Cruzeiros (8), hóspede, passageiro e passante

Não parece provável deixar de manifestar algum ceticismo acerca do êxito que possa ter, num mercado tão escasso como o nosso, o esforço distributivo de tanto e tão pesado papel para conquistar clientes que deixem na caixa das agências substancial proveito.

Se o armador pouco perde porque cobra o seu material circulante, melhor dizendo, flutuante, na sua função, já o operador afoito corre riscos de produtividade e rendibilidade se o ‘break-point’ não for superado e o retalhista só lucra se vender.

Mas, como em todos os negócios, a oferta e a procura, tratando-se de um amplo mercado internacional, encontram normalmente situações de equilíbrio onde muito pesa a autorregulação e a imprescindível proteção de interesses comuns.

A aptidão para se desenvolver uma reflexão de carácter sociológico que possa repercutir as motivações e comportamentos do cliente de cruzeiros, só deve atribuir-se àqueles que, explorando na academia os muitos estudos de carácter científico, são suficientemente sagazes para os analisar, dissecar e sobre eles fazer a necessária extrapolação.

Versão colorida a partir de um original p&b. Ginásio da primeira classe do navio Titanic.

De facto, o cliente de um cruzeiro não é um passageiro, na definição clássica do termo, porque não viaja de um ponto de origem para um destino especificado. Não é um viajante, porque na definição também clássica do termo, se instala numa espécie de hotel flutuante onde, à sua volta, encontra tudo ou quase tudo o que lhe faz falta, desde o médico ao sacerdote, do palestrante à pedóloga; não é um turista porque, o conceito há muito expresso pelos cientistas da área, já o definiam, no Dicionário da Academia Internacional de Turismo, sediada em Monte Carlo, porque turista é aquele(a) que se desloca do seu local de residência por um período superior a 24 horas, para outro local eventualmente afastado, com motivações de cultura, lazer, religião ou outras não relacionadas com atividades profissionais ou de saúde, ou ainda familiares. (Academie Internationale du Tourisme, 1961).

O cliente do cruzeiro, quando a bordo, é um hóspede e, quando em terra, um passante, designação esta que se dá nos conceitos de hotelaria e da restauração, a uma pessoa que está de passagem e não permanece no local onde pernoita ou se alimenta. E também não é um excursionista.

É assim uma espécie de cliente, passageiro, turista ou hóspede híbrido para o qual os filólogos terão alguma dificuldade em classificar. Já Ramalho Ortigão (As praias de Portugal, 1943) na  sua venerável e versátil cultura linguística criara o termo ‘vilegiaturista’ para significar aquele que acrescia ao turista, indivíduo que efetua um circuito, os momentos ou dias de repouso e tranquilidade que lhe permitiam gozar os deleites da natureza e o património histórico da região visitada.

Temos assim que procurar diferenciar o cliente dos cruzeiros (que pode até ser um inveterado Don Juan ou Casanova ou ainda um doentio ser humano viciado em jogos de casino) do turista clássico que conta para as estatísticas oficiais como sendo aquele que, instalando-se temporariamente em local afastado da sua residência, ali desembolsa o metal (aforismo em desuso) destinado a satisfazer as suas necessidades básicas e as que, não o sendo, lhe conferem prazer.

Um conhecido cronista americano publicou em recente livro as impressões recolhidas de uma experiência que lhe fora encomendada por um armador que opera, entre outros, 20 cruzeiros na área das Caraíbas.

A curiosidade reside no facto de David Foster Wallace (2013) ter sido convidado a descrever a desejada e agradável experiência de viver, e conviver, a bordo de um confortável, seguro e versátil navio, o tempo hebdomadário de uma viagem que poderia constituir forte impulso de mediático estímulo ao mercado.

A narrativa elaborada pelo cronista, ao contrário do que poderia eventualmente prever-se, mostra quanto desconforto sentem os cruzeiristas que, em ampla quantidade e delimitado espaço, pacientemente aguardam a sua vez, em compridas filas, para passageiramente frequentar o wc das zonas públicas, ou idêntico purgatório para chegar à mesa na hora do almoço ou do jantar.

De lá veio o cronista, como no final do livro confessa, mais amargurado e deprimido porquanto e pelo menos para ele, não suplantam o prazer do vogar em macias e calmas ondas, os incómodos de tão indisciplinados momentos. [continua no próximo post]

Obras Citadas

Academie Internationale du Tourisme. (1961). Dictionnaire touristique internationale. Monte Carlo: Academie Internationale du Tourisme.

Ortigão, R. (1943). As praias de Portugal. Lisboa: Livraria Clássica Editora.

Wallace, D. F. (2013). Uma coisa suportamente divertida que nunca mais vou fazer. Lisboa: Quetzal.


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *