Cruzeiros (5), a concorrência é um mito

O mercado de cruzeiros registou forte crescimento na década de 80 do séc. XX, quando vários operadores, seguindo inteligentemente as tendências da progressiva economia mundial e, sobretudo, a observação de desempenho demográfico dos países ocidentais onde esta atividade se havia iniciado há mais de um século, passaram a encarar com pragmatismo o aumento muito expressivo do transporte aéreo com o qual haviam seriamente concorrido.

Anúncio publicitário ao sabonete Vignolia, fornecido aos passageiros na primeira classe do navio Titanic, 1912.

À elevada produtividade do sistema de transporte por via aérea, resultante da evolução tecnológica dos motores de propulsão, iria contrapor-se o aumento da capacidade de acolhimento de navios cada vez mais velozes, mais confortáveis, mais seguros.

Tinha-se chegado ao final de um caminho que apresentava formas diferenciadas, sofisticadas e apetitosas, baseadas na oferta daquilo que se pode afirmar ser a estabilidade em movimento, ou seja o transporte e alojamento sincrónico, sem perturbações, sem atropelos, sem pesadas e incómodas malas, sacos, mochilas com e sem rodas, sem poluição visível, associado à descoberta ou redescoberta de lugares igualmente acessíveis, em condições de preço e conforto aceitáveis, ou mesmo atraentes.

Assim, para o descanso e o relaxamento, para atividades físicas e tranquilidade mental, para o entretenimento e a descontração, para a satisfação dos prazeres e ansiedades e também para a aventura sentimental e o consumo, os cruzeiros iniciaram um novo ciclo social em que os grandes mastodontes mais parecem autênticos centros comerciais onde se dorme, come, bebe, descansa, joga, diverte e faz sair do bolso ou da carteira o dinheiro que se amealhou para o prazer.

A cultura mistura-se com a curiosidade, a atividade física com o ócio, o prazer com a fantasia. E para os pragmáticos a ausência de impostos e normas fiscais são também parte do chamariz. De facto, para quê comprar produtos, duráveis ou de consumo, em qualquer cidade incluída no roteiro, se o seu custo é onerado com taxas e impostos, enquanto a bordo, nas muitas e diversas lojas onde tudo se vende e tudo é mais barato porque ali, no meio do mar sereno, não há cobranças fiscais nem restrições de qualquer espécie?

As constantes festas a bordo, os espetáculos de teatro, cinema, circo, música erudita ou ligeira, os casinos e salas de jogos, os salões de recreio, de televisão, de convívio, de leitura e até de meditação, as galas e jantares gourmet, as boîtes, bares, recintos de baile e competição, programas constantes de animação e divertimento, tudo tão perto, tão atrativo, tão apetecível, são bem a grande mostra de `a vida é bela’ que muitos apreciam e ansiosamente procuram.
Para não falar já das aventuras emocionais, afetivas e outras que, ao pôr-do-sol ou em noites de céu estrelado, se transformam em manifestações de interesse, convivência e descoberta que evoluem para o carinho ou para a satisfação que os seres humanos consigo carregam quando a química da excitação e os odores desabrocham em torrentes de prazer…
O cruzeiro é tudo isto e mais o refúgio, o silêncio, o calor do sol e o brilhante e noturno azul do céu, a longa cadeira no deck quase encostada à piscina ou à amurada, os banhos de água salgada ou os banhos turcos ou a sauna, as massagens e os tratamentos da derme efetuados por profissionais de ampla experiência.

Por muito que me esforce, não encontrei até hoje alguém que, curioso apenas ou filólogo, fosse capaz de me explicar a razão de chamar-se cruzeiro a uma viagem, predominante marítima – porque também se fazem cruzeiros aéreos – que têm longa duração no mar e curtas estadias em terra firme.

Cruzeiro é até substantivo que se veste de diferentes significados, religiosos ou profanos, constelações ou sinais gráficos usados na matemática ou na cabala e também, como o foi já recentemente, vil moeda que, rápida e sensatamente muda de nome. (Neste último caso, de cruzeiro passou a cruzado, sem que fosse seu objetivo a conquista da Terra Santa!)
E, afinal, o cruzeiro a que me refiro virou moda quando outras formas de viajar, mais rápidas, mais excitantes, mais tecnológicas, foram implantadas na sociedade moderna, sem o consentimento preliminar dos sábios que perscrutaram o horizonte e as longínquas estrelas para discernirem qual o lado para onde se deveria marear. Será que o vocábulo ´orientar’ tem algo a ver com o ocidente?  [continua no próximo post]


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *