Como canta e dança o nosso povo

Figura 2A música desempenhou um papel importante na promoção turística portuguesa, onde se destacam, por exemplo, “a argumentação apresentada em 1908 para justificar a proposta da Sociedade de Propaganda Nacional (…) de construção de um grande teatro de ópera nacional, (…) da criação de uma «canção popular» para difusão em disco e telefonia sem fios”, ou da consagração da canção para o filme Capas Negras, mais tarde re-intitulada de Avril au Portugal e interpretada por Amália Rodrigues e Louis Armstrong. (Silva, 2010, p. 1288)

Como mencionado por Salwa Castelo-Branco e Jorge Freitas Branco no capítulo introdutório do seu livro Vozes de um Povo: a folclorização em Portugal (2003, p. 1), “enquanto o folclorismo engloba ideias, atitudes e valores que enaltecem a cultura popular e as manifestações nela inspiradas, por folclorização entende-se o processo de construção e de institucionalização de práticas performativas, tidas por tradicionais, constituídas por fragmentos retirados da cultura popular, em regra, rural. O objectivo é representar tradição de uma localidade, duma região ou de uma nação.”

Figura 1São precisamente estas as noções que surgem evidenciadas nas representações pictóricas presentes no mapa que aqui reproduzimos, sob o título de “Danças populares; Danses Populaires, Popular Dances1 que antecede o texto de Cardoso Marta intitulado “Como dança e dança o nosso povo”, apresentados no número 3 da revista Portugal: País de Turismo (1955). A sua representação é acompanhada, no verso, pelo texto reproduzido em seguida:

“Da imensidade profunda dos oceanos vem a onda, traquina e ligeirinha, estender-se e sumir-se na areia fresca, em bailado de espuma. A tempestade, violenta e bruta, agita no pinheiral o raminho verde, que baloiça, sem medo e cheio de graça como criança contente, no bailado do vento!

O nosso povo dança assim, na nostalgia alegre do tudo português, a expressão da alma eterna duma raça eterna.”2

As danças e cantares fazem parte das manifestações da cultura popular ainda hoje utilizadas na promoção de destinos turísticos locais e regionais. A recolha de música e os apoios dados pelo Estado Novo para esta inventariação contribuíram para a associação da propaganda ideológica à promoção turística, reinventando tradições num contexto ruralista e popular.

A cultura mercadorizada “becomes something to be handled, modelled, even simulated. It also becomes equated with the idea of the world as a mosaic of distinctively colourful, performable identities, the pleasurable experience of which is available for purchase.” (Dicks, 2004, p. xi). As tradições de uma forma mais abrangente têm funcionado como veículos de expressão identitária privilegiados pelos responsáveis pela promoção turística na procura de elementos que expressem a autenticidade que tantos anseiam encontrar nas suas viagens.

Procuram contribuir para transmitir o espírito do lugar ao visitantes de um dado lugar e funcionam muitas vezes como uma das componentes da portugalidade que se procura evocar. O folclore, como o fado, foram os principais tipos de expressão musical desta ‘nostalgia alegre do tudo português’, mencionada no anterior texto, e explorados de forma a sustentar estereótipos e a alimentar a promoção turística do destino Portugal e suas regiões e lugares.

Existem mesmo alguns lugares e regiões, como Miranda ou o Ribatejo, que têm sido construídos e promovidos com base em símbolos a que já os associamos de forma quase inconsciente, como os Pauliteiros ou o Fandango, respetivamente, que imediatamente espoletam um conjunto de conotações identitárias evocadas por imagens que, mesmo sem apoio do texto, transportam todo um sentido identitário que que visaram construir e projetar.

 Este mapa junta-se a outras imagens (veja-se, a título de exemplo, as imagens dos cartazes turísticos em Aurindo, 2010) que reforçam a valorização do ‘tradicional’ nas conteúdos imagéticos da promoção turística portuguesa ao longo das várias décadas em que o regime de Salazar procurou colocar a arte dos sons ao serviço da afirmação de uma ideologia de poder.

Obras Citadas

Aurindo, M. J. (2010). Cartazes turísticos. Em d. Salwa Castelo-Branco, Enciclopédia da música em Portugal no século XX (Vols. P-Z, pp. 1294-1296). Lisboa: Circulo de Leitores.

Dicks, B. (2004). Culture on display: the production of contemporary visitability. London: Open University Press.

Marta, C. (1955). Como canta e dança o nosso povo. (F. d. Andrade, Ed.) Portugal: País de turismo, pp. 101-113.

Salwa El-Shawan Castelo-Branco; Jorge Freitas Branco (orgs). (2003). Vozes do povo: a folclorização em Portugal. Oeiras: Celta.

Silva, M. C. (2010). Turismo. Em S. Castelo-Branco (Ed.), Enciclopédia da música em Portugal no século XX (Vols. 4 (P-Z), pp. 1287-1296). [Lisboa]: Círculo de Leitores/ Temas e debates.

 

  1. No mapa estão identificadas as seguintes danças: Rota, Malhão, Vira, Tirana, Vareiras, Chula, Pauliteiros, Bailarico, Verde Gaio, Fandango, Bailarico, Saias, Farrapeira, Corridinho, Mandadores, Tia Anica. []
  2. Leiam-se ainda as versões, em francês e inglês, do mesmo texto, também reproduzidas no verso do mapa:“Des immensités profondes de l’océan vient la petite vague, diaphane et legère, s’étendre et s’enfouir dans la fraîcheur du sable, dans un gracieux ballet d’écume. La tempête, violente et sauvage, agite dans la forêt les rameaux verts qui si balancent, sans crainte et pleins de grâce, tels des enfants joyeux, dans le ballet du vent!C’est ainsi que danse notre peuple, dans cette nostalgie gaie de tout ce qui est portugais, expression de l’âme d’une race éternelle.”; “From the deep immensities of the ocean comes the clear blue wave to lie down and vanish into the gleaming sand, in a graceful ballet of foam. The storm, violent and savage, shakes the little green twigs in the forest, making it quiver, without fear and full of grace, like a happy child in the ballet of the winds! Our people dance like that, in the gay nostalgia of all that’s Portuguese, expressing thus the eternal soul of na eternal race…” []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *