presidente do Travel Club of Upminster, que descobrira o Algarve para os ingleses.

São as estórias da história do turismo que nos permitem melhor compreender décadas de trabalho de tantos profissionais que se dedicaram, por vezes à árdua tarefa, de dar a conhecer o destino Portugal além-fronteiras.

  1. Para mais informações consulte: http://www.museudofado.pt/ []
  2. Para mais informações consulte: http://www.unesco.org/culture/ich/RL/00563 []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *