Romarias de Portugal: uma cartografia religiosa

Fig1Apresentamos agora o mapa publicado no número 4 do Portugal: País de Turismo (1956), intitulado Romarias de Portugal, Pélerinages Portugais, Portuguese Pilgrimages1 e é-nos apresentado no final do artigo denominado Portugal no mapa turístico da Europa, da autoria de Luis Ribeiro Soares (1956).

Se no post anterior foi possível verificar a expressão geográfica daquelas que foram as manifestações coreográficas e musicais predominantes da paisagem da promoção turística portuguesa durante o Estado Novo, podemos agora complementar com a observação da cartografia das romarias que contribuíram igualmente para o leque de elementos comunicadores de autenticidade e tipicismo.

Fig1É vastamente conhecido o conjunto de representações e rituais que sustentam os discursos identitários sobre a nação baseados na cultura nacional, em que se enquadram os esforços de objetificação da cultura popular (Handler, 1988) que procuravam dar corpo à identidade nacional e, ao mesmo tempo, serviam para legitimar a genuinidade dos atrativos turísticos portugueses.

A par da expressão da rusticidade pretendiam estas manifestações culturais, geralmente enquadradas em imagens pastorais de paisagens rústicas exprimir a componente religiosa que também fazia parte integrante do discurso ideológico do regime e que se imiscuíam nas mensagens promocionais para fins turísticos.

Podemos identificar no texto presente no verso do mapa o desejo de identificação de rituais e performances que funcionaram como emblemas da identidade nacional:

“Céu azul, música e foguetes; bulício nas ruas e alegria nas almas; fatos domingueiros; bandeiras desfraldadas no topo dos mastros; danças e descantes nos adros das capelinhas brancas, imaculadas; mais flores nos altares dos santos e santas da devoção do povo em festa; procissões, preces, Fé, poesia, sinfonia de cores – são as tintas que nos dão o quadro vistoso das romarias deste Portugal romeiro.
Cartaz colorido, poema feito de sol e de alegria, documentário vivo do que há de mais genuíno e típico na terra portuguesa, elas conservam ainda a sua expressão de sempre, a expressão pura das virtudes líricas do temperamento do nosso povo, testemunho da sua fé, motivos de arte e de poesia a enternecer a alma dos poetas e a sensibilidade dos pintores.
A par da sua exuberância estrepitosa e alegria comunicativa, dá-lhes especial relevo a feição religiosa que as caracteriza (cumprimento de votos, penitências, preces – a terra ligada ao céu pelo elo invisível da oração), retrato sugestivo da alma dum povo que sabe cantar e rezar como nenhum outro.
E dir-se-ia que, para assim o ver cantar e rezar, quando chega o tempo das romarias todos os santos e santas por ele festejados se debruçam das janelas do céu para ver como a terra portuguesa se ergue ao sol, a arder em orações e em cantigas.
Jaime de Carvalho”2

As tradições, com particular destaque para manifestações culturais com cunho religioso, onde se enquadram as romarias, foram utilizadas no regime do Estado Novo pelos responsáveis pela promoção turística enquanto símbolo facilmente identificável e de cunho ideológico. Estes mostruários de portugalidade compunham-se igualmente de outros elementos de património imaterial como as danças e cantares, com destaque para o fado e o folclore, a que se juntavam a arquitetura tradicional, os castelos e outros monumentos, ou ainda o artesanato e a gastronomia (património material), todos contribuindo para expor a identidade da nação (Aurindo, 2006, p. 188).

Obras Citadas
Aurindo, M. J. (2006). Portugal em Cartaz: representações do destino turístico (1911-1986). Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.
Handler, R. (1988). Nationalism and the politics of culture in Quebec. Madison: The Wisconsin University Press.
Soares, L. R. (1956). Portugal no mapa turístico da Europa. (F. d. Andrade, Ed.) Portugal: País de Turismo, pp. 99-336.

  1. Surgem no mapa as representações pictóricas das seguintes romarias: Romaria de S. Bento da Porta Aberta (Paredes de Coura); Festas tradicionais de S. João (Braga); Romaria de S. Torcato (Guimarães); Grande festa da Senhora das Dores e Grandes festas de Nª Sr.ª da Assunção (Póvoa de Varzim); Romaria de S. Bento de Vairão (Vila do Conde); Romaria de S. Gonçalo (Amarante); Festa tradicional de Nª Sr.ª dos Remédios (Lamego); Romaria do Senhor de Matosinhos (Matosinhos); Romaria à Sr.ª da Saúde (Vale de Cambra); Festa secular e tradicional da Senhora do Monte, em Salreu (Estarreja); Romaria de S Paio da Torreira (Murtosa); Romaria do Espírito Santo, em Santo António dos Olivais (Coimbra); Romaria da Sr.ª da Póvoa (Covilhã); Festas de S. João (Figueira da Foz); Grande peregrinação a Nª Senhora de Fátima (Fátima); Festa tradicional dos Taboleiros (Tomar); Romaria de Nª Sr.ª da Esperança (Portalegre); Romaria do Senhor Jesus da Piedade dos Capuchos (Vila Viçosa); Romaria e festa tradicional de Nª Sr.ª da Atalaia (Alcochete, Montijo, Seixal); Romaria de S. Bento, Romaria de S. Braz e Romaria do espinheiro (Évora); Romaria à Senhora da Piedade (Odemira); Grandes festas tradicionais da Vila (Albufeira []
  2. Podemos encontrar igualmente as versões francesa e inglesa do texto acima reproduzido: “Ciel bleu, musique et fusées; affairement dans les rues et joie dans les âmes; habits du dimanche; drapeaux déployés au haut des mãts; danses et sérénades sur les parvis des petites chapelles blanches, immaculées; profusion de fleurs sur les autels des saints et des saintes que le peuple en fête tient en dévotion; processions, prières, foi, poésie, symphonie de couleurs – telles sont les touches que nous offre le tableau éclatant des pélérinages de ce Portugal que iva en pélérinage.
    Spectacle riche en couleurs, poème fait de soleil et d’allégresse, document pris sur le vif de ce qu’il y a plus naturel et de plus caractéristique sur la terre portugaise, les pélérinages conservent encore leur expression toujours, la puré expression des qualités lyriques du témperament de notre peuple, témoignages de sa foi, occasions d’art et de poèsie propres a attendir l’âme des poètes et la sensibilité des peintres.”
    En dehors de l’exubérance bruyante et de la joie communicative qui y règne, ils tirent un relief spécial de l’apparat religieux qui les caractérise (accomplissements de voeux, pénitences, priéres – la terre liée au ciel par le lien invisible de l’oraison), portrait suggestif de l’âme d’un peuple qui sait chanter et prier comme aucun autre n ele sait.
    Et on dirait que, pour le voir ainsi chanter et prier, quando vient le temp des pélérinages, tout les saints et tout les saintes qui y sont fêt´s, se penchent aux fenêtres du ciel pour voir le spectacle de la terre portugaise se levant à la face du soleil, se consumant en prières et en cantiques.

    “A deep-blue, clear sky, music and skyrockets; bustle on the streets and happiness in the hearts; Sunday clothes, flags gaily flying from their poles; dance performances and folk-songs in the yards of immaculate, whitewashed little chapels; bunches of flowers heaped on the altars of the saints to whom the celebrating
    People express their devotion; processions, prayers, Faith, poesy, a symphony of colour – those are the elements thatb jointly make up the bright picture of Portugal’s pilgrimages….
    A colourful poster, a poem made of sunshine and gavety, a living documento f all that is most genuine and typical of the Portuguese country, those pilgrimages have kept to this day their original, century-old expression – the puré expression of the lyrical virtues of our people, a testimony of its faith, motifs of art and poesy that cannot but deeply touch the soul of poet and artista alike.
    Aside from their noisy exuberance and their contagious gavety, these events are especially characterized by their religious significance (fullfillment of vows, penitence, prayers, and the like, all of which seem to establish na invisible link between heaven and earth). They are, in a word, the suggestive portrait of the soul of a people who can sing and pray like no other people on earth…
    One would think that when the time for the pilgrimages arrives, all the saints they celebrate lean out from the Windows of Heaven to watch the land of Portugal turn its face towards them in a sunlight, aglow with fervente prayer and faith…”
    []


Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *