Para uma visão pluridisciplinar do turismo

No nosso país, o conceito geralmente mais difundido do fenómeno turístico é o de que se trata de um conjunto de atividades produtivas inserido na área do terciário e representado quase exclusivamente por dígitos (número de turistas e excursionistas segundo o INE e ao Turismo de Portugal) e cifrões (Banco de Portugal e Ministério das Finanças).

Os estudos relativos à repercussão e impactos do fenómeno nas áreas do ordenamento, do ambiente, do bem-estar, da cultura, da econometria, da saúde, etc., são muitos casos, para não dizer mesmo praticamente inexistentes.

Se há atividade humana tão influente e influenciada por um vasto leque de vetores, encontramos no turismo um exemplo paradigmático.

Quando se fala em ordenamento prevalece a ideia de que se trata de um processo de regularização ou correção de assimetrias geo e socioeconómicas, baseado em planos indicadores de localização de polos de desenvolvimento e das correspondentes infraestruturas de urbanização, comunicações e transportes.

Mas quando se fala de geografia turística, o que vem à superfície é fundamentalmente a imutável localização dos atrativos assim como dos equipamentos hoteleiros, zonas de lazer e operação de circuitos locais ou regionais.

Ora a relação que existe entre a geografia turística e o ordenamento tem sobretudo a ver com o estudo preliminar dos aspetos potenciais de atração e utilização dos equipamentos a construir, em função da paisagem, do meio ambiente, das variações climáticas, da acessibilidade, da concentração ou dispersão de atrativos patrimoniais, tanto do ponto de vista da cultura como da própria natureza e, certamente também com a demografia.

Figura 1 - Algarve. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 1 – Algarve. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

E porque alguns dos aspetos fundamentais não terão sido, na maioria dos casos, contemplados por investidores, projetistas, arquitetos e, muito menos, por entidades financiadoras, são vulgares os empreendimentos turísticos existentes no país cujo enquadramento geográfico, local ou regional, está divorciado das condições ideais de implementação. Temos exemplos de sobra tanto no continente como nas regiões autónomas.

Acontece muitas vezes que potenciais investidores se iludem ou deixam iludir pela miragem do lucro fácil e próximo adquirindo a preços irrisórios terrenos que parecem reunir a priori condiçõesaparentemente ideais e se vêm posteriormente confrontados com uma realidade diferente daquela que haviam imaginado.

Ora a geografia turística, entendida como ciência e não apenas como disciplina de conhecimentos genéricos, deveria ser contemplada nos estudos prévios e elaboração de projetos de índole turística com vista a obter a melhor rentabilidade do investimento e a preservar o meio ambiente (paisagem rústica ou urbana) e as dádivas da natureza. Daí que se fale cada vez mais na necessidade de estudos de impacto ambiental que aliás são já obrigatórios para grande parte dos projetos turísticos.

Repare-se, por exemplo, que a abertura de um hotel, de uma casa de diversão noturna ou mesmo de um restaurante numa via urbana, provoca necessariamente alterações do ritmo de tráfego, de salubridade e movimentos que se representam nos padrões qualitativos de vida das populações aí residentes.

Quando isto acontece numa via urbana, pode bem imaginar-se o que não será a elevação ao exponente ‘n’ de investimentos em urbanizações turísticas de média ou ampla dimensão quer em zonas residenciais, ainda que periféricas, quer nas áreas rurais.

Para além de uma avaliação prévia, o estudo de medidas a tomar pelas entidades responsáveis sejam elas departamentos da administração central ou das autarquias, visando anular ou reduzir os efeitos negativos resultantes da exploração dos equipamentos torna-se uma inevitável necessidade.

Aquilo a que chamamos progresso resulta portanto de uma simbiose constituída pelo investimento produtivo acompanhado das medidas corretoras dos impactos ambiental e social por aqueles gerados.

Já no que se refere à sociologia do turismo existe um fator grandemente expressivo representado pelo direito ao gozo de férias remuneradas, o que não significa necessariamente que os trabalhadores por conta de outrem não aproveitem o tempo de férias para desenvolverem outras atividades lucrativas, ou não utilizem a respetiva remuneração para melhorar a sua habitação, pagar as prestações de bens de consumo duradouro ou liquidarem dívidas contraídas por doença ou outro qualquer motivo.

Ao Estado e autarquias compete zelar pelo bem-estar das populações e tal obrigação sugere a criação e manutenção de áreas de lazer e recreio, onde residentes e forasteiros possam gozar os seus tempos livres. Instituições, sindicatos e grandes empresas demonstram infelizmente apenas em casos pontuais alguma preocupação com os aspetos sociológicos do turismo que contribuem para a saúde mental dos seus colaboradores ou associados, estabelecendo colónias de férias ou criando parques de lazer e desporto.

Países há, como o Japão, onde muitas companhias adquirem pacotes de férias aos operadores turísticos que são oferecidos aos seus empregados ou colaboradores, como forma de premiar o seu esforço e dedicação ao longo do ano.

Se o gozo de férias se tornou um hábito na vida dos cidadãos, a verdade é que tal direito, prerrogativa ou vantagem, está ainda longe de atingir a maioria das camadas sociais e predominantemente os de mais parcos recursos. Até porque é nestas camadas que se encontram mercê de carências económicas e educativas, os núcleos familiares mais numerosos.

Poucas são as iniciativas de carácter social que visem dar às crianças e deficientes a possibilidade de usufruírem de períodos de férias à beira mar, ou mesmo nas pitorescas regiões do interior. E a parte mais substancial de iniciativas deste género tem a sua origem em instituições de solidariedade, alimentadas pela generosidade da sociedade civil.

Não parecendo aconselhável, até por escassez de espaço, avançar mais comentários nesta área que deveria constituir matéria de mais profunda reflexão e estudo dos sociólogos, afigura-se pertinente reforçar a afirmação inicial de que o fenómeno turístico, quer pela versatilidade das suas funções, quer pela ampla temática motivacional, requer tratamento pluridisciplinar que não se compadece com uma visão quase exclusiva de caráter económico.

Se os cifrões continuarem a constituir o objetivo prioritário da nossa política turística corremos o risco de sobrepor a Balança de Pagamentos aos anseios, necessidades e legítimos direitos do Homem, como ser humano que deve não apenas servir a sociedade, mas ser igualmente por ela servido e protegido.

Ponderados os fatores que, sumariamente, aqui foram aflorados, uma das condições que dele se pode extrair não será a de que o turismo como fenómeno pluridisciplinar requer o enquadramento autónomo na estrutura dos órgãos de poder de tal forma que a sua dependência funcional do comércio seja substituída por relações harmoniosas com todos os departamentos do Estado cujas atividades (e responsabilidades) estejam diretamente conotadas com ele? É que a sensibilidade para os problemas levantados com o crescimento, expansão e desenvolvimento do turismo depende do grau de responsabilização e empenhamento correspondente às suas áreas de intervenção.


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *