Para uma cartografia dos monumentos portugueses

Figura 1

No número 6 do Portugal: País de Turismo, e à semelhança do mapa dos Castelos portugueses, outro património edificado de cariz histórico e monumental é aqui chamado a testemunhar e reforçar a identidade nacional. A antiguidade e genuinidade da história da nação portuguesa está à vista de todos os que percorrem o seu território, com destaque para os elementos patrimoniais de natureza militar e religiosa, que conferem tons de atração turística pela sua autenticidade.

Disso é prova o texto reproduzido no verso do mapa Monumentos de Portugal, Monuments du Portugal, Monuments of Portugal, que em seguida se reproduz, e que o complementa na sua descrição de um glorioso e atrativo passado que aos visitantes irá certamente encantar:

Figura 2

Figura 2

“Monumentos de Portugal – a tradição, a história e a lenda, a arte e a poesia entrelaçadas, palpitantes de vida, nas ruínas de velhos castelos, alcáçovas, palácios, igrejas, conventos, cruzeiros e pelourinhos que se erguem de uma ponta à outra da terra portuguesa, enobrecendo-a de história e espiritualidade. Relíquias, evocações da epopeia lusíada, na terra e no mar; pedras patinadas pelo tempo e sagradas, tantas delas, pelo sacrifício sublime dos construtores da nacionalidade; testemunhas de tantos lances de aventura, de audácia, de heroísmo, de puro amor pátrio e da nossa fé cristã; marcas da presença do passado glorioso da grei; – como todos esses vetustos monumentos nos dizem, na sua estática mudez, do que escreveram heróis e santos nas páginas do livro de oiro da nossa História!”1

No presente mapa são mencionados apenas os nomes das localidades2 e não a designação dos monumentos, remetendo para a descoberta dos monumentos representados ou para a associação das representações ao respetivo monumento no caso dos leitores que já os consigam reconhecer pelo desenho e associação à localidade mais próxima da representação.

Os discursos imagéticos e textuais ilustram o olhar turístico (Urry, 1990) adotado no discurso ideológico do Estado Novo, que validavam a utilização do passado e, em especial, do património, enquanto recurso cultural, político e económico na criação e gestão de identidades territorializadas (Ashworth, 1994). Como salienta Asworth (1994: 2), o património é um fator chave nas representações do lugar enquanto atributo central da identidade.

O culto da portugalidade, através da mercadorização dos elementos componentes da identidade portuguesa (em que o património se insere), encontra nas representações imagéticas da promoção turística um veículo privilegiado para a conquista de notoriedade para os territórios promovidos mas também, paralelamente, de (re)produção de identidades.

Obras Citadas
Ashworth, G.. J. (1994).- “From History to Heritage – From Heritage to Identity: in search of conceptas and models” in Building a new heritage: Tourism, Culture and Identity in the New Europe. in Ashworth, G.J.; Larkham. P.J. , London: Heritage, pp. 13-30
Urry, J. (1990). The tourist gaze: leisure travel in contemporary societies. Londres: SAGE.

  1. Este texto é igualmente reproduzido nas versões francesa e inglesa: “Monuments du Portugal – la tradition, l’histoire et la poésie confondus, palpitant de vie dans les ruines des vieux châteaux, des places fortes, palais, églises, convents, calvaires et piloris que s’élèvent d’un bout à l’autre de la terre portugaise en l’ennoblissant d’histoire et de spiritualité. Reliques, évocations de l’épopée portugaise sur mer ; pierres patinées par le temps et rendues sacrées, en ce qui concerne un grand nombre d’entre elles, par le sacrifice sublime des Pères de la Patrie ; témoins de tant de faits et gestes d’aventure, d’audace, d’héroïsme, du pur amour de la patrie et de notre foi chrétienne ; preuves de la présence du glorieux passé national; – oh ! Comme tous ces vieux monuments nous expriment, dans leur immobilité muette tout ce que les héros et les saints ont écrit sur les pages du livre d’or de notre histoire !

    Monuments of Portugal – tradition, history and legend, art and poesy interlaced and palpitating with life, in the ruins of old castles, fortresses, palaces, cathedrals, convents, memorials and pillories that rise from one end to the Portuguese land, to the other, ennobling it with history and spirituality.
    Relics, evocations of the Lusiad epopee on land and sea; stones covered with the grey patina of the centuries, many of them consecrated by the sublime sacrifice of the builders of the Nation, silent yet eloquent witnesses of untold adventure, courage and heroism, of the purest patriotism and the Cristian Faith; reminders and milestones of the country’s glorious past – how impressively all those old monuments tell us, in their static nudity, what heroes and saints have written in the golden book of Portugal’s History!…” []

  2. As localidades assinaladas no mapa são: Viana do Castelo, Bragança, Porto, Guimarães, Feira, Viseu, Coimbra, Pombal, Guarda, Nazaré, Fátima, Batalha, Lisboa, Beja, Évora, Faro []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *