Cruzeiros (4), pioneiros históricos

Sabe-se hoje muito pouco acerca do que eram as atividades de cruzeiros na primeira metade do séc. XX.

Certo é que, em 1912, o porto de Lisboa registava já um movimento de quase 400.000 passageiros , dos quais, mais de metade, por aqui transitavam, um pouco à semelhança do que ainda hoje acontece.

Mais curioso é o facto de um dos mais festejados navios de passageiros, o Cap Polonio (Revista ABC, 1922, p. 15) que efetuava a carreira regular entre a Europa e a América do Sul, com escala em Lisboa tinha, segundo crónicas da época, 202 metros de comprimentos, 22 metros de largura e transportava cerca de 2.000 passageiros, número a que acresciam à volta de 1.000 tripulantes.

Figura 1 – Cap Polonio. (9 de Março de 1922). Revista ABC, p. 16-19. Coleção Biblioteca Celestino Domingues.

Figura 1 – Cap Polonio. (9 de Março de 1922). Revista ABC, p. 16-19. Coleção Biblioteca Celestino Domingues. 

O Cap Polonio (Figura 1) era um “colosso portentoso” (Revista ABC, 1922, p. 15), movido por uma força de 20.000 cavalos e atingia uma velocidade de 18,5 milhas por hora.

Referem as notícias ainda que possuía “ruas interessantíssimas, praças formosas, estabelecimentos de todos os ramos de comércio, teatros, cafés que rivalizavam com os melhores de Londres e Nova Iorque” (Revista ABC, 1922, p. 15).

Sabe-se também que, e através de muitos relatos, na segunda metade do séc. XIX, algumas empresas inglesas, como a Booth Line (Figura 2), asseguravam as carreiras para a África do Sul e Oriente, quer para os países do norte da África mediterrânica quer para o Médio Oriente, muito especialmente para o Egipto, com um misto de passageiros que tinham como objetivo o trabalho ou a mudança de residência, ou ainda o usufruto das apetências naturais e, ainda, o lazer.

Figura 2 - Booth Line Tours to Portugal and Madeira. Liverpool: The Booth Steamship Company Limited, 1908. Brochura, il., 22x13 cm. Coleção particular Celestino Domingues.

Figura 2 – Booth Line Tours to Portugal and Madeira. Liverpool: The Booth Steamship Company Limited, 1908. Brochura, il., 22×13 cm. Coleção particular Celestino Domingues.

A companhia referida oferecia viagens de cruzeiro para a Madeira por apenas 12 libras (Booth Line: Royal Mail Steamers, 191-), como forma de aproveitar a capacidade ociosa e, ao mesmo tempo, estimular os negócios britânicos no arquipélago, para além, evidentemente, do seu reabastecimento.

Os cruzeiros no Mediterrâneo visavam igualmente sustentar a presença política, administrativa e estratégica da Coroa britânica nos emergentes países da região bem como satisfazer os anseios culturais (científicos e arqueológicos) dos muitos recursos históricos que haviam, parcialmente, resistido durante séculos aos frequentes conflitos que se registaram no Egipto, na Jordânia, na Palestina, na Turquia, na Mesopotâmia, na Grécia, no Curdistão, etc.

Diga-se, como curiosidade, que os camarotes ocupados pelos passageiros ou grupos familiares eram de preço mais elevado a bombordo do que a estibordo devido à sua maior procura, por permitirem uma melhor visibilidade da costa litorânea dos países do Mediterrâneo, o que os tornava mais atrativos por deles se poderem observar, muitas vezes utilizando binóculos, as silhuetas dos monumentos e construções urbanas, entre eles sobressaindo as torres mesquiteiras, símbolo do predomínio islâmico.

Figura 3 - Empreza Nacional de Navegação. (1907). Guia do Viajante em Portugal e nas suas colónias em África. Lisboa: Cristóvão Augusto Rodrigues. Coleção Biblioteca

Figura 3 – Empreza Nacional de Navegação. (1907). Guia do Viajante em Portugal e nas suas colónias em África. Lisboa: Cristóvão Augusto Rodrigues. Coleção Biblioteca

Tais volumes, que chegavam a atingir, e mesmo a ultrapassar, 400 páginas (Empreza Nacional de Navegação, 1907), muito ilustrados, eram autênticos guias de viajantes cuja consulta ou leitura servia de passatempo e divulgação das características das regiões e cidades de trânsito e tinham suporte financeiro na programada inserção de anúncios de empresas comerciais, indústrias, entidades públicas ou produtos de consumo, o que tornava possível a sua oferta aos passageiros, com custos apenas marginais para os armadores (Figura 3).

Com o andar dos tempos, foram desaparecendo os guias, hoje raros, e nos paquetes foram sendo substituídos os velhos guias por jornais de bordo, diariamente impressos nas suas instalações tipográficas, com base na receção permanente de noticiário do mundo, via rádio, cuja utilização viria também a considerar-se um sistema efémero a partir do momento em que as imagens passaram a compatibilizar-se com as ondas hertzianas e a sua difusão se tornou profusa, profícua e vertiginosa.[continua no próximo post]

Obras Citadas

Academie Internationale du Tourisme. (1961). Dictionnaire touristique international. Monte Carlo: Academie Internationale du Tourisme.

Booth Line: Royal Mail Steamers. (191-). 7. Liverpool: P.P. Press.

Empreza Nacional de Navegação. (1907). Guia do Viajante em Portugal e nas suas colónias em África. Lisboa: Cristóvão Augusto Rodrigues.

 


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *