A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 11 – Uma nota final

Em absoluto contraste com os notórios prestígio e consideração desfrutados no estrangeiro, as delegações externas do Turismo Português nunca foram justamente apreciadas ou avaliadas em Portugal. No entanto, foi devido na maior parte à sua acção que as receitas turísticas, secundadas pelas remessas financeiras dos emigrantes, salvaram o País da bancarrota nos conturbados anos do PREC. E sem os vultuosos rendimentos gerados pelo turismo, os portugueses viveriam, por certo, bastante pior.

Realisticamente, Portugal contraiu uma dívida incalculável para com as suas Delegações de Turismo – extinguidas, em minha opinião, por uma errada visão política.

Elas constituíam a verdadeira (diria quase única) presença viva e visível do País no estrangeiro. Relembrando e exaltando permanentemente a existência de Portugal e os seus atributos no contacto directo com as populações locais. Fomentando o interesse do público por conhecê-lo e visitá-lo. Promovendo não apenas as suas virtudes turísticas como, implicitamente, a sua história e a sua cultura. Desempenhando um papel decisivo na sua popularização.

Originando uma cobertura mediática sobre Portugal infinitamente mais vasta e benéfica que o conjunto de todas as outras representações oficiais portuguesas no exterior. Estimulando, com a sua existência, o orgulho das comunidades portuguesas no estrangeiro, potencialmente válidas no apoio à acção promocional do seu País. Construindo uma atmosfera propícia a negócios de variados sectores e influenciando o aumento da importação de produtos portugueses (vestuário e vinhos, por exemplo), bem como o interesse empresarial externo pelo investimento.

Reprodução do artigo “Presença ténue de Portugal”, de César Faustino, Publicado no “Diário de Lisboa de 13 de Setembro de 1059 e integrado na Série com o título genérico de “Rapsódia sueca”.

Figura 1 – Reprodução do artigo “Presença ténue de Portugal”, de César Faustino, Publicado no “Diário de Lisboa de 13 de Setembro de 1959 e integrado na Série com o título genérico de “Rapsódia sueca”.

Os Centros de Turismo foram, na realidade, os autênticos embaixadores e o “cartão de visita” físico e sempre activo do nosso País. Expandido e dignificando a sua imagem.

Nos últimos dez anos de actividade dos CTP’s (1982-92), o crescimento do turismo português atingira níveis absolutamente impressionantes, sem paralelo na Europa e no Mundo, cifrando-se em 11,5 % a taxa média anual de acréscimo quer de entradas quer de receitas – fazendo entrar em Portugal mais de 1,5 milhões de contos por dia. Em 1989, o saldo positivo das operações turísticas cobria quase 40 % do nosso défice comercial. Em 1990, a receita total do Turismo ascendera a 580 milhões de contos. E no fim de Agosto de 1991, as reservas do Banco de Portugal em moeda estrangeira chegavam para pagar a totalidade da dívida externa portuguesa.

Incompreensivelmente, porém, o Turismo – sendo a fonte maior de divisas, o principal sector económico e empregador do País, o grande dinamizador de múltiplas indústrias – sempre foi política ou institucionalmente encarado em Portugal como coisa menor, secundária, algo de natural (como o sol ou a chuva) e absolutamente adquirido – desprezando-se a experiência local dos profissionais das delegações externas, as suas criatividade pragmática e sensibilidade pelos desejos, necessidades e expectativas dos potenciais visitantes/clientes. Ignorando-se que, para ser, de facto, bem-sucedida, uma estratégia turística a aplicar no exterior deve ser permanentemente desenvolvida em conformidade com as condições específicas e comportamentais dos próprios mercados.

Poderá, portanto, concluir-se que a extinção do Instituto de Promoção Turística (a que pertenciam as Delegações no estrangeiro) e a consequente absorção das suas atribuições pelo Instituto de Comércio Externo constituiu – pelos factores atrás apontados (e na minha convicção, baseada em experiência pessoal e profissional) – uma medida tão injustificável como indefensável, que, no fundo e na prática, apenas podia resultar incomensuravelmente funesta para os reais interesses do País.

 


César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *