A Bolha

Fig1Segundo Rodrigo Fontinha, autor do Novo Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa (Editorial Domingos Barreira – Porto) a palavra “bolha”, para além de definir como uma empola formada à superfície da pele, é utilizada na versão da linguagem popular como representando “desarranjo mental”, “falta de tino” e “desequilíbrio de espirito”.

Há muito poucos anos era comum ouvir-se a expressão “bolha imobiliária”, com o significado de que o excesso de construções urbanas, resultantes do crescimento económico, das facilidades de financiamento, das mutações sociais e mobilidade geográfica, para não referir como sendo importante a ânsia frenética e insaciável de gerar lucros por parte dos promotores.

Ora a bolha imobiliária é semelhante a muitas outras bolhas que se vão gerando em numerosas áreas de actividade, das quais não pode ser afastado o fenómeno turístico.

A observação do frenesim que, nos últimos tempos, e não se sabe a que custo se tem gerado no sector, ampliado pelas constantes revelações de prémios e elevadas classificações de qualidade, diga-se da elevada e excelente qualidade do nosso acolhimento, da nossa hotelaria, da nossa culinária, dos nossos cenários rurais, dos nossos vinhos e petiscos, das nossas ondas, do nosso sol, das nossas praias, dos nossos campos de golfe, dos nossos baixos e apetitosos preços está a estimular o crescimento de uma bolha no tão  apaixonado sector.

E é assim que se assiste a uma crescente desregulação, em volume e redução qualitativa, a variedade de serviços que, subtil e inapropriadamente, se assumem como prestações turísticas.

Começa a encontrar fundamento a noção de que o turismo, tal como era encarado e praticado no período do seu equilibrado desenvolvimento na primeira metade do século passado, mudou de sonho, projecto, atracção cultural, valor social e progresso, quando interiorizou como principal objectivo a exploração descordenada dos recursos, a manipulação de condições de mercado e o embasbacado embevecimento de quantos por ignorância ou perigoso, lhe atribuem esperançosas perspetivas de “salvador”.

O excesso de entusiasmo que atravessa a sociedade portuguesa num período em que o turismo é alcandorado a lugares cimeiros de atratividade, sem base técnica ou cientifica que o justifiquem, em que as patacas parecem cair das árvores viçosas do Douro, do Algarve, da Madeira e outros lugares em regime de breve descobrimento, também alimenta a ideia de que o produto turístico é perene e atraente, não se salientando como seria desejável a sua imperturbável condição de sazonalidade, de modesta qualificação das muitas gentes que nela embrenham a sua vida e hipotecam o seu futuro e do fosso que separa inevitavelmente o luxo do lixo, as quintas das hortas, as piscinas dos tanques, a relva da gravilha, a fortuna da miséria e por aí fora.

Certo é que estados de alma refletem irónica e inevitavelmente o sorriso dos que disfrutam e a lágrima dos que sofrem.

Escondido entre cortinas está, porém, o fenómeno da efemeridade, quase sempre apoiado nos desacatos de uns e nas brincadeiras de outros. A realidade não consegue muitas vezes sobrepor-se à fantasia, o que nos leva a pensar que o conflito entre ambas é apenas um intervalo durante o qual a “bolha” enche até que bico de alfinete transforme a falta de tino em desarranjo total.

A incontrolável transformação da estrutura da sociedade virtual em que mergulhámos pode projectar-nos para um painel de bolhas que nos torna incapazes de avaliar. Basta pensar nas plataformas que se vão multiplicando com a oferta e venda de serviços “on line” que avassaladoramente se estão introduzindo num mercado que, até há pouco, era mais ou menos regulado e sustentável, agora substituído por sistemas que nele deslizam o sem roque nem rei que trave o seu ritmo de aplicação.

Esquecendo que o momento é perverso porque se baseia em factores não racionais, tais como os conflitos políticos que se desenvolvem próximo de fronteiras que somos cada vez mais incapazes de proteger e a luta constante pela conquista do mercado, quer através de desleal concorrência, de “dumping”, de manipulação psicológica ou subliminar, entoam-se cânticos à pouco credível estatística de dormidas e receitas, de divisas e de precários empregos, financiando com moderada vergonha operadores internacionais e penalizando o incauto visitante com taxas sem contrapartida.

Até que um dia – e pode não faltar muito tenhamos a noção de que, paulatinamente – estamos a mudar do urbano bem estar para a selva e desta para o caos.

Bom conselheiro não é o pessimista que baseia o seu estado de alma não apenas naquilo que teme mas naquilo que diariamente observa.

 

 

 

 

 

 


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982).
Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *