Cruzeiros (7), cruzeiros em papel

Não me cabendo tarefa de desmancha-prazeres nem de empedernido incrédulo, destrutivo ou pessimista (sou cristão de nascença e por convicção e não mergulho em estados de alma), também não alinho nos ismos expressos nas últimas sílabas dos conceitos que muitos defendem.

Mas pensar que o futuro é só amanhã é também uma forma política de navegação costeira. E pensar no que poderá vir a seguir é exercício de excêntricos. Há mil anos havia barcos a vento (força da Natureza, e a remos (força de gente livre ou escrava). Hoje há circuitos fechados, naves espaciais, imagens de mundos desconhecidos porque ainda não descobertos.

O navio de cruzeiro Grand Celebration fez a sua primeira escala em Lisboa no dia 12 de novembro de 2013, no âmbito de uma viagem transatlântica com partida em Valência rumo a Buenos Aires.

Entro nas instalações de uma pequena agência e viagens, espécie de ‘bucket-shop’ com vitrina e expositores e deles recolho catálogos de cruzeiros. São apenas seis.

Distribuídos em doses industriais pelos operadores ou seus representantes, com aspeto gráfico e policromático tratamento de imagens apelativas, faço um exercício de cálculo sobre o que pode representar em custos reais a produção deste papel, cujo destino final vai ser, salvo eventuais e raríssimas exceções, a máquina de reciclagem. Debruçado sobre o volumoso e atrativo texto, verifico que um operador oferece para o ano de 2013, cruzeiros pelo mundo inteiro, numa edição em língua portuguesa, com 304 páginas, repletas de atraentes descrições, fotografias, diagramas, informação pertinente, designada por “Condições gerais” em minúsculas letras de imprensa que só com lupa parecem legíveis.

Cada exemplar, impresso em papel de 80/90 gr. pesa 830 gramas e cada pequeno balcão recebe do distribuidor entre 20 e 50 unidades. Para distribuir, gratuita e generosamente, a quem se cruzar com o expositor.

Cada número é um mundo de diversificada oferta que atinge largas centenas de produtos (logismo que aplicamos com o sentido de programas) que podem entrecruzar-se, de tal forma que a soma de duas, três ou mais opções, pode transformar-se num único e longo cruzeiro, tal a variedade de probabilidades de escolha. E os preços são tão diversificados e atrativos que começam num valor de 109 euros que só dificilmente se consegue entender como possível e por pessoa, no Mar Vermelho, durante sete dias, em comparação com os 49.359 euros também aplicáveis ao cruzeiro de 118 dias, com o título de “Especial Volta ao Mundo Sul”.

Mutatis mutandis, é quase a diferença que existe entre o tremoço e o caviar ou o copo de vinho a martelo, tomado num cálice de cristal da Bohemia e uma taça de Armagnac tomada numa malga de barro preto de Molelos (!).

Imagine-se um social e culturalmente estratificado pequeno mundo de repouso e diversão, onde não se aplica, por deselegante, a palavra promiscuidade. Não se contesta, como seria óbvio, o elementar e humano direito de escolha, nem se aconselha que se coloque em pedestal a disparidade que existe entre o muito e o pouco, ou entre o tudo e o nada. A torre de Babel não seria melhor exemplo para se confundir a respeitável gaita-de-beiços com o imponente contrabaixo ou a ocarina com a subtil e delicada flauta.

Não está em causa o interesse e a utilidade do cruzeiro, tanto para quem produz como para quem vende ou consome. A diferença reside nas diferenças ou dissemelhanças entre o ultrapassado e clássico conceito burguês e a função que, na sua modernidade, o cruzeiro hoje desempenha numa sociedade globalizada, onde as ‘elites’ revelam uma crescente incapacidade de se afirmar, porque o novo-riquismo e a nova pequena burguesia se apoderaram, muitas vezes através da mediocridade, do seleto ambiente que separa o conservadorismo doentio do progressismo histérico e aberrante, criando espaço que serve de incubador das mais variadas tendências.

Ao referir-me à recolha de catálogos que antes mencionei, faltou-me apenas acrescentar que o expositor aparecia ainda recheado de outras ofertas de operadores e porque não está nas minhas intenções castigar o leitor com paleio inútil, apenas esclareço que, em vez de um catálogo, já dissecado, vieram atrás dele mais 6  exemplares de outros armadores: MSC Cruzeiros (100 páginas), Royal Caribbean International (90 páginas), Celebrity Cruises (82 páginas) e finalmente porque cá em casa também há quem se dedique ao negócio Portuscale Cruises e ainda CroisiEurope.

Ou seja, um total de 7 catálogos com 580 páginas e um peso de cerca de 2 quilos. [continua no próximo post]

 


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *