De gaveta rolante ao beliche

by Agência Lusa

Foto: Agência Lusa

Longe vai o tempo em que, pressurosamente, os porteiros trintanários e mandaretes dos hotéis se aplicavam a colocar nas bagagens dos hóspedes, a quando da sua saída, as hoje cobiçadas etiquetas que, divulgando o nome do estabelecimento, contribuíam para consolidar o “snobismo” daqueles e despertar no povo circulante a curiosidade e o impetuoso desejo de também poder viajar.

O turismo, fenómeno cultural reservado aos membros influentes da genealogia heráldica e aos abastados burgueses que do comércio e da segura atividade bancária retiravam generosos proventos, era também uma escada de ascenção social, que de forma miscelânica, casava o vil metal com mais ou menos pomposos títulos que tornavam mais próximo o poder de bastidores da Corte.

O sim e o não, o preto e o branco, o alto e o baixo, o rico e o pobre dividiam-se em imutáveis patamares que, de forma contundente separavam o servo do servidor.

Muito mudou o mundo desde que, nos primórdios do século XVI, a escola dos visionários e a Ciência Náutica de Sagres construíam a ponte entre o pequeno que se conhecia e o imenso desconhecido situado nas nebulosas lendas do extremo Oriente e o El Dourado transatlântico.

Este mundo que não nos cansamos de mudar é apenas um singular preceito da imparável e constante mutação a que sujeitamos a sociedade, ela própria marca de bem-estar que almeja, contrariando com o seu comportamento através da submissão do Homem aos caprichos do que considera ser o progresso.

Cada vez mais pequeno, cada vez mais cheio, cada vez mais inconformado, cada vez mais ansioso e, talvez angustiado, o mundo pretende disfarçar o racional no efémero a que submete a sua inefável insatisfação.

Confortados e sustentados pelos motores do progresso que tornam a vida paulatinamente mais fácil e o contacto humano progressivamente mais difícil, os promissores jovens de hoje buscam na diversão, no espetáculo, na descontração, na viagem, na atividade física, na vertigem, na aventura, nos jogos de prazer o caminho de um futuro que lhes oculta a dimensão, proximidade e natureza dos problemas que terão de enfrentar e de que vão certamente querer fugir.

Muitas vezes, por isso e porque estão cada vez mais próximos da decisão amadurecida, colocam o número certo na roleta errada, à espera que o certo caia no certo. Por vezes, aleatoriamente, acontece mais por vontade do acaso do que por vontade própria.

Sustentados por infernáveis máquinas de sedução que os empurram para promissores paraísos, convergem na formação de redes e grupos de pequena ou média dimensão, neles concentrando também o tema, o destino, a forma, o teor, o toque sócio-ambiental que os levarão aos lugares eleitos onde desenvolvem convívio artificializado construído por passageiros momentos de bem-estar.

Comandados por porta-bandeirolas de sinalização ou uniformemente trajando bonés amarelos ou camisolas azuis, assim percorrem boquiabertos estreitas ruelas de baixo casario ou largas avenidas ponteadas de árvores, ouvindo o discurso enfático e de curto saber de quem, geralmente lhes serve de guia.

Assim se olha, assim se vê, assim se observa, assim se aprende e logo se esquece porque a mais apetitosa é a cerveja que já espreitam no bar e a presumível noitada que esperam, plena de decibéis e ritmos afro-europeus e “afro-dizíacos”.

Cansados de tão intensa quanto desejável e curta experiência, após a noite passada (e por vezes mal dormida) no beliche da casa de acolhimento, regressam de “low cost” à fonte da rotina, com a barriga cheia de pouco e ou de nada porque o tempo escasso, rápido voou e o inefável prazer efemeramente se desfez.

De gaveta cheia e esquecido o beliche, voltam os dias a correr, esgotado que foi o pecúlio oferecido pelos pais ou cuidadosamente protegido para os tempos de prazer.

E assim se corre de casa para a pista do lugar esconso da aeronave para  o incómodo beliche do hostel e da pacatez para a aventura, quando muito pouco da ignorância para o saber.


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *